Zeca é levado para cadeia de segurança máxima

16 set 2020 00:00

Elizabete abre a porta a Zeca (Graciano Dias) e fica desconfiada quando ele diz que quer falar com os herdeiros da pessoa que faleceu no acidente de carro.

Célia diz a Zeca que as notícias não são boas e leva-o até ao cemitério e conta que Ema nunca apareceu, depois do siso, e que a filha dela também morreu. Zeca fica em pânico ao saber que Ema teve uma filha e Célia percebe que ele pode ser o pai.

Zeca vai até uma arriba e atira um ramo de flores ao mar, declarando o seu amor por Ema.

Zeca regressa a Lisboa, dirige-se à livraria e conta a Eça que Ema teve uma filha. O jovem mostra-se destruído por ter perdido Ema e a filha de uma vez só.

Ema está no hospital, após o acidente do táxi, e a enfermeira não sabe como lhe contar que a sua família morreu no sismo do Faial.

Zeca está desolado e fica ainda pior quando sabe que o estado de saúde da mãe se agravou.

Zeca dirige-se para casa da mãe e Gisela pede-lhe para ter calma, mas ele garante que não aguenta mais mortes.

Rosa é levada para a ambulância e ele acompanha a mãe. Zeca está chocado com o valor do tratamento da mãe e decide pedir ajuda a Arnaldo, mas este ri-se quando sabe o valor.

Arnaldo afirma que não tem nenhuma obrigação de ajudar Rosa. O homem do reboque ouve a conversa e diz que pode ajudar Zeca. Midas explica a Zeca que só tem dese dar como culpado de um crime e,em troca,recebe o dinheiro para salvar a mãe.

Peter (Jaquim Nicolau) sobre o julgamento acerca do atropelamento e fuga que vitimou Leandro. O pivot destaca que o arguido se entregou de forma voluntária.

A irmãs de Zeca não conseguem acreditar que ele tenha feito uma coisa daquelas.

Peter liga a Raul, pergunta-lhe se está a ver as notícias e pede-lhe para arranjar o resto do dinheiro para pagar ao tipo que se deu por culpado por ele. Raul tem curiosidade em saber quem ele é, mas Peter acha melhor esquecer o assunto.

Gisela visita Zeca e diz-lhe que não acredita que ele seja culpado. O jovem muda de assunto, diz que o mais importante é salvar a mãe e dá-lhe instruções sobre o que fazer. Ela fica admirada pelo irmão ter tanto dinheiro escondido.

Vanda (Fernanda Serrano) assiste a uma cerimónia de homenagem a Leandro e fica surpreendida por receber um donativo anónimo, que se percebe que foi de Peter.

Zeca é colocado numa carrinha e enviado para uma cadeia de segurança máxima. Zeca dirige-se à sua cela, percebe que quem manda ali é Preto e obedece às suas ordens.

Ema acorda do coma desorientada, tenta levantar-se, e a enfermeira tenta acalmá-la e explica-lhe o que aconteceu.

Midas dá indicações a Peter para fazer a segunda parte do pagamento.

Raul entrega um saco com dinheiro a Peter e este, sem se aperceber, é seguido por um carro. O homem da confiança de Peter deixa o dinheiro no local combinado e Midas chega para o recolher, mas é surpreendido pelos dois homens que seguiam Peter, e obrigam-no a entregar-lhes o dinheiro.

Raul recebe uma chamada dos homens que roubaram o dinheiro a Midas, que lhe indicam que estão a caminho e que já tiraram a sua parte. Raul manda-os desaparecer.

Midas liga a Peter e conta-lhe que foi roubado e que, sem pagamento, Zeca irá contar a verdade e Peter indica que agora já ninguém vai acreditar nele.

Zeca tenta não mostrar medo. Os companheiros de cela explicam-lhe as regras e querem saber porque motivo foi preso.

Ema fica em choque com a notícia da morte dos pais e da filha e chora de dor.

Um mês depois, Zeca deixa uma mensagem a Midas a avisar que se não receber o pagamento, vai contar que tudo aquilo foi um esquema.

Vanda mostra uma casa a Filomena (Sofia Nicholson) e diz-lhe que vai ser ali que vai criar o instituto de doenças raras. Filomena não consegue acreditar nas ideias da irmã, mas Vanda mostra-se decidida a levar o seu plano para a frente.

Zeca recebe a visita de Ema na prisão e fica em choque, por ver que ela está viva mas, ao mesmo tempo, fica muito feliz. Ema explica que teve um acidente quando chegou a Lisboa e que esteve em coma, mas que quer saber se é verdade que Zeca matou uma pessoa. Zeca diz-lhe que não lhe pode revelar a verdade porque o guarda está a ouvir a conversa. Ema desata a chorar pois tinha esperança que fosse um engano. Zeca quer saber se a filha era dele, mas Ema diz que já não importa, porque a filha morreu, deixando Zeca arrasado.

Dias depois. Ema coloca flores nas campas da família e chora. Avança pelos destroços causados pelo sismo, aproxima-se da sua casa, encontra uma chucha da filha e a foto dela e de Zeca em pequenos.

Célia sai de casa com o carrinho de bebé e assusta-se ao ver que Ema está viva. Célia explica que achou que ela tinha morrido. Ema diz que mais valia e desaba num pranto. As outras vizinhas abraçam-na por ela estar viva.

Ema observa a Santa, arranca o colar que traz ao pescoço e, revoltada, lança-o ao mar. Marília e Abílio encontram Ema e, ao saberem da sua tragédia, convidam-na para ir com eles para a África do Sul.

Regressamos ao presente e Zeca (Graciano Dias) conta a Nené que o carro era do dono da editora onde começou a trabalhar.

Zeca entra no casebre com a moldura da fotografia dele e de Ema (Ana Varela) e tenta convencer-se a esquecê-la porque ela, agora, tem outra vida e é rica.

Peter (Joaquim Nicolau) recebe a informação de que o carro está em Alcochete e avisa Raul (Sérgio Praia) de que irão lá amanhã de manhã.

Zeca acorda sobressaltado e começa a vestir-se à pressa. Nené fica surpreendido por Zeca ainda estar ali, quando chega um carro de luxo.

Ao ver Raul (Sérgio Praia) e Peter (Joaquim Nicolau), Zeca fica aflito e questiona-se sobre como o terão encontrado. Zeca esconde-se e dá indicações a Nené sobre o que deve dizer aos homens que acabaram de chegar.