Zeca salva o filho de Ema

14 set 2020 00:00

Zeca (Graciano Dias) sai da prisão e é surpreendido por Vanda (Fernanda Serrano), que lhe garante que lhe vai fazer a vida negra. Zeca tenta dizer que o verdadeiro assassino continua à solta, mas Vanda não chega a ouvir.

Ema (Ana Varela) chama Zequinha (Diogo Dourguette) para ir para o instituto, quando aparece Vanda que lhe conta que foi esperar o assassino do marido à prisão, por ter saído em liberdade.

Zeca, enquanto vai de autocarro, observa a foto dele com Ema e viaja até ao passado no Faial.

Vanda está muito revoltada pelo assassino do seu marido ter sido libertado mais cedo e culpa-o por todo o mal que lhe aconteceu na vida. Ema tenta acalmar a amiga.

Zeca sai do autocarro e olha para o ferro velho com melancolia e dirige-se para lá.

Raul (Sérgio Praia) está nervoso com a possibilidade de Zeca ir atrás dele, e recorda como atropelou Leandro por estar bêbado e como conseguiu que alguém se desse como culpado.

Ema atende a chamada de Raul que lhe pede para lhe levar insulina, mas não quer que se saiba na editora.

Peter (Joaquim Nicolau) e Duarte discutem sobre os negócios de cada um.

Nené tem medo que Zeca lhe roube o lugar no ferro velho e fica assustado ao saber que ele esteve preso por assassinato. Zeca explica que aceitou ser preso no lugar de outra pessoa e que nunca matou ninguém.

Zequinha não gosta do desenho que Bruno faz e arranca-lhe o pincel. Bruno dá-lhe um safanão e Zequinham magoado, sai a correr. Zequinha entra no autocarro e Sara indica que têm de avisar o motorista para o deixar sair.

Zeca muda de roupa, mostra-se empenhado em arranjar trabalho e apanha o mesmo autocarro que Zequinha.

Zeca vê a Editora, pede para sair e fica confuso por ver Zequinha também a sair do autocarro e percebe que ele está perdido e promete encontrar a sua família, mas vai entregar o currículo para tentar conseguir um emprego e pede-lhe para se portar bem, dando-lhe o seu livro para o distrair.

Clara acaba de saber que não há sinal de Zequinha. Vanda chega, passa mal ao saber que Zequinha fugiu e avisa que a família não pode saber de nada, exigindo que as empregadas movam todos os meios para encontrar a criança.

Zeca está deslumbrado com o edifício. Raul embate nele e protesta, deixando Zeca incrédulo. A rececionista recusa o currículo de Zeca, mas Salomé acha-o giro.

Raul acusa Ema de ter demorado muito tempo e vitimiza-se.

Zequinha encontra a foto de Ema com Zeca e sorri, deixa cair o livro e fica com a foto na mão.

Zeca, frustrado, dirige-se para a saída. Salomé fica com pena dele e vai atrás dele e promete arranjar-lhe um emprego. Zeca fica agradecido a Salomé e leva Zequinha para almoçar, que guarda a foto no bolso.

Ema fica em choque ao saber que Zequinha fugiu do instituto e que está desaparecido.

Zeca leva um saco com sandes e brinca com Zequinha mas, de seguida, dirige-se a uma esquadra e explica que o encontrou na rua. Zeca fica tenso quando o polícia lhe pede a identificação e acha melhor fugir para não ter problemas.

Zeca folheia o livro em busca da sua foto com Ema e percebe que desapareceu. Zeca lembra-se de que emprestou o livro a Zequinha e corre para a polícia.

Raul acusa Ema de não servir nem para tomar conta do filho. Ema, de cabeça perdida, afirma que Raul sempre rejeitou o filho por ser deficiente, mas chora de emoção ao saber que o filho apareceu.

Zeca volta para trás, para recuperar a foto e fica siderado ao ver Zequinha com Ema e Raul.

Ema e Raul chegam a casa com Zequinha, ainda perturbados com o que aconteceu. Raul está decidido a cortar o financiamento ao instituto. Ema tenta perceber porque motivo Zequinha fugiu, mas não tem sucesso. Ema vê a foto, que julga ser a sua, e vai guardá-la, quando percebe que a sua nunca saiu da moldura e questiona o filho onde arranjou a fotografia.