NESTE EPISÓDIO...

No passado...

Gonçalo (Pedro Lima) olha, chocado, para o caos em que a sua casa está. Tomás surge em cuecas e Gonçalo manda-o embora de sua casa. Tomás contesta e provoca o amigo. Descontrolado, Gonçalo atira-se a ele furioso. Raquel (Maria João Pinho) chega e fica aflita quando olha para os dois a lutar.

Raquel exige a Gonçalo e Tomás uma explicação para se terem pegado à pancada. Tomás conta, em tom provocador, que Gonçalo foi ali pedir-lhe satisfações por ter apalpado Marina (Dina Félix da Costa) na aula de tango. Raquel atende a chamada de Marina no telemóvel do marido e pergunta-lhe se tem mais alguma coisa para lhe contar sobre Tomás.

Regresso ao presente...

Dr. Raimundo e André (Nuno Pardal) tratam da documentação para a transferência de Gonçalo para casa e o primo do empresário assume tratar de todas as despesas inerentes.

Todos aguardam, impacientes, que Augusto e Raquel expliquem por que razão querem falar com eles, pensando que querem assumir a sua relação. Raquel acaba por tomar palavra e conta que Gabriel é filho de Gonçalo, o que significa que é meio irmão de todos eles.

Laura (Fernanda Serrano) pensa nas palavras de Joaquim e insinua que Marina pode ter tido mais amantes e que pode ter sido um deles que a matou. Miguel (Pedro Teixeira) conta-lhe que Tomás apresentou queixa na polícia contra Gonçalo e que isso aumenta ainda mais essa suspeita. Laura diz a Miguel estar segura que vai abortar novamente da sua gravidez e Miguel olha-a com esperança que tudo corra bem.

Matilde (Helena Isabel) segue para o quarto de Gonçalo, tranca a porta e Ângelo (Pedro Almendra) fica aflito a temer o pior. Matilde diz, ao ouvido do filho, que sabe que ele preferiria morrer a ser humilhado desta forma. Num ato desesperado, começa a desligar todos os aparelhos que mantêm o filho vivo.

Raquel abraça Augusto e afirma que o facto de Gonçalo ir para casa não muda o que sente por ele. O médico responsável por Gonçalo liga a Raquel e pede-lhe para ir a correr para o hospital.

Já desesperados, Ângelo e duas enfermeiras pedem a Matilde que abra a porta mas a empresária desliga todas as máquinas e limita-se a embalar Gonçalo nos seus braços, à espera que a morte o venha buscar.