A recuperação impressionante de uma mulher que estava à beira do abismo

Graças ao «A Tarde é Sua», Rosa é uma mulher nova

Em setembro de 2010, Rosa esteve no programa das tardes da TVI para contar a sua história.

Tinha 42 anos na altura, e estava à beira do abismo. Devido ao álcool, perdeu a tutela do filho, o apoio dos pais, a dignidade, o amor-próprio, a saúde e os amigos. Naquele momento, Rosa estava ainda em risco de perder o emprego, a casa e o marido.

Rosa contou que o álcool sempre esteve presente em casa.

«Toda a minha família tinha o hábito de beber álcool… Acho que a primeira bebedeira que apanhei foi com uns oito ou nove anos, e ninguém da minha família achou anormal.»

Aos 22 anos, esta mulher sofreu um grande desgosto com a morte dos avós paternos e a solução que encontrou foi a bebida.

11 anos depois, a avó materna morreu e Rosa voltou a refugiar-se no álcool.

Foi nesta altura que o marido dela percebeu realmente o seu problema.

Até à data que a levou às «Tardes da Júlia», Rosa fez vários tratamentos em centros de recuperação, mas nunca conseguiu deixar a bebida.

O programa da TVI decidiu ajudar e ofereceu um tratamento intensivo na clínica Villa dos Passos, nos Açores. Foi lá que Rosa passou três meses e duas semanas.

Cinco meses depois, esta mulher voltou à estação de Queluz de Baixo, desta vez já no «A Tarde é Sua», e não podia apresentar-se em melhor estado. Tinha recuperado a autoestima e sentia-se uma mulher feliz.

«Aos poucos estou a voltar à minha vida normal. O meu filho já está a viver connosco desde que vim dos Açores e o meu trabalho também está à minha espera», dizia Rosa em 2011.

Hoje, oito anos depois, quisemos saber como está a vida dela e da família. Será que superou o maior desafio de qualquer dependente?

A resposta é sim!

Aos 51 anos, Rosa é uma mulher feliz e realizada.

«Nunca mais toquei numa gota de álcool.»

«Estou grata à TVI por me ter dado a oportunidade de voltar a ter a minha vida e todas as pessoas que mais amo. Provavelmente se não fosse assim, nunca teria conseguido e teria perdido tudo. Obrigada!»