O brutal assassinato de Beatriz Lebre às mãos do colega de faculdade

No «A Tarde é Sua», percebemos os contornos de um caso de homicídio que está a chocar o país.

Beatriz Lebre, de 22 anos, terá sido assassinada por Rúben Couto, de 25 anos, que já foi detido pela Polícia Judiciária após ter confessado o crime e revelado que atirou o corpo da colega de curso ao rio Tejo.

O caso chegou à imprensa no dia 28 de maio, e, pouco depois, a Polícia Judiciária dava conta da detenção do principal suspeito, Rúben, estudante de mestrado de Psicologia. Mas, no dia 22, a mãe de Beatriz já tinha alertado a Polícia de Segurança Pública para o desaparecimento da filha.

No dia 27 de maio, a Polícia Judiciária interrogou Rúben e este terá confessado que assassinou a colega. O rapaz estaria obcecado por Beatriz e o crime, acreditam as autoridades, terá sido motivado por ciúmes. Na confissão, o estudante terá, ainda, dito que atirou o corpo da jovem ao rio Tejo. O suspeito contou às autoridades que Beatriz terá morrido quase de imediato e que o corpo terá sido transportado já sem vida. Tudo indica que Rúben terá cometido o crime na casa da vítima, pois a Polícia Judiciária encontrou vestígios de sangue na habitação.

Após a confissão, o rapaz fez-se passar por namorado de Beatriz, contactou os amigos para ver se descobriam algo sobre o paradeiro e foi dos primeiros a contactar a mãe da colega, oferecendo-se para ajudar nas buscas.

A Judiciária desmascarou Rúben e ele aceitou levar as autoridades ao exato local onde deixou o corpo da jovem e a arma do crime. Após várias horas de buscas, os mergulhadores encontraram a arma utilizada no crime e, um dia depois, o corpo foi encontrado.