09 out 2019 17:46

«Se fosse da tua família, matava-me por ter vergonha de ti!»

Convidado partilha história de bullying que viveu na adolescência.

Mário conta que, por volta dos 15 anos, se sentia abençoado pela genética. No entanto, na escola, nem sempre foi bem visto: «Recordo-me de um episódio que me marcou até hoje. Achava eu que, por aparecer nas revistas que as miúdas liam naquela altura, isso me dava estatuto. E talvez me tenha tornado num adolescente arrogante e de nariz empinado. Um dia, resolvi ir para a escola com umas calças verde-alface, tão justas que me lembro que as vestia deitado».

Naquele dia, Mário entrou na escola cheio de confiança. «Eu ia seguro e orgulhoso das minhas calças. Passados poucos metros comecei a ouvir “Que paneleiro!”, “Olha, aquele hoje traz calças de mulher!”, ou – e deste sei que nunca me esquecerei – “Se fosse da tua família, matava-me por ter vergonha de ti!”. Não respondi a ninguém, embora este último me tenha deixado um sabor amargo na boca», confessa.

O jovem ignorou todos os comentários negativos. Porém, na hora do intervalo, não teve como fugir. «Uma colega disse-me para não sair da sala. Mas eu saí. Dei o primeiro passo, no corredor, e recebi o primeiro pontapé. E foi assim até chegar à porta da casa de banho. Pontapés, rasteiras e muitos nomes feios, creio que alguns deles os aprendi nesse mesmo dia».

Esta situação aconteceu há anos e, apesar de não esquecer, hoje Mário olha para trás de forma diferente.

Durante o programa, decidimos surpreender o nosso convidado. Trouxemos a estúdio, o irmão de coração e duas grandes amigas, que o têm acompanhado sempre, Rita Ferro Rodrigues - uma cara bem conhecida do público - e Rute Rosado. Além destas presenças, Mário foi ainda surpreendido com algumas mensagens em vídeo.