29 out 2019 17:54

Branca Pereira é Mãe-de-Santo

Desde muito nova que Branca sente ter uma sensibilidade espiritual mais apurada que o normal

Durante mais de dois anos, Branca Pereira gastou milhares de contos com burlões ligados à área do oculto. Pessoas que prometeram ajudá-la na descoberta do seu caminho espiritual. Alguém que lhe explicasse o porquê de conviver desde muito nova com visões, desmaios constantes ou incorporações de espíritos desconhecidos, entre tantas outras experiências desconhecidas para a maioria dos comuns mortais.

Em 2000, de forma absolutamente casual, encontrou finalmente a pessoa certa: o seu pai-de-santo. Branca rendeu-se ao Candomblé e foi aconselhada pelo seu mentor a ajudar as pessoas. Assim fez!

Branca recorda-se, como se fosse hoje, do primeiro dia em que o baralho de tarot lhe foi passado para as mãos: «Fiquei apavorada porque não percebia nada daquilo. De certa forma, ainda não tinha confiança em mim e na minha intuição.»

Mas o pai-de-santo sabia o que fazia: «Tinha as minhas dúvidas mas a verdade é que, logo na primeira vez que deitei cartas, aquilo que eu interpretei e que na altura não me fazia sentido algum acabou mesmo por acontecer.»

Esta mulher aprendeu a conviver com o dom que os deuses lhe atribuíram e dedica-se agora àquilo que um dia procurou: dá consultas e aconselha os demais a lidar com a sua espiritualidade e, através dela, a superar os obstáculos com que se deparam ao longo da vida.

Branca é uma mulher inteligente e segura de si, mas também bastante compreensiva. Entende que aquilo que faz pode levantar dúvidas aos mais céticos e não leva a mal que estes não procurem os seus conselhos.