18 out 2019 18:40

Braima Dabó está nomeado para o prémio Fair Play dos Mundiais de Atletismo

O atleta ficou mundialmente conhecido pelo seu ato de desportivismo e fair play.

Braima Dabó, pouco antes de cortar a meta na prova eliminatória dos 5000 metros, no Campeonato do Mundo de atletismo no Qatar, voltou atrás para ajudar um colega de Aruba a completar a prova. As imagens da sua atitude altruísta correram o mundo. Entretanto, foi designado embaixador de Aruba e é um dos quatro nomeados para o prémio Fair Play, dos Mundiais de atletismo, de acordo com a lista divulgada pela Associação Internacional das Federações de Atletismo.

“Sinto-me orgulhoso por representar o meu país ao mais alto nível, apesar de não ter batido o meu recorde pessoal. Já vinha a sofrer quando faltavam três voltas e percebi que essa meta estava fora do meu alcance. Tinha as pernas pesadas e estava a custar-me bastante fazer a última volta, mas, quando reparei que ele precisava de ajuda, fiz o que qualquer um estaria disposto a fazer naquela posição”, reconheceu à agência Lusa na chegada a Portugal.

Braima Dabó e Jonathan Busby eram os únicos representantes dos respetivos países na 17.ª edição dos Mundiais, devido às quotas atribuídas pela Federação Internacional de Atletismo, e partiram sem expectativas de alcançar a final dos 5.000 metros, tendo descolado com naturalidade do pelotão.

A cerca de 250 metros do fim, o atleta natural de uma pequena ilha das Caraíbas (Jonathan) denotou sinais de quebra física e dificuldades em manter-se de pé, ao ponto de o guineense (Braima) ter recuado para amparar o adversário e carregá-lo até à meta, sacrificando a sua própria prova, numa lição de desportivismo reconhecida além-fronteiras. “Estivemos juntos no dia em que cheguei ao hotel, no dia da prova cumprimentámo-nos na câmara de chamada e depois do tiro da partida nunca mais consegui falar com ele. Deu-me sempre algum avanço até àquele momento. Ele só fala inglês e eu só falo português, mas percebi na chegada que me tinha agradecido”, contou.