18 out 2019 17:00

Ana Paulino sofre de Perturbação Obsessivo-Compulsiva

A jovem quer ajudar outras pessoas que desvalorizam os sintomas desta doença.

Ana Carina Paulino tem 36 anos e sofre de Perturbação Obsessivo Compulsiva (POC) desde a adolescência. Nunca soube, nem reconheceu que estava doente. Achava que as obsessões e os rituais que tinha estavam relacionados com o facto de ser ansiosa. A partir dos 25 anos, altura em que começa a trabalhar, os sintomas da POC tornam-se mais evidentes e começam a dominar a sua vida por completo.

Os rituais de verificação levaram-na ao extremo de demorar horas a verificar se as portas estavam trancadas, se as tomadas estavam desligadas, entre muitas coisas. No que toca aos rituais de contaminação, a situação também se agravou ao ponto de queimar as mãos de tanto as lavar em água quente. Hoje, continua a ser seguida por um psiquiatra e está na associação Domus Mater, que se dedica, única e exclusivamente, ao tratamento da POC.

Aos 25 anos, Ana começou a trabalhar e é nesta altura que as obsessões dão origem às compulsões, talvez devido à pressão e à responsabilidade que um trabalho diário exige.

Os rituais de verificação tornaram-se tão extremos ao ponto de Ana ir de férias e antes disso tirava fotos de tudo aquilo que a pudesse preocupar: tomadas desligadas, janelas fechadas, quadro elétrico desligado, frigorifico fechado. .

A jovem sabia algo que não estava bem, só não sabia o quê. Os momentos de depressão passaram a ser recorrentes e levá-la quase à loucura. A compulsão das compras começou, precisamente, a acontecer nestas fases depressivas.

Ana é atualmente acompanhada por uma psiquiatra e, está também, na Domus Mater, uma associação que acompanha doentes de POC e seus familiares, através de várias terapias e consultas de psicologia.