07 nov 2019 17:59

Jovem de 18 anos tenta suicidar-se 6 vezes: «Sinto que não sou digna de viver!»

Jovem de 18 anos pede ajuda, desesperada.

Há duas semanas, Madalena Mendes escreveu-nos o seguinte email:



Palavras chocantes de uma jovem descontrolada e desesperada por ajuda. Madalena que conta que a última tentativa de suicídio com comprimidos aconteceu dia 30 de julho, e a ultima vez que se auto mutilou aconteceu há duas semanas.

Madalena é a sétima filha de nove. Sandra, a mãe, tem nove filhos de três relações diferentes. Sobre a infânica, a jovem desfia uma recordação pejada de violência: «Eu tinha entre dois e três anos quando vi o meu pai bater na minha mãe, uma vez, eu estava ao colo da minha mãe, o meu pai deu-lhe um soco, mas, acertou em mim».

Madalena tinha 13 anos quando se cortou pela primeira vez e escondeu isso da mãe e de toda a gente. Falou apenas com a assistente social que acompanhava a família, pedindo-lhe ajuda. No entanto, a jovem afirma que as suas queixas foram desvalorizadas.

Durante toda a adolescência, Madalena diz não ter tido uma vida fácil. O tempo foi passando e o ano passado revelou-se dramático, a jovem diz ter sido vítima de bullying.

Ao longo de 2018, Madalena esteve várias vezes internada: duas no Hospital Dona Estefânia e 10 no Júlio de Matos.

«No hospital, fizeram-me vários exames à cabeça e vários testes. E fui diagnosticada com Transtorno de personalidade Borderline».

Este ano, a 30 de julho, teve uma grande crise e conta que tentou pôr fim à vida. Há duas semanas cortou-se a última vez. A cicatriz enorme que tem no braço demonstra o quão perigoso foi o corte.

Madalena acredita que não tem motivos que a façam sorrir e sentir-se alegre.

«Sinto que não sou digna de viver».

Ao longo destes últimos meses, Madalena ganhou muito peso o que a faz sentir-se ‘diminuída’. A jovem pesa atualmente 136 quilos.

Madalena passa os dias em casa e não vai à escola. Com o humor muito inconstante e com os pensamentos suicidas sempre a rondar, sabe que precisa urgentemente de ajuda.

Visto que não podíamos ficar indiferentes a esta situação, contactámos a clínica «Linha d'Água» que se disponibilizou a ajudar.

A equipa desta clínica oferece um mês de tratamento, sendo que findo esse tempo, fazem avaliação para perceber se há condições para continuar.

Porém, é fundamental que a jovem se comprometa a fazer o que lhe for pedido para que a terapia resulte.