António Raminhos deixa mensagem a quem sofre de ansiedade ou transtornos, tal como ele

Humorista dedicou uma mensagem importante a todos os que, como ele, sofrem de ansiedade e têm de lidar com as implicações da pandemia do Covid-19.

Leonor Poeiras esteve à conversa com Raminhos, através de uma videochamada, e parabenizou a atitude do humorista.

Apesar de confessar que esta tem sido uma fase particularmente difícil para quem lida com ansiedade, Raminhos lembra que a melhor forma de ultrapassar as dificuldades é ver o lado positivo das mesmas.

Esta mensagem é para todos nós. Nós que sofremos de ansiedade, de transtornos que nos atormentam. Nós, os que sofremos com a morte... dos outros e da nossa. Que sofremos com o medo. O medo de morrer, de desaparecer, de não ser feliz, de não conseguir, de não suportar, de não lutar. Agradeçam. Este é o momento de agradecer. É a luz de que muitos precisavam. Presos em casa, em recantos, está na hora de se libertarem. Porque foi preciso prendê-los em casa para libertar de tudo o resto. Olhar para a janela e não saber o dia de amanhã, do meu, dos nossos... não é um castigo. É finalmente poder perceber que está na hora de se libertarem. Há quem esteja pior e sofra mais. Foi nos dada a hipótese de fugir daquilo que nos prende. Para que no dia em que se abrir a porta, sorriamos.Não porque estamos a sair de casa, mas porque estamos a sair daquilo que achávamos que era de nós. Para quem sofre de ansiedade, este é o momento chave. O momento em que muitos dos nossos medos se tornam quase reais e em que os podemos ver partir. Respira e olha para o céu como se fosse a primeira vez. Olha para os teus como se fosse a primeira vez. Se estás sozinho olha para ti como se fosse a primeira vez. Há quem esteja a sofrer mais do que nós. Aqui ou noutra parte do mundo. Devemos-lhes isso. Devemos-lhes lutar por ser felizes. Não saber o dia de amanhã pode ser uma benção. É poder agradecer o dia de hoje.

Uma publicação partilhada por António Raminhos (@raminhoseffect) a

Raminhos assume que continua a fazer terapia, uma vez que tem um transtorno obsessivo-compulsivo.