14 ago 2018

Maria de Lurdes relata uma história de uma colega, que, num determinado momento, massajou um doente, que viria a denominá-la de «anjo da guarda», por ter sentido o afeto que lhe foi dado. A enfermeira não tem dúvidas que, com carinho e afeto, qualquer doente recupera mais depressa.