Menina com tumor cerebral: «Sempre me esforcei e acreditei que ia viver»

Aos 2 anos foi diagnosticado a Ana um tumor cerebral impossível de operar. Deram-lhe cinco anos de vida e hoje tem quase 17.

Ana vive com morte anunciada e a mãe já se despediu da filha mais de 10 vezes, no entanto, o espírito positivo e a força da menina deixam qualquer um comovido: «Eu estou sempre ótima. Sempre me esforcei e acreditei que ia viver».

A mãe de Anocas, Alexandrina, começa por explicar aos apresentadores do «Dois às 10» como ensinou a filha a lidar com a doença: «A dor é inevitável, mas o sofrimento escolhe-se». Alexandrina admite ainda: «Quando começa uma aventura na pediatria oncológica também começa uma aventura no medo», mas a mãe nunca se deixou ficar.

Alexandrina é professora e deixou de trabalhar para se dedicar à filha: «Mudamo-nos do Porto para o Algarve por causa do tempo. Reparei que todos os anos, no inverno, a Anocas estava péssima. Ou no hospital, ou péssima em casa». A menina de 12 anos assume com um sorriso contagiante: «Amo o sol, o mar e a vitamina D».

Alexandrina acrescenta por fim: «A Anocas trouxe-me uma aprendizagem brutal. Sou um ser humano muito diferente do que era, porque ouvir todos os dias que a filha não tem futuro e que não é possível a recuperação... não é fácil».

RELACIONADOS

Carla casou-se num hospital e dois dias depois ficou viúva

Carla foi morta pelo instrutor de tiro e a mãe garante que não se tratou de acidente

Cláudio Ramos para Bernardo Sousa: «Agarra nela, vai lá para fora e casa lá fora»

Joana Amaral Dias e marido fizeram tatuagem em conjunto enquanto convidados viam dança do ventre

Um menino de oito anos que aparenta dois. Conheça a história de Salvador

Sandrina Pratas: «Ai, não me serve! Tenho de emagrecer»

A Não Perder

MAIS

Mais Vistos

Mais Vistos Goucha

Receitas

Fotos

Vídeos