19 nov 2019 14:38

Ana Sofia provou que muitas vezes os últimos são os primeiros

A candidata de Cascais manteve sempre uma postura reservada na competição mas, o seu talento para a cozinha não passou despercebido e foi a primeira a conquistar um lugar na final.

No «Masterchef Portugal», Ana Sofia assumiu-se desde sempre como uma mulher do mundo não tivesse ela crescido entre a África do Sul e Portugal. Começou a carreira por ser hospedeira de bordo e o seu maior sonho sempre foi abrir um bistro dedicado a brunches, por isso, quis entrar no programa para aprender mais sobre o mundo da cozinha. 

Se recuarmos alguns meses atrás, todos nos lembramos, certamente, da forma arrasadora com que venceu os adversários nas batalhas. Inspirada na cozinha asiática, a aspirante apresentou um lombo de salmão com soba «noodles» e caldo «thom kha» que lhe permitiu o acesso ao grupo restrito de quinze aspirantes. 

Ao longo de várias semanas, a empresária de 43 anos, foi conquistando um «lugar ao sol» na competição. E inclusive, numa das provas, o jurado Miguel Rocha Vieira admitiu que o prato confeccionado pela aspirante, em sete anos de programa, estava no «top 5» dos melhores. 

Contudo, se o trabalho de Ana Sofia merecia quase sempre elogios e, uma dessas vezes chegou a provocar alguns conflitos entre os jurados, a aspirante recebeu na última semana, e pela primeira vez, críticas dos jurados que respondeu à letra. 

Durante o programa, a aspirante foi, por vezes, desvalorizada pelos colegas sendo quase sempre a última candidata a ser escolhida na prova das equipas. Rapidamente, todos perceberam das suas capacidades e, a sua postura determinada foi premiada na semifinal com um lugar direto na final. 

Será Ana Sofia a próxima «Masterchef»? Descubra tudo, este domingo! 

Cresceu entre África do Sul e Portugal, mas é uma mulher do mundo. Foi hospedeira de bordo e deu a volta ao globo, provando tudo o que podia e ampliando a sua paixão e conhecimento pelas gastronomias do mundo, principalmente asiáticas. É divorciada e tem um filho - Lourenço - com sete anos. Está no «Masterchef» porque diz que não se vê a fazer mais nada: respira cozinha e quer abrir um bistro com «brunch», «cocktails» e pratos do dia especiais. A sua especialidade é cozinha do mundo e trata qualquer produto oriental por tu. Diz que gosta de trabalhar em grupo, mas gosta de ficar no seu canto e não parece a aspirante mais integrada no grupo. Arrasou nas batalhas com um lombo de salmão com soba «noodles» e caldo «thom kha» que entrou diretamente para o top 5 do «Masterchef Portugal».