Leonardo Galvão

Frederico Barata

Como é que eu hei-de explicar o que é ser filho da dona Olívia… A decoração lá em casa até pode ser top, mas eu sinto-me num quartel. É insuportável ter uma mãe general. Por exemplo, eu sou Gestor de Redes Sociais. Crio sites, administro contas de empresas no Instagram, Facebook… Mas para a minha mãe, isso não é uma profissão, é um passatempo. Eu devia era ser astronauta, levava-a para a Lua e deixava-a lá esquecida. Não me interprete mal, eu gosto muito dela e respeito-a, mas é difícil contrariar uma pessoa que tem a sua própria verdade universal. Nós praticamente só nos temos um ao outro, por isso eu tento evitar conflitos. Mas ser uma marioneta no “Dona Olívia Reality Show” não é para qualquer um. Como sabe, a minha prima, a Carolina, tem um problema com drogas. Eu faço tudo para a ajudar, tal como a minha mãe faz tudo para nos afastar. Quando a Carolina morrer, os meus tios vão voltar a Portugal. E quando souberem que têm uma neta perdida algures no planeta, tudo vai mudar na nossa família. A minha mãe vai fazer de tudo para essa criança não ser encontrada, mas eu… vou ajudá-los.