Militar morre ao imolar-se em frente à embaixada de Israel nos Estados Unidos - TVI

Militar morre ao imolar-se em frente à embaixada de Israel nos Estados Unidos

  • CNN
  • Casey Gannon, Jennifer Hansler e Rashard Rose
  • 26 fev, 21:14
Veículos dos serviços secretos dos EUA bloqueiam o acesso a uma rua que conduz à embaixada de Israel em Washington D. C. (Mandel Ngan/AFP/Getty Images via CNN Newsource)

Um militar da Força Aérea dos Estados Unidos morreu este domingo depois de se imolar à porta da embaixada israelita em Washington D. C., no domingo, morreu, segundo as autoridades.

Aaron Bushnell, 25 anos, de San Antonio, Texas, disse num vídeo do incidente obtido pela CNN que "não seria mais cúmplice de genocídio" e que o seu sofrimento era mínimo em comparação com o dos palestinianos, uma vez que a crise humanitária persiste em Gaza.

Em seguida, deitou o aparelho de gravação ao chão, antes de deitar um líquido que não foi possível identificar sobre si e de se incendiar, enquanto gritava repetidamente "Palestina livre". Acabou por desmaiar enquanto os agentes da polícia se apressavam a apagar as chamas com extintores.

Foi posteriormente transportado pelos bombeiros da capital e pelos serviços de emergência para um hospital local, onde morreu, informou a Polícia Metropolitana em comunicado. A polícia local está a trabalhar com os serviços secretos dos Estados Unidos e o gabinete de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos para investigar o incidente.

A identidade de Bushnell foi confirmada pelas autoridades, e Rose Riley, porta-voz da Força Aérea dos EUA, disse que se tratava de um piloto no ativo. Serão fornecidos mais pormenores depois de concluídas as notificações aos familiares mais próximos, informou a Força Aérea.

Um porta-voz da Embaixada de Israel disse que nenhum funcionário da embaixada ficou ferido.

Em dezembro, uma pessoa pegou fogo a si própria no exterior do consulado de Israel em Atlanta, no que a polícia disse ter sido "provavelmente um ato extremo de protesto político". Uma bandeira palestiniana que fazia parte do protesto foi recuperada no local e a gasolina foi usada como acelerador, disseram a polícia e os bombeiros numa conferência de imprensa.

Israel está a travar uma guerra contra o Hamas em Gaza, após os ataques terroristas de 7 de outubro que mataram 1.200 pessoas em Israel, segundo as autoridades israelitas. A resposta matou cerca de 30 mil pessoas em Gaza, de acordo com o Ministério da Saúde dirigido pelo Hamas.

Continue a ler esta notícia