Uma professora que foi atingida a tiro por um aluno de seis anos avisou a escola várias vezes para o comportamento da criança, mas a instituição minimizou sempre o problema. Trata-se do caso de Abigail Zwerner, que foi baleada no peito durante uma aula na escola primária Richneck, no Estado norte-americano da Virgínia.

A docente terá alertado para vários comportamentos preocupantes, incluindo ameaças do aluno de que iria pegar-lhe fogo ou vê-la morrer. É o que consta de mensagens obtidas pelo The Washington Post, e que agora levantam questões sobre a atuação da direção da escola.

As autoridades investigam o caso como sendo “intencional” desde o início e estas novas provas veem dar força a essa hipótese.

Mas a má conduta da escola não terá ficado por aí. É que informações do superintendente da cidade de Newport News, onde tudo aconteceu, deram conta de que responsáveis da escola receberam informações de que a criança teria uma arma naquele dia. A mochila do aluno terá sido revistada, mas nada foi encontrado, sendo que a polícia garante não ter recebido quaisquer comunicações sobre as suspeitas.

A polícia só foi alertada quando Abigail Zwerner, 25 anos, foi baleada pelo aluno. Chegados ao local, os agentes verificaram que o menino estava a ser agarrado por um dos auxiliares da escola.

No local foi disparado um tiro, precisamente quando a professora estava a começar a dar a aula, não tendo havido qualquer luta ou agressão corporal antes do disparo.

A reação de Abigail Zwerner foi elogiada pelas autoridades, que destacaram que, apesar dos ferimentos, a professora quis garantir que todos os outros alunos conseguiam sair da sala em segurança.

António Guimarães