Uma erva romana usada para abortar foi tão colhida que se extinguiu. O aborto é uma história antiga - TVI

Uma erva romana usada para abortar foi tão colhida que se extinguiu. O aborto é uma história antiga

  • CNN
  • Katie Hunt
  • 1 jul 2023, 12:00
Réplica do Papiro Ebers, com 3.500 anos, o maior pergaminho sobre a ciência médica do antigo Egipto, na Biblioteca Albertina da Universidade de Leipzig, na Alemanha. O rolo de papiro, com 18,63 metros de comprimento, é uma das fontes mais importantes do nosso conhecimento sobre a medicina da Antiguidade. Waltraud Grubitzsch/picture alliance/Getty Images

Durante a maior parte da história, o aborto não foi uma questão sobre o feto, como é atualmente, mas sim sobre o comportamento das mulheres

Relacionados

O aborto hoje, pelo menos nos Estados Unidos, é um barril de pólvora político, legal e moral. Mas durante longos períodos da história, interromper uma gravidez indesejada, especialmente nas fases iniciais, era um facto relativamente incontroverso da vida, dizem os historiadores.

Papiros egípcios, peças de teatro gregas, moedas romanas, biografias medievais de santos, manuais médicos e de obstetrícia, jornais e panfletos vitorianos revelam que o aborto era mais comum nos tempos pré-modernos do que se poderia pensar.

Esta visão alargada do aborto é importante, segundo Mary Fissell, professora de história da medicina na Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Isto porque as suposições sobre a forma como o aborto era visto no passado influenciam os argumentos atuais sobre o direito ao aborto. Esses direitos têm sido severamente restringidos em muitos estados dos EUA desde Roe vs Wade, a decisão do Supremo Tribunal de 1973 que, efetivamente, tornou o aborto legal, foi anulada em 24 de junho de 2022 pelo Supremo Tribunal dos EUA no caso Dobbs vs Jackson Women's Health Organization.

Os oponentes do aborto retratam os direitos concedidos por Roe vs Wade e o acesso legal ao aborto como uma aberração histórica, de acordo com Fissell, o que não é correto, dizem os historiadores.

"Temos de compreender que isto é muito mais mutável do que fomos levados a crer. Há uma constante de mulheres que interrompem a gravidez ao longo da história, mas os significados desse ato mudaram muito significativamente ao longo do tempo e continuarão a mudar", disse Fissell, que está a trabalhar em "Long Before Roe", um livro sobre a história do aborto que será publicado em 2025.

"A decisão de Dobbs não foi inevitável, mas sim parte de um ciclo muito mais longo de restrição versus aceitação", observou.

As primeiras referências ao aborto

As primeiras referências escritas ao aborto estão contidas num antigo papiro egípcio escrito há cerca de 3.500 anos. O Papiro Ebers, um texto médico, sugeria, por volta de 1550 a.C., que o aborto podia ser induzido utilizando um "tampão de fibra vegetal revestido com um composto que incluía mel e tâmaras esmagadas".

Na Grécia e Roma antigas, as referências ao aborto e às substâncias botânicas que induzem o aborto eram comuns em textos médicos e outros - embora não se saiba ao certo em que medida eram utilizadas, sublinhoua Fissell.

A heroína grega Lysistrata. Historia/Shutterstock

Em 411 a.C., o dramaturgo grego Aristófanes, na sua peça Lysistrata, descreveu uma jovem desejável como "elegante e enfeitada com poejo", uma planta que se pensava induzir o aborto.

As plantas e as substâncias botânicas podem ter efeitos tóxicos e não há provas de que os métodos históricos de indução do aborto tenham sido eficazes ou não.

A procura do silphium

Na Roma antiga, outra planta que se pensava poder pôr fim a uma gravidez indesejada (entre outras utilizações), era tão valorizada que desapareceu - a primeira extinção registada na história mundial, segundo a arqueóloga Lisa Briggs, investigadora da Universidade de Cranfield e investigadora visitante do Museu Britânico.

O Silphium, também usado para dar sabor aos alimentos, era comercializado em todo o antigo império romano. A cidade-estado de Cirene (na atual Líbia), a única região onde a planta crescia, baseava toda a sua economia na planta. Apareceu em moedas e outros artefatos desenterrados da região, disse Briggs.

"Os autores contemporâneos diziam que valia o seu peso em ouro e prata. Por isso, tinha claramente um valor para além do seu sabor. Suspeito que o desejo das mulheres de a usarem como abortivo é uma das razões pelas quais o preço subiu", afirmou Briggs, que está à procura de provas arqueológicas da planta (que era transformada em resina) em naufrágios e coleções de museus.

Plínio, o Velho, autor e filósofo romano nascido por volta do ano 23 d.C., descreveu a capacidade da planta para expulsar um feto e outras utilizações médicas. É impossível saber com certeza se a planta teria tido o efeito desejado, mas estudos atuais sobre plantas Ferula e ratos de laboratório mostraram que as plantas "exibem propriedades antifertilidade em roedores", escreveu Briggs num artigo de que foi coautora no ano passado.

Briggs acredita que a procura da planta pelas mulheres pode ter sido um fator chave, embora não a única razão, para a sua extinção. A planta era resistente ao cultivo, observou Briggs, e as alterações climáticas e uma mudança nas características do solo também podem ter sido fatores

Moeda representando a planta silphium, agora extinta, data de 480-435 a.C.. Heritage Images/Getty Images

Abortistas que eram santos

Por vezes, parte-se do princípio de que o cristianismo sempre condenou inequivocamente o aborto, mas Maeve Callan, professora e historiadora da religião no Simpson College, no Iowa, Estados Unidos, diz que isso deturpa o passado.

"As pessoas agem como se houvesse apenas uma atitude aceitável em relação ao aborto quando se é católico, ou quando se é cristão em geral, ou mesmo quando se é religioso em geral. E sempre houve uma diversidade de pontos de vista", disse Callan, autora do livro "Sacred Sisters: Gender, Sanctity, and Power in Medieval Ireland".

A sua investigação, juntamente com outros estudiosos, descobriu quatro santas irlandesas medievais que celebravam o fim da gravidez entre os seus milagres, de acordo com manuscritos medievais que descreviam a vida das santas. Normalmente, estes milagres incluem uma freira que violou o seu voto de castidade e engravidou, mas, através da intervenção do santo, a gravidez desaparece milagrosamente.

A mais famosa foi Santa Brígida, uma santa padroeira da Irlanda menos conhecida do que Patrício e cujo estatuto foi homenageado com um feriado inaugural este ano.

De acordo com um eclesiástico chamado Cogitosus, que escreveu a primeira biografia de Brígida por volta de 650 d.C. - cerca de 200 anos após o seu nascimento - ela pôs milagrosamente fim à gravidez indesejada de uma mulher, "fazendo com que o feto desaparecesse sem dar à luz e sem dor".

Dançarinos atuam em frente a uma imagem de Santa Brígida projetada no The Wonderful Barn em Leixlip, Kildare, Irlanda, a 31 de janeiro. Peter Morrison/AP

Outro santo, São Ciarán de Saigir, salvou uma freira raptada por um rei, de acordo com uma biografia: "Quando o homem de Deus regressou ao mosteiro com a rapariga, esta confessou que estava grávida. Então o homem de Deus, guiado pelo zelo da justiça, não querendo que a semente da serpente vivificasse, pressionou o seu ventre com o sinal da cruz e forçou-o a esvaziar-se."

Callan não deixa de sublinhar que estes santos irlandeses não eram defensores da escolha das mulheres quando se tratava de uma gravidez indesejada, nem era provável que estes santos fizessem efetivamente abortos.

"Os milagres mostram a atitude das pessoas em relação ao aborto e, em algumas circunstâncias, isto era visto como aceitável, até como uma bênção milagrosa." Segundo Callan, o "Old Irish Penitential", um livro que detalha as punições para os pecados, a penitência para o aborto dependia da fase da gravidez, dividida em três, como trimestres - no primeiro, três anos e meio de penitência; no segundo, sete anos; no terceiro, 14 anos. Mas, como disse Callan, "quase tudo era pecado". O "Old Irish Penitential" também estipula que o sexo oral merece quatro ou cinco anos de penitência na primeira vez, sete anos se for repetido.

"Não é permissivo. O aborto não é correto (de acordo com estes ensinamentos). É apenas um pecado menor".

A ideia de que a vida começa na conceção tornou-se dominante nos ensinamentos católicos apenas há cerca de 150 anos, segundo Callan.

Anteriormente, os ensinamentos católicos sugeriam que um feto se tornava uma pessoa algumas semanas, se não meses, depois de receber uma alma racional - conhecida como "infusão da alma". Este facto é frequentemente associado à "vivificação", quando a mãe sente o feto mexer-se pela primeira vez, geralmente no quinto mês de gravidez.

Só em 1588 é que o Papa Sisto V classificou oficialmente o aborto, independentemente da fase de desenvolvimento do feto, como homicídio. No entanto, após a morte de Sisto, em 1590, o Papa Gregório XIV rapidamente revogou a norma, limitando-a aos fetos com alma.

Porque a visão a longo prazo é importante

Na pesquisa para o seu próximo livro, Fissell disse ter descoberto que "o que as pessoas não gostam no aborto muda imenso ao longo do tempo".

Na Roma Antiga, por exemplo, o aborto era apenas um problema para as mulheres da elite, que supostamente encobriam relações adúlteras. No Renascimento, o aborto era associado à bruxaria. Durante a maior parte da história, o aborto não foi uma questão sobre o feto, como é atualmente, mas sim sobre o comportamento das mulheres.

"Toda esta vida inocente por nascer, que é a linguagem da direita americana atual, é apenas das últimas décadas. Por vezes, o aborto era algo de que as pessoas não gostavam porque apontava para sexo ilícito. As mulheres sempre interromperam as gravidezes, desde que há registo histórico", disse Fissell.  "Penso que a visão a longo prazo é muito importante. As coisas nem sempre foram como são hoje."

Continue a ler esta notícia

Relacionados