Maioria dos trabalhadores da administração pública querem semana de quatro dias - TVI

Maioria dos trabalhadores da administração pública querem semana de quatro dias

  • Agência Lusa
  • AM
  • 1 mar, 13:05
Óculos (Pexels)

No entanto, há quem receie a perda qualidade dos serviços e a falta de condições para concretizar a medida

Mais de oito em cada 10 trabalhadores da administração pública concordam com a semana de quatro dias, mas também há quem recuse a medida com receio de perda qualidade dos serviços e falta de condições para a concretizar.

Estes dados resultam de um inquérito sobre a organização do tempo de trabalho na administração pública, realizado entre julho e setembro de 2023 junto de uma amostra de 14.232 trabalhadores de 649 entidades públicas e cujos resultados foram divulgados pela PlanApp – Planeamento, Políticas, Prospetivas.

Em resposta à questão sobre se a semana de trabalho devia ser reduzida para quatro dias, sem redução de remuneração, 54,62% dos inquiridos disse concordar totalmente, a que se somaram 30,04% que afirmam concordar com a medida, num total de 85%.

Esta adesão à redução da jornada de trabalho resulta do facto de a grande parte dos trabalhadores sentir falta de tempo para si a para a sua família e também por considerar que tem dificuldade em conciliar a vida profissional, pessoal e familiar na maior parte dos dias.

Segundo inquérito, 51% dos trabalhadores dizem que nos dias de trabalho não têm tempo para a família e quase 60% sentem que não têm tempo para si nem para os seus 'hobbies'.

A redução da semana de trabalho para quatro dias é, no entanto, rejeitada por 3% dos inquiridos, sendo que dos que discordam "grande parte fá-lo por não perspetivar a possibilidade desta redução, nomeadamente sem perda de qualidade dos serviços", sendo que outros (28%) discordam por não a considerarem necessária.

Há ainda entre os que discordam da semana dos quatro dias, os que o fazem por causa de questões "de justiça e equidade face aos restantes trabalhadores (do setor privado) e de receios quanto ao modo de implementação desta redução (possivelmente mais gravosa para a gestão e carga de trabalho)".

De acordo com o estudo, é entre as carreiras de dirigente e as associadas ao ensino superior e investigação científica que se regista maior propensão para recusar a redução da semana de trabalho. Entre os que discordam sobressaem sobretudo os homens e pessoas com 55 anos de idade ou mais.

Dos mais de 14 mil trabalhadores que responderam ao inquérito - correspondentes a cerca de 2,7% do total registado no Sistema de Informação da Organização do Estado (SIOE) a 31 de março de 2023 – cerca de 70% são mulheres, 65% têm 45 ou mais anos e perto de 71% detêm, pelo menos, licenciatura.

Apesar de a amostra cobrir as diferentes áreas ministeriais, não é proporcional ao peso que cada uma delas tem no universo da administração central, havendo carreiras (como bombeiros, magistrados ou guardas prisionais) para as quais a amostra final não permitiu obter informação suficiente.

Continue a ler esta notícia