Milhares de passageiros ficaram retidos, no domingo, no aeroporto de Manila, nas Filipinas, por causa de problemas com falhas de energia e nos sistemas de comunicações.

Mais de 360 voos foram afetados por uma avaria no sistema de controlo de tráfego aéreo, com o caos a instalar-se com o regresso de muitos viajantes a manila depois das férias de Natal e Ano Novo. 

De acordo com a Reuters, foi detetado um problema técnico no centro de gestão de tráfego doméstico e internacional. A situação afetou cerca de 65 mil passageiros que se viram retidos no aeroporto de Manila. Segundo a Autoridade de Aviação Civil das Filipinas, a normalidade foi retomada durante a tarde de domingo, mas esta segunda-feira ainda há voos cancelados.

Por sua vez, o diretor do aeroporto, Cesar Chiong, afirmou que o aeroporto Ninoy Aquino estava a conseguir lidar com um máximo de 15 chegadas por hora, um número inferior às 20 chegadas em dias de operação normal. 

A interrupção foi o resultado de uma falha sem precedentes tanto no fornecimento de energia primária como secundária, revelou, acrescentando que "vai levar cerca de 72 horas para as companhias aéreas normalizarem as operações".

Para além dos voos atrasados e cancelados, muitas companhias aéreas foram obrigadas a desviar os voos para outros aeroportos para evitar o espaço aéreo das Filipinas.
 
Segundo Chiong, o aeroporto instalou, em 2018, o seu próprio sistema elétrico, mas neste domingo quer o sistema principal quer o sistema de reserva falharam. Quando tentaram ligar-se diretamente à eletricidade comercial normal, sofreram uma sobrecarga e um pico de energia, acrescentou, o que causou uma falha de equipamento, como o radar, comunicações, rádio e internet.

Andreia Miranda