O Ministério dos Negócios Estrangeiros alemão condenou “a farsa de julgamento” do bielorrusso Ales Bialiatski, um ativista pela democracia preso que foi um dos laureados com o prémio Nobel da Paz em 2022, denunciando “motivações políticas”.

Bialiatski, bem como os seus colegas que estão a ser julgados juntamente com ele, Valentin Stefanovitch e Vladimir Labkovitch, “só estão a ser levados perante a justiça por causa das suas ações em prol dos direitos humanos e cívicos”, denunciou o ministério alemão numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

“O Governo alemão exorta as autoridades de Minsk a libertar os mais de 1.000 presos políticos. A violência e a repressão da sociedade civil na Bielorrússia têm de acabar”, acrescentou o MNE alemão.

O julgamento de Ales Bialiatski e dos seus colegas começou na quinta-feira.

Os três homens foram detidos após as manifestações maciças de 2020 contra o regime, após a vitória unilateralmente proclamada nas eleições presidenciais de Alexandre Lukashenko, que dirige a Bielorrússia desde 1994.

O Ocidente adotou vários pacotes de sanções contra a Bielorrússia, que beneficia do apoio inabalável de Moscovo.

A 31 de dezembro de 2022, a Bielorrússia tinha 1.448 presos políticos, segundo o Centro Viasna, principal grupo de defesa dos direitos humanos do país, fundado por Ales Bialiatski.

/ MJC