Deve lavar o frango antes de o cozinhar? - TVI

Deve lavar o frango antes de o cozinhar?

  • CNN
  • Casey Barber*
  • 25 fev, 12:00
Alimentação: frango (GettyImages)

Algumas práticas recomendadas para a preparação de alimentos, de modo a reduzir a contaminação cruzada na sua cozinha

Relacionados

Contrariamente ao que os mais velhos lhe possam ter dito, não é necessário lavar o frango cru, ou qualquer outra ave ou carne, antes de os preparar e cozinhar. Na verdade, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) e outros especialistas em segurança alimentar desaconselham esta prática. Eis a razão.

Ao lavar o frango, bactérias como a salmonela podem ser transferidas através da água para as superfícies da sua cozinha, levando a uma potencial contaminação cruzada de outros ingredientes. Foram encontradas bactérias nos lava-louças de 60% dos cozinheiros que lavaram o frango cru, como parte de um estudo do USDA de 2019.

Cozinhar aves à temperatura de 73,89 ºC é a forma infalível de garantir o cumprimento das normas de segurança alimentar. rudisill/E+/Getty Images

"Não nos apercebemos da quantidade de coisas que estamos a espalhar por todo o lado", disse Shawn Matijevich, um chef-formador no Institute of Culinary Education em Nova Iorque. "Basta apenas uma pequena quantidade para entrar em tudo."

Porque "as bactérias não se propagam pelo ar", sublinhou Matijevich, “apenas através do contacto com superfícies, por isso é sensato diminuir as vezes que toca em aves cruas ou as coloca em contacto com pratos, utensílios ou bancadas.

A "sabedoria da Internet" de lavar um frango com vinagre, sumo de limão ou água salgada para matar os germes também foi desmentida por estudos científicos. Estes métodos aplicam uma rápida salmoura ao frango, mas não têm qualquer efeito sobre as bactérias.

Cozinhar as aves à temperatura interna recomendada de 73,89 ºC é a forma infalível de garantir que está a cumprir as normas de segurança alimentar.

O que deve fazer em vez de lavar o frango? 

"Use papel de cozinha, até mais do que precisa", sugeriu Matijevich, e seque o frango ou deixe as toalhas de papel absorverem o excesso de líquido. Mesmo que seja do tipo que tenta diminuir o uso de produtos de utilização única na cozinha, os toalhetes de papel irão reduzir a probabilidade de propagação de bactérias através do contacto adicional com a superfície.

Deite fora as toalhas de papel imediatamente após a sua utilização. "Secar um frango com papel de cozinha reduz os salpicos, mas lembre-se podem estar contaminadas com agentes patogénicos e devem ser prontamente deitadas ao lixo", alertou Donald Schaffner, professor e presidente do departamento de ciência alimentar da Universidade Rutgers, em Nova Jérsia.

Secar o frango - seja com ou sem pele - antes de o cozinhar também ajuda os pedaços a dourarem na frigideira ou no forno. "Especialmente se estiver a assar um frango, quer a pele estaladiça", observou Matijevich, e a humidade é inimiga do crocante. O método do papel de cozinha também funciona com o frango que foi marinado ou salgado antes de cozinhar. 

(Necessita de uma forma infalível de assar um frango? Experimente estas dicas.)

Uma tábua de cortar para vegetais e outra para queijo ajuda a evitar a contaminação cruzada na cozinha. Sarah McEwan/iStockphoto/Getty Images

Seguem-se algumas práticas recomendadas adicionais para a preparação de alimentos, de modo a reduzir a contaminação cruzada na sua cozinha.

  • Utilize uma tábua de corte específica para aves e carne e outra tábua de corte para outros ingredientes, como produtos hortícolas e queijo. "Se uma tábua for usada para preparar aves e depois vegetais frescos que não vão ser cozinhados, o frango pode transferir bactérias para a tábua de corte, e irá contaminar os legumes frescos", disse Schaffner. "Usar tábuas de corte separadas elimina este risco."

  • Aguarde para manusear aves e carne cruas no último passo do seu processo de preparação de refeições. Lave, corte e prepare todos os produtos primeiro. "Mesmo que utilize tábuas de corte separadas e prepare o frango primeiro, dependendo da forma como o frango está a ser manuseado, pode espalhar bactérias pela cozinha ou pelas suas mãos, que podem eventualmente entrar em contacto com os vegetais frescos ou outros artigos que não vai cozinhar", afirmou Schaffner.

  • Lave as mãos com água quente e sabão logo após mexer em aves cruas. Faça-o num lava-louça vazio para não salpicar para outros utensílios de cozinha que possam ter de ser lavados posteriormente.

  • Lave todos os artigos que tenham estado em contacto com as aves cruas ou os seus sucos na máquina de lavar louça ou com água quente e sabão. "Utilizar o ciclo de higienização da máquina é provavelmente a forma mais fiável de gerir o risco de qualquer bactéria", indicou Schaffner.

  • Não reutilize uma esponja ou um pano de cozinha que tenha sido utilizado para lavar pratos e utensílios que tenham estado em contacto com caldos de aves cruas. "As esponjas de cozinha podem ser uma fonte de contaminação cruzada. Se forem usadas para limpar sucos de aves cruas, devem também ser colocadas na máquina no ciclo de higienização", alertou Schaffner. "Lembre-se que as esponjas devem ser mantidas limpas e secas quando não estão a ser utilizadas. Se restos de comida se acumularem dentro ou em cima das esponjas e estas permanecerem húmidas, podem servir de terreno fértil para as bactérias."

Como limpar e higienizar o seu lava-louça

Embora a água quente com sabão limpe a louça e as superfícies, não as desinfeta. Para garantir que não está a deixar bactérias na sua cozinha, desinfete o lava-louça, a torneira e as bancadas, depois de manusear aves ou carne.

Prepare a sua própria solução desinfetante, combinando 1/2 colher de chá de lixívia líquida com duas chávenas e 2/3 de água num frasco de spray e limpe com toalhas de papel ou uma toalha limpa que possa ser lavada em água quente. Se utilizar um spray ou toalhetes desinfetantes comprados em loja, siga as instruções do fabricante.

Com o risco de doenças de origem alimentar a aumentar desde a pandemia, implementar boas práticas na sua cozinha é uma das formas mais fáceis e inteligentes de se proteger e, ao mesmo tempo, continuar a comer bem.

*Casey Barber é uma escritora de culinária, artista e editora do site Good Food Stories
 

Continue a ler esta notícia

Relacionados