Altice France em alerta com o que se passa em Portugal: abre investigação interna, chama advogados e consultores externos - TVI

Altice France em alerta com o que se passa em Portugal: abre investigação interna, chama advogados e consultores externos

  • Agência Lusa
  • 20 jul 2023, 10:45
Altice

Anúncio surge depois de a Altice International ter anunciado quarta-feira que suspendeu “vários representantes legais, gestores e funcionários em Portugal e no estrangeiro”

Relacionados

A Altice France (SFR) tomou “medidas preventivas” no âmbito da Operação Picoas, que incluem o lançamento de uma investigação interna e a avaliação “se existem impactos” na empresa. Em comunicado, a Altice France refere que “toma nota” da atual investigação em curso do Ministério Público (MP) em Portugal “contra indivíduos associados à Altice, bem como entidades externas”.

A companhia salienta ainda que o MP esclareceu que a investigação incide sobre “práticas lesivas pelas quais a Altice Portugal e as suas subsidiárias são impactadas e, portanto, vítimas de fraude” por parte de indivíduos.

Enquanto decorre a investigação, a Altice France tomou “medidas preventivas”, que incluem o lançamento de uma investigação interna e o recurso a advogados externos e outros consultores “para avaliar se existem impactos na Altice France”, como também o reforço do processo de aprovação de todas as compras, pagamentos e processos relacionados.

“A Altice France continua a operar as suas atividades de forma normal e irá continuar a conduzir os seus negócios com a maior integridade no interesse de todos os stakeholders [partes interessadas]”, com clientes e colaboradores em primeiro plano.

Na quarta-feira, o grupo de Patrick Drahi anunciou que a Altice International e as suas afiliadas “colocaram vários representantes legais, gestores e funcionários em Portugal e no estrangeiro em licença” enquanto decorre a investigação.

A Operação Picoas, desencadeada em 13 de julho, levou a três detenções, entre as quais a do cofundador do grupo Altice Armando Pereira, contou com cerca de 90 buscas domiciliárias e não domiciliárias, incluindo a sede da Altice Portugal, em Lisboa, e instalações de empresas e escritórios em vários pontos do país, segundo o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) do Ministério Público (MP). Hernâni Vaz Antunes foi o quarto arguido a ser detido, mas tal ocorreu no dia 15, após entregar-se às autoridades.

Esta foi uma ação conjunta do MP e da Autoridade Tributária (AT). Em causa, alegadamente, está uma “viciação do processo decisório do grupo Altice em sede de contratação, com práticas lesivas das próprias empresas daquele grupo e da concorrência”, que apontam para corrupção privada na forma ativa e passiva.

As autoridades consideram que, a nível fiscal, o Estado terá sido defraudado numa verba “superior a 100 milhões de euros”.

Em 2 de junho de 2015, a Altice concluiu a compra da PT Portugal.

Continue a ler esta notícia

Relacionados