Mais um recorde aterrador batido. Antártida está a perder uma quantidade de gelo equivalente ao tamanho da Argentina - TVI

Mais um recorde aterrador batido. Antártida está a perder uma quantidade de gelo equivalente ao tamanho da Argentina

  • CNN
  • Sophie Tanno
  • 30 jul 2023, 12:28
Degelo CNN

Este ano, o gelo do Oceano Antártico não regressou nem de perto nem de longe aos níveis esperados

Enquanto o hemisfério norte se debate com uma onda de calor recorde no verão, muito mais a sul, nas profundezas do inverno, está a ser quebrado outro recorde climático aterrador. O gelo marinho da Antártida caiu para níveis mínimos sem precedentes para esta altura do ano.

Todos os anos, o gelo da Antártida diminui para os seus níveis mais baixos no final de fevereiro, durante o verão no continente. Depois, o gelo volta a acumular-se durante o inverno.

Mas este ano os cientistas observaram algo diferente.

O gelo não regressou nem de perto nem de longe aos níveis esperados. Os níveis são os mais baixos para esta época do ano desde que se iniciaram os registos, há 45 anos. O gelo está cerca de 1,6 milhões de quilómetros quadrados abaixo do anterior recorde de inverno, estabelecido em 2022, de acordo com dados do Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo (NSIDC).

Em meados de julho, o gelo marinho da Antártica estava 2,6 milhões de quilômetros quadrados abaixo da média de 1981 a 2010. Trata-se de uma área quase tão grande quanto a Argentina ou as áreas combinadas do Texas, Califórnia, Novo México, Arizona, Nevada, Utah e Colorado

'O jogo mudou'

O fenómeno foi descrito por alguns cientistas como excecional - algo que é tão raro que as probabilidades são de que só aconteça uma vez em milhões de anos.

Mas Ted Scambos, um glaciologista da Universidade do Colorado em Boulder, disse que falar nestes termos pode não ser muito útil.

"O jogo mudou", disse à CNN. "Não faz sentido falar sobre as probabilidades de acontecer da mesma forma que o sistema costumava ser, está claramente a dizer-nos que o sistema mudou".

Os cientistas estão agora a tentar perceber porquê.

Gelo do Oceano Antártico cai para mínimos recordes em 2023:

Áreas cobertas por oceanos com gelo marinho, em quilómetros quadrados

A Antártica é um continente remoto e complexo. Ao contrário do Ártico, onde o gelo tem tido uma trajetória consistentemente descendente à medida que a crise climática se acelera, o gelo marinho na Antártida tem oscilado entre recordes máximos e mínimos nas últimas décadas, tornando mais difícil para os cientistas compreender como está a responder ao aquecimento global.

Mas desde 2016, os cientistas começaram a observar uma tendência descendente acentuada. Embora a variabilidade climática natural afete o gelo marinho, muitos cientistas afirmam que as alterações climáticas podem ser um dos principais fatores do desaparecimento do gelo.

"O sistema antártico sempre foi muito variável", afirmou Scambos. "No entanto, este nível de variação [atual] é tão extremo que algo de radical mudou nos últimos dois anos, mas especialmente este ano, em relação a todos os anos anteriores que remontam a pelo menos 45 anos."

Segundo Scambos, vários fatores contribuem para a perda de gelo marinho, incluindo a força dos ventos de oeste em torno da Antártida, que têm sido associados ao aumento da poluição que aquece o planeta.

"As temperaturas mais elevadas dos oceanos a norte da fronteira do Oceano Antártico, que se misturam com as águas tipicamente isoladas do resto dos oceanos do mundo, também fazem parte desta ideia de como explicar este fenómeno", afirmou Scambos.

No final de fevereiro deste ano, o gelo marinho da Antártida atingiu a sua extensão mais baixa desde que há registos, com 1,1 milhões de quilómetros quadrados.

A ocorrência sem precedentes deste inverno pode indicar uma mudança a longo prazo para o continente, disse Scambos. É mais provável que não vejamos o sistema antártico recuperar da mesma forma que há 15 anos, por um período muito longo no futuro, e possivelmente "nunca".

Outros são mais cautelosos. "É um grande desvio em relação à média, mas sabemos que o gelo marinho da Antártida apresenta uma grande variabilidade de ano para ano", disse Julienne Stroeve, cientista sénior do Centro Nacional de Dados sobre a Neve e o Gelo, à CNN, acrescentando que "é demasiado cedo para dizer se este é ou não o novo normal".

Efeitos em cascata

O gelo marinho desempenha um papel vital. Embora não afete diretamente a subida do nível do mar, uma vez que já se encontra a flutuar no oceano, tem efeitos indiretos. O seu desaparecimento deixa as camadas de gelo costeiras e os glaciares expostos às ondas e às águas quentes do oceano, tornando-os mais vulneráveis à fusão e à rutura.

A falta de gelo marinho pode também ter impactos significativos na vida selvagem, incluindo o krill de que se alimentam muitas das baleias da região, e os pinguins e focas que dependem do gelo marinho para se alimentarem e descansarem.

Em termos mais gerais, o gelo marinho da Antártida contribui para a regulação da temperatura do planeta, o que significa que o seu desaparecimento poderá ter efeitos em cascata muito para além do continente.

O gelo marinho reflete de volta a energia solar recebida e, quando derrete, expõe as águas oceânicas mais escuras e profundas e que absorvem a energia do sol.

Há já algum tempo que partes da Antártida têm vindo a registar alterações alarmantes. A Península Antárctica, uma cadeia de montanhas geladas que se estende ao longo do lado ocidental do continente, é um dos locais de aquecimento mais rápido no hemisfério sul.

No ano passado, cientistas afirmaram que o vasto Glaciar Thwaites da Antárctida Ocidental - também conhecido como o "Glaciar do Juízo Final" - estava "agarrado pelas unhas" à medida que o planeta aquecia.

Os cientistas estimam que a subida global do nível do mar poderia aumentar em cerca de três metros se o Thwaites se desmoronasse completamente, devastando comunidades costeiras em todo o mundo.

Scambos afirmou que o nível recorde de gelo marinho deste inverno é um sinal muito alarmante.

"Em 2016, [o gelo marinho da Antárctida] sofreu a primeira grande descida. Desde 2016, tem-se mantido baixo, e agora o fundo do poço caiu. Algo importante numa grande parte do planeta está subitamente a comportar-se de forma diferente do que vimos nos últimos 45 anos".

Continue a ler esta notícia