Este destino popular vai aumentar a sua taxa turística em 2024 para "a mais alta da Europa" - TVI

Este destino popular vai aumentar a sua taxa turística em 2024 para "a mais alta da Europa"

  • CNN
  • Julia Buckley
  • 21 out 2023, 15:00
Amesterdão, Países Baixos (ver crédito na foto)

Uma noite num hotel de uma estrela nesta cidade implicará quase de certeza uma taxa mais elevada do que nos hotéis de cinco estrelas de outras grandes capitais europeias.

Amesterdão já tem uma das taxas turísticas mais elevadas da Europa.

E, a partir do próximo ano, Amesterdão vai exigir ainda mais dinheiro aos seus visitantes, tornando-a potencialmente a mais elevada do continente.

A capital holandesa vai acrescentar uma taxa de 3 euros por pessoa  por noite para os viajantes que pernoitem em hotéis.

Este valor vem juntar-se aos 7% da tarifa do quarto que é atualmente cobrada.

Esta medida significa que uma noite num hotel de uma estrela em Amesterdão implicará quase de certeza uma taxa mais elevada do que nos hotéis de cinco estrelas de outras grandes capitais europeias.

Tim Fairhurst, diretor de política da ETOA (Associação Europeia de Turismo), disse à CNN: "É provável que a taxa de dormida em Amesterdão seja, em média, a mais elevada da Europa".

No dia 28 de março, o Hotel Rembrandt Square, de uma estrela, oferece um quarto duplo com casa de banho partilhada por 132,46 euros no Booking.com. Além disso, a taxa turística ascende a 15,97 euros - 9,97 euros para a taxa de quarto mais 3 euros por ocupante.

Em Berlim, onde a taxa turística é de 5%, o hotel mais caro nessa data - o Hotel Adlon Kempinski, onde já estiveram Barack Obama, Angelina Jolie e Michael Jackson, que infamemente atirou o seu bebé de uma varanda - cobra 249,35 euros pelo quarto e 11,65 euros de taxa turística.

Roma tem atualmente a taxa de preço fixo mais elevada da Europa, com 7 euros por pessoa e por noite num hotel de cinco estrelas. Isto significa que mesmo um quarto no Hotel de Russie, que custa 815 euros a 28 de março, terá uma taxa mais baixa - 14 euros - do que o hotel de uma estrela em Amesterdão.

Dortmund, na Alemanha, tem a taxa turística mais elevada, com 7,5% do custo de um quarto. Nessa mesma noite, a estadia no hotel mais caro de Dortmund - o Fountain Loft, que custa 249,02 euros - implicará apenas 14,02 euros de taxa turística.

Mesmo em janeiro, a época mais baixa, uma noite no hotel de uma estrela mais bem classificado da Booking.com em Amesterdão - o Hotel International - implica uma taxa turística mais elevada do que uma estadia num dos 11 hotéis "palais" de Paris - aqueles que são considerados tão "excepcionais" que ultrapassam as cinco estrelas.

Em janeiro, um quarto para duas pessoas no Hotel International custaria 62 euros, mais 4,05 euros de taxa turística e 6 euros para os dois ocupantes.

Em contrapartida, o Mandarin Oriental Paris - que custa 1.435 euros por um quarto na mesma noite - cobraria apenas 10 euros de taxa turística para duas pessoas.

As crianças com menos de 16 anos estão isentas da nova taxa de Amesterdão e os parques de campismo cobrarão apenas 1 euro por adulto.

E se estiver alojado num Airbnb ou numa propriedade arrendada, não pense que ficará isento - em vez disso, o imposto existente será aumentado para 10% do seu aluguer.

Uma cidade à beira do abismo

Amesterdão vai proibir as visitas guiadas ao bairro da luz vermelha Anoek De Groot/AFP/Getty Images

Amesterdão tem sido atormentada pelo excesso de turismo, com 18 milhões de visitantes por ano a chegarem aos seus 867 mil  habitantes.

As autoridades tomaram medidas para dissuadir os turistas excessivamente zelosos, desmantelando o sinal "iamsterdam" - um antigo local de selfies - no exterior do Rijksmuseum em dezembro de 2018 e anunciando a proibição de visitas guiadas "desrespeitosas" ao bairro da luz vermelha em março de 2019.

Essa proibição - bem como a limitação do número de grupos no centro medieval a 15 pessoas - entra em vigor a 1 de janeiro de 2020.

Agora, as taxas adicionais juntar-se-ão a elas no dia de Ano Novo.

Um porta-voz da Câmara Municipal de Amesterdão negou que o aumento das taxas tenha sido planeado para dissuadir os turistas, chamando-lhe uma questão de "princípio" fazer com que os visitantes paguem a sua entrada na cidade.

"Os visitantes contribuirão mais para os elevados custos de manter a cidade segura e limpa e de manter o espaço público, como passeios, cais, pontes e ruas, em bom estado", afirmou o porta-voz.

A medida surge na sequência de um acordo celebrado em 2018 para aumentar as receitas do turismo de 80 milhões de euros para 105 milhões de euros. O conselho da cidade tinha pressionado para a taxa adicional de 3 euros, que foi ratificada pelo conselho da cidade em julho.

Amesterdão também impõe uma taxa de chegada de 8 euros aos visitantes que chegam de barco e de 0,66 euros aos passageiros que fazem um passeio turístico de barco ou de autocarro.

Impostos com "impacto"

Justin Francis, diretor executivo da Responsible Travel, saudou a medida como um passo positivo. Disse à CNN: "O nosso direito de viajar não se sobrepõe ao direito das populações locais de usufruírem das suas casas, nem à necessidade de preservar o ambiente. As taxas turísticas têm de ser fixadas a um nível que tenha impacto".

Tim Fairhurst, diretor de política da ETOA (Associação Europeia de Turismo), afirmou:

"Os aumentos anuais não são novidade, mas o seu aumento incessante é motivo de preocupação. Os aumentos de taxas fixas são regressivos, afectando desproporcionadamente os alojamentos de preços mais baixos e os visitantes que neles pernoitam.

"Além de garantir que os benefícios sejam claramente sentidos, a cidade deve fazer mais para ajudar os operadores e fornecedores a planear com antecedência. Estes aumentos de curto prazo não podem ser facilmente repercutidos e reduzem as margens comerciais numa indústria que já está sob pressão económica".

Também no próximo ano, Veneza anunciou planos para introduzir uma taxa de entrada diária de até 10 euros nos dias de época alta - mas espera-se que esta taxa atinja os visitantes de um dia e que não seja cobrada aos que pernoitam (que já pagam uma taxa turística de até 5 euros por pessoa e por noite).

Em contrapartida, Barcelona e Dubrovnik - também vítimas do excesso de turismo - cobram até 2,25 euros por pessoa e 1,35 euros por noite, respetivamente, e não anunciaram planos para aumentar as suas taxas turísticas.

Continue a ler esta notícia