Fábrica na África do Sul irá produzir “o combustível do futuro” - TVI

Fábrica na África do Sul irá produzir “o combustível do futuro”

  • CNN
  • Jacopo Prisco
  • 6 ago 2023, 19:00
Baía Nelson Mandela

Projeto de 4,2 mil milhões de euros para produzir amónia verde.

Na Baía Nelson Mandela, no Cabo Oriental da África do Sul, milhares de hectares de terra poderão um dia tornar-se na maior fábrica de amónia verde do mundo.

A amónia, que é composta por azoto e hidrogénio, é normalmente utilizada como fertilizante. No início da década de 1910, os cientistas descobriram uma forma de a sintetizar, mas, até então, o principal fertilizante agrícola era o guano, excrementos de morcego ou de ave, que tinham de ser obtidos em ilhas tropicais e eram escassos.

A produção de amónia à escala industrial permitiu o crescimento da agricultura e, de acordo com um estudo da Universidade de Manitoba, sem ele não seria possível produzir cerca de metade dos alimentos do mundo atual.

A amónia é também utilizada no fabrico de explosivos para a indústria mineira e é um ingrediente fundamental em muitos produtos farmacêuticos e de limpeza. Atualmente, a sua produção envolve principalmente combustíveis fósseis e é responsável por 1,8% das emissões globais de CO2. No entanto, através da utilização de energias renováveis, é possível fabricar amónia “verde”, reduzindo a pegada de carbono da produção agrícola e abrindo o composto a outras utilizações.

Entre elas, destaca-se a utilização da amónia como combustível, o que poderia ajudar a descarbonizar o sector dos transportes marítimos. É nisso que a fábrica da Baía Mandela se vai concentrar. “Começará a substituir o fuelóleo pesado nos navios e substituirá o gasóleo”.

“Este será o combustível do futuro, sobretudo na indústria marítima", afirma Colin Loubser, diretor-geral da Hive Energy Africa, que está a construir a fábrica.

“Um processo totalmente ecológico”

O processo de produção de amónia verde é bastante simples, diz Loubser, exigindo apenas água, ar e energia. A eletrólise é utilizada para separar a água em hidrogénio e oxigénio, e uma unidade de separação de ar extrai o azoto do ar. O hidrogénio e o azoto são depois combinados para produzir amónia.

“O processo de tornar a produção ecológica é o facto de se utilizar energia renovável. Não se utilizam combustíveis fósseis, carvão ou gás para o fazer. É um processo totalmente ecológico”, afirma Loubser.

Projectada para entrar em funcionamento em 2026, a central custará 4,6 mil milhões de dólares (o equivalente a 4,17 mil milhões de euros ao câmbio atual). Ela será alimentada por uma quinta solar próxima e obterá a sua água - de que são necessárias grandes quantidades para produzir amónia - de uma fábrica local de sal de mesa que dessaliniza a água do mar.

Segundo a Loubser, serão criados pelo menos 20 mil postos de trabalho na região durante o período de vida do projeto.

Será um desenvolvimento bem-vindo para a zona. “Fomos muito afectados pela Covid”, diz Asanda Xawuka, da Coega Development Corporation, a entidade responsável pela criação de emprego na região. “Perderam-se muitos postos de trabalho na África do Sul. Para nós, no Cabo Oriental, a taxa de desemprego é superior a 50%. Isto significa que um investimento desta natureza, com uma série de empregos que vão ser criados, vai ser muito importante".

O sector do transporte marítimo representou quase 3% das emissões globais de CO2 em 2018. De acordo com a Agência Internacional de Energia, a amónia terá de representar 45% da procura global de energia para o transporte marítimo em 2050, para que os cenários de emissões líquidas nulas se concretizem, o que significa que é uma componente essencial de um futuro mais verde. Mas a amónia verde também pode ser queimada nas centrais elétricas a carvão existentes para reduzir rapidamente as suas emissões de CO2, refere o estudo, ou em centrais adaptadas para funcionar inteiramente com amónia.

Um fator limitativo é o facto de a amónia ser um gás pungente e tóxico, pelo que tem de ser manuseado por profissionais qualificados. A sua utilização como combustível produz óxidos de azoto, que podem atuar como gases com efeito de estufa e causar poluição atmosférica, exigindo tecnologia adicional para controlar as emissões.

E muitos dos sistemas que utilizarão a amónia verde - incluindo motores de navios - ainda estão em desenvolvimento, razão pela qual os níveis de produção são baixos neste momento. No entanto, espera-se que a produção aumente: de acordo com um relatório da Precedence Research, o mercado da amónia verde representava apenas 36 milhões de dólares (33 milhões de euros) em 2021, mas crescerá para 5,4 mil milhões de dólares (4,9 mil milhões de euros) até 2030.

Continue a ler esta notícia