Ministério Público investiga divulgação de notícias falsas por André Ventura. Chega diz que fez tudo "dentro da lei" - TVI

Ministério Público investiga divulgação de notícias falsas por André Ventura. Chega diz que fez tudo "dentro da lei"

  • Agência Lusa
  • AG
  • 21 ago 2023, 19:51
André Ventura em debate com o Governo (Tiago Petinga/Lusa)

Em causa está a divulgação de notícias na rede social X em que André Ventura partilhava publicações com grafismos semelhantes aos sites da Renascença e do Público

Relacionados

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou esta segunda-feira estar a investigar a divulgação de notícias falsas pelo líder do Chega, André Ventura, nas redes sociais, com recurso a grafismos semelhantes a órgãos de comunicação social.

“Confirma-se a receção de denúncia relacionada com a matéria referenciada. A mesma deu origem a um inquérito no DIAP de Lisboa que visa recolher os elementos e apurar as circunstâncias, de facto e de direito, sobre a matéria”, indicou fonte oficial da PGR, em resposta à Lusa.

Em causa está a divulgação de alegadas notícias por parte de André Ventura na sua página na rede social X (antigo Twitter), através de imagens que têm grafismos semelhantes aos dos sites da Rádio Renascença e do jornal Público.

Na semana passada, fontes do grupo Renascença e o jornal Público afirmaram à Lusa ter sido alvo de notícias falsas difundidas por André Ventura nas redes sociais e a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) indicou ter recebido uma participação sobre este tema.

Questionado sobre o assunto em conferência de imprensa, o presidente do Chega defendeu hoje que o partido atuou "dentro da lei" relativamente à acusação de divulgação de desinformação nas suas redes sociais, rejeitando que tenha sido praticado qualquer "ato ilícito".

“Temos a absoluta consciência de que atuámos dentro da lei e que temos a lei do nosso lado. Aguardaremos a decisão da ERC sobre essa matéria com total tranquilidade”, defendeu, reiterando: "Vamos esperar que a ERC tome uma decisão, quando a ERC tomar uma decisão nós cá estaremos para a comentar. Neste momento, o que nos dizem os nossos advogados é que estamos perfeitamente salvaguardados dentro da lei, o Chega não levou a cabo nenhum ato ilícito".

Ventura rejeitou tratarem-se de notícias falsas, indicando que "eram do Folha Nacional", o jornal criado pelo partido e feito por funcionários e dirigentes do Chega.

O líder do Chega sustentou que essa publicação "agora tem três grafismos, com três secções", apesar de no 'site' do Folha Nacional não constar grafismo semelhante ao que foi divulgado por André Ventura e em redes sociais do partido.

Algumas das imagens divulgadas por Ventura aparecem assinadas por "redação", enquanto no 'site' do jornal do partido têm habitualmente a indicação "Folha Nacional" na assinatura, e nenhuma destas publicações tem uma ligação associada para o artigo original.

No que toca à publicação com o título "Milhares de inscritos na JMJ desaparecidos. Imigração ilegal, diz especialista", que apareceu na página de André Ventura com grafismo semelhante ao da Renascença, não consta no 'site' daquela rádio nem é possível encontrar numa pesquisa genérica na internet.

Continue a ler esta notícia

Relacionados