"É uma agonia": Maia desapareceu no aeroporto mais movimentado do mundo - TVI

"É uma agonia": Maia desapareceu no aeroporto mais movimentado do mundo

  • CNN
  • Julia Buckley
  • 29 ago 2023, 11:20
Delta Airlines perde cão de passageira

Companhia aérea perde cadela de passageira no aeroporto mais movimentado do mundo

por Julia Buckley, CNN

 

É um cenário de pesadelo para quem tem um animal de estimação: levá-lo numa viagem e perdê-lo.

Paula Rodriguez está atualmente a viver esse pesadelo, depois de a sua cadela, Maia, ter sido perdida pelos funcionários do aeroporto que a levavam para o seu voo da Delta no aeroporto de Atlanta - o mais movimentado do mundo.

Rodriguez estava a voar da sua casa na República Dominicana para umas férias de duas semanas na Califórnia, EUA, com a sua cadela de seis anos, Maia, a 18 de agosto.

Voando na Delta Air Lines com Maia na cabine, a viagem de Rodriguez incluía uma escala no Aeroporto Internacional Hartsfield-Jackson Atlanta, antes de continuar para São Francisco.

Mas à chegada a Atlanta, às 18h55 de sexta-feira, Rodriguez diz que o pessoal da força fronteiriça a informou que "não cumpria os requisitos" do seu visto de turista - pelo que o cancelaram, dizendo-lhe que teria de regressar a casa no voo seguinte.

Quando se aperceberam que esse voo só chegaria no dia seguinte, disseram-lhe que teria de passar a noite num centro de detenção - mas que a sua cadela não poderia ir com ela.

"Eles chamaram um agente da Delta, que me tirou a Maia", disse Rodriguez à CNN.

"Comecei a fazer perguntas sobre o local onde ela iria passar a noite e disse-lhe que ela tinha estado muito aflita durante o voo. Quando chegámos lá [a Atlanta], ela vomitou com a angústia e teve diarreia".

"Ele disse-me para não me preocupar, que ela seria levada para uma instalação com pessoal treinado. Disse que lhe dariam comida e água e que cuidariam dela. Não era o meu desejo, mas eu compreendi. Não havia nada que eu pudesse fazer e confiei nele".

Um reencontro que nunca aconteceu

Paula Rodriguez resgatou Maia, de seis anos, das ruas quando era uma cachorrinha de um mês. Foto Paula Rodriguez

O voo de Rodriguez de regresso à República Dominicana estava marcado para as 10h20 do dia seguinte e o pessoal da fronteira disse-lhe que a iriam buscar ao centro de detenção uma hora e 45 minutos antes da partida, para a levarem até à porta de embarque, onde a cadela estaria à espera.

"Perguntei a toda a gente - disse-lhes que precisava de tempo para a localizar, que ela estava doente e que queria limpar o seu canil, e eles disseram: 'Vamos para a porta de embarque, ela deve estar lá'", disse Rodriguez.

Os passageiros já estavam a embarcar quando eles chegaram. Mas Maia não estava lá.

"O pessoal da porta de embarque começou a fazer chamadas. Veio um gestor e disse que estavam à procura dela, que ela devia estar nas instalações, mas que não tinham tempo para procurar e que eu devia apanhar um avião", disse Rodriguez.

"Comecei a entrar em pânico e disse: 'Lamento, mas não posso embarcar quando me dizem que não sabem onde está a minha cadela'."

Transferiram-na para um voo uma hora mais tarde, com destino a Punta Cana, a duas horas e meia de carro de Santo Domingo. Rodriguez ficou contente com a mudança de destino e pensou que se tratava de uma simples confusão e que Maia apanharia o voo seguinte.

Mas Maia não apareceu e os agentes fronteiriços disseram a Rodriguez que ela não podia ficar nos Estados Unidos por mais de 24 horas sem visto. Ela teve de partir naquele voo para Punta Cana - sem a cadela.

Desesperadamente procurando por Maia

O Aeroporto Internacional Hartsfield-Jackson de Atlanta é o mais movimentado do mundo. Jeff Greenberg/Universal Images Group/Getty Images

Rodriguez diz que teve um ataque de pânico no voo de três horas para Punta Cana. Ela e Maia mal passaram alguns minutos longe uma da outra desde que Rodriguez, que costumava resgatar cães de rua e realojá-los, a encontrou quando era um cachorrinho de um mês de idade e não conseguiu separar-se dela.

"Toda a gente que me conhece sabe o que ela significa para mim. Não vou a lado nenhum sem ela. Ela é tão bem comportada que a levo a restaurantes, literalmente a todo o lado. Ela é a minha companheira em tudo", disse à CNN.

Ao aterrar em Punta Cana, apresentou queixa. Entretanto, a mãe foi a Santo Domingo, para o caso de a cadela ter ido parar ali sem que ninguém se apercebesse.

"Liguei para a Delta, para o aeroporto de Atlanta e até para São Francisco. Apresentei todas as queixas possíveis. Liguei para todos os abrigos e veterinários que pude em Atlanta. Estive em agonia durante dois dias sem resposta", disse Rodriguez.

Na segunda-feira, dois dias após o desaparecimento da cadela, ela diz ter sido contactada por um representante da Delta em Santo Domingo.

"Ele disse que ela estava a ser transportada [para o avião] na pista e que os funcionários tinham aberto o seu canil e que ela tinha saído do carro e fugido para o meio da pista", disse à CNN.

"Os aviões estavam a descolar e a chegar. Ele disse que eles a perseguiram, mas ela correu cada vez mais rápido e escapou. É tudo o que sei".

No dia seguinte, foi contactada por outro representante da Delta, informando-a de que seria ele a tratar do seu caso.

"Telefonei-lhe várias vezes por dia, mas ele não deu notícias", disse ela.

Com o seu visto americano cancelado, Rodriguez não pode voar de volta para os Estados Unidos para procurar o seu cão. Em vez disso, a 24 de agosto, seis dias depois de ter visto Maia pela última vez, a mãe de Rodriguez foi enviada para Atlanta para a representar.

"Estão a fazer-lhe uma visita guiada e a mostrar-lhe as cassetes, mas ela diz que não há nada - nenhuma pista", disse Rodriguez.

"O problema é que o aeroporto tem mais de 1.600 hectares. A minha mãe disse-me que são dimensões assustadoras - é definitivamente uma possibilidade que ela esteja escondida no aeroporto, mas pode estar em muitos sítios."

O Hartsfield-Jackson foi classificado como o aeroporto mais movimentado do mundo no início de agosto pela empresa de análise de aviação OAG.

"A viver um pesadelo"

A Maia tem um microchip e Rodriguez diz que ela e a Delta notificaram todos os abrigos de animais e veterinários do condado e enviaram-lhes fotografias da Maia - e é por isso que ela pensa que a Maia ainda pode estar no aeroporto.

"Se alguém a tivesse encontrado, tê-la-ia levado para um abrigo e ela teria sido examinada. A minha informação está lá. A maior possibilidade é de que ela ainda esteja lá, escondida", disse.

Um porta-voz da Delta disse à CNN num comunicado: "As equipas da Delta têm trabalhado com o cliente para localizar este animal de estimação e continuamos em contacto com o cliente para fornecer actualizações. As pessoas da Delta estão profundamente preocupadas com o cliente e a cadela e estamos empenhados nos esforços de busca em curso, trabalhando em estreita colaboração com o Departamento de Aviação da cidade de Atlanta e outras partes interessadas".

Entretanto, um porta-voz do aeroporto disse à CNN: "As equipas de operações do ATL realizam inspecções das pistas e do aeródromo ao longo do dia. Neste momento, não encontraram o cão, mas continuarão a manter-se vigilantes caso ele apareça. Se for visto, o pessoal da ATL tentará capturá-lo e devolvê-lo à companhia aérea e ao seu dono". Eles não responderam quando questionados sobre desde logo como foi possível a cadela escapar.

Em 2019, um cão escapou de sua gaiola enquanto era transferido em Atlanta. Gale, um American Staffordshire Terrier, foi encontrado após uma busca de quatro dias. Os pilotos repararam nele na pista e foi montada uma armadilha com comida para o atrair.

Para Rodriguez, a espera por notícias é dolorosa.

"Estou em agonia", diz. "Tenho vivido um pesadelo desde sexta-feira, sabendo que o meu bebé está algures por aí, assustado, ou que pode estar ferido. Todos os tipos de pensamentos vêm à minha cabeça e eu não posso fazer nada. Cada minuto parece um dia".

Continue a ler esta notícia