Crescimento da economia acima das expectativas dá confiança no futuro, diz ministro da Economia - TVI

Crescimento da economia acima das expectativas dá confiança no futuro, diz ministro da Economia

  • Agência Lusa
  • AM
  • 30 jan, 11:25
António Costa Silva. Foto: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Economia portuguesa cresceu 2,2% em termos homólogos e 0,8% em cadeia no último trimestre de 2023

Relacionados

O ministro da Economia, António Costa Silva, disse esta terça-feira que Portugal “está sempre a desmentir as projeções mais pessimistas” e que o crescimento da economia acima das expectativas dá confiança no futuro, marcado por tensões geopolíticas.

“Penso que as notícias são muito positivas para Portugal e para a economia portuguesa, todos os indicadores revelam um crescimento acima de todas as expectativas que existiam, incluindo as expectativas do Governo”, afirmou o ministro da Economia e do Mar, em declarações à Lusa após a divulgação dos dados do PIB em 2023 pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo o INE, a economia portuguesa cresceu 2,2% em termos homólogos e 0,8% em cadeia no último trimestre de 2023, escapando à recessão técnica, tendo garantido um crescimento do PIB de 2,3% para a totalidade do ano.

Já as exportações diminuíram 1,9% e as importações caíram 5,4% no quarto trimestre de 2023 face ao mesmo período de 2022, enquanto o indicador de clima económico, que reflete as expetativas das empresas, aumentou entre novembro e janeiro, invertendo o movimento descendente observado entre julho e outubro, tendo também aumentado o indicador de confiança dos consumidores.

“A economia portuguesa está sempre a desmentir as projeções mais pessimistas e mais catastrofistas”, salientou o ministro, que quis deixar “uma mensagem de grande serenidade e confiança no futuro”.

Costa Silva destacou, entre outros setores, o desempenho do turismo, que atingiu receitas ‘recorde’ de 27.000 milhões de euros no ano passado, bem como o da indústria metalomecânica, que ficou 5% acima das exportações registadas em 2022, e o da indústria de complementos, que cresceu 10%.

Quanto ao investimento, que observou um decréscimo em 2023, Costa Silva realçou que o investimento direto estrangeiro reportado pela Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (Aicep) atingiu cerca de 3.500 milhões de euros, “significativamente acima” do ano anterior.

“Se nós continuarmos com aquilo que perspetivamos para 2024, que é o declínio da inflação, […] e se for conjugado com o declínio das taxas de juro do Banco Central Europeu, pode-se perspetivar notícias bastante positivas para a economia em 2024”, apontou o governante.

Para este ano, o ministro da Economia apontou como elementos que causam “alguma preocupação” as três guerras simultâneas que estão a ocorrer e a estagnação económica na Alemanha.

Continue a ler esta notícia

Relacionados