Em atualização

AO MINUTO Zelensky, aplaudido de pé pelos deputados (mas não pelo Governo), faz apelo a Portugal: "Ajudem-nos com tudo o que puderem: armamento, sanções, solidariedade"

Presidente ucraniano dirigiu-se ao Parlamento português: falou durante cerca de 15 minutos, foi aplaudido de pé pelos deputados durante 60 segundos - o Governo decidiu cumprir uma tradição parlamentar e por isso não aplaudiu. O 25 de Abril foi o momento histórico português que o presidente ucraniano escolheu no seu discurso. Santos Silva, presidente da Assembleia da República, sublinhou que "a Ucrânia defende-nos a todos": "A sua luta pela liberdade é a luta da Europa toda pela liberdade"
2022-04-21

MOMENTOS-CHAVE

  • O momento histórico português escolhido por Zelensky foi o 25 de Abril
        
  • Zelensky pediu a Portugal para ajudar de todas as maneiras que puder
     
  • Zelensky: "Os russos bombardearam propositadamente civis. E queimaram corpos para não termos provas"
     
  • Zelensky: "Os russos mataram para se divertir"   
     
  • Zelensky: “Ucranianos foram obrigadas a cantar o hino da Rússia para se humilharem”
     
  • No fim, Zelensky foi aplaudido de pé pelos deputados durante cerca de um minuto. O Governo decidiu manter-se neutro
     
  • Augusto Santos Silva: "A Ucrânia defende-nos a todos. A sua luta pela liberdade é a luta da Europa toda pela liberdade"
2022-05-09
09:40

Apesar da novidade de não ter havido novidade, Raquel Freire explica como o discurso de Putin reconhece as dificuldades no terreno

Raquel Freire, investigadora do Centro de Estudos Socias da Universidade de Coimbra, considera que o discurso do Dia da Vitória de Vladimir Putin visou dignificar a ideia de “mobilização coletiva” face às dificuldades na guerra na Ucrânia

2022-04-22
04:16

EUA promovem cimeira de aliados para debater a defesa da Ucrânia

Os Estados Unidos vão promover uma cimeira com países aliados sobre a defesa da Ucrânia. O encontro acontecerá na Alemanha, na próxima semana, informou o porta-voz do Pentágono, John Kirby.

O Secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, é quem está a promover o encontro, que acontecerá a 26 de Abril na Base Aérea norte-americana em Ramstein, no sudoeste da Alemanha. Não há informação sobre quantos e quais os países aliados que estão convidados para a reunião.

Segundo Kirby, o objetivo é reunir países aliados dos EUA, de todo o mundo, para debater as necessidades de defesa da Ucrânia e "assegurar que a segurança e soberania duradoura da Ucrânia a longo prazo seja respeitada e desenvolvida".

2022-04-22
04:02

Rússia atacou ilha de Khortytsia e intensificou ataques a Kharkiv

A Rússia disparou dois mísseis contra a ilha de Khortytsia, em Zaporihzhia. Segundo as autoridades locais, do ataque resultaram oito feridos.

Durante a tarde e noite de quinta-feira a Rússia também intensificou o bombardeamento a Kharkiv - de acordo com o balançou feito ao fim da noite pelo chefe da administração militar regional de Kharkiv, os militares russos dispararam mais de 50 projéteis contra a cidade em poucas horas. Duas pessoas morreram.

Na noite de 21 de abril, tropas russas dispararam três mísseis contra a infraestrutura ferroviária no distrito de Novomoskovsk, na região de Dnipropetrovsk. O chefe da administração militar regional de Dnipropetrovsk informou no Telegram que duas pessoas ficaram feridas nos ataques e que a infraestrutura ferroviária ficou muito afetada. 

"A linha férrea e a rede de catenária estão completamente destruídas. Ainda não está claro se poderemos retomar o tráfego", escreveu.

2022-04-22
03:57

Berlim promete 37 milhões de euros para reconstrução da Ucrânia

O Ministério do Desenvolvimento alemão está pronto para ajudar a Ucrânia com 37 milhões de euros adicionais para reconstrução do país após o fim da guerra. A informação é divulgada pelo jornal alemão Augsburger Allgemeine, na edição desta sexta-feira. 

Dos 37 milhões de euros, a maior parte (22,5 milhões de euros) destina-se à reconstrução da rede elétrica, e 14,4 milhões de euros serão para reconstrução de edifícios residenciais e equipamentos médicos.

“O meu ministério realocou fundos para isso por meio de um programa de emergência", disse a ministra do Desenvolvimento, Svenja Schulze, citada pelo jornal.

2022-04-22
03:21

Marinha dos EUA não se envolverá em operações no Mar Negro

Marinha de guerra dos EUA não participará em operações no Mar Negro para desbloquear portos os ucranianos fechados pelas forças russas, disse o porta-voz do Pentágono, John Kirby.

“Se a pergunta é se a Marinha dos EUA vai participar em operações no Mar Negro, a resposta é não... É apenas mais uma indicação da brutalidade com que os russos estão a travar esta guerra. Continuamos a condenar isso", disse.

Segundo o responsável norte-americano, os russos continuam a dificultar as exportações de alimentos a partir dos portos de Odessa e Mariupol.

2022-04-22
03:04

Alemanha e Eslovénia assinam acordo para entrega de tanques à Ucrânia

A Alemanha assinou um acordo com a Eslovénia para este país entregar de imediato tanques T-72 à Ucrânia. Em contrapartida, Berlim compromete-se a dar a Liubliana veículos de combate de infantaria e veículos blindados. A informação foi confirmada e divulgada pela Deutsche Welle e pela Reuters. 

O acordo, cujos detalhes não foram divulgados, estipula que a Eslovênia fornecerá à Ucrânia um número não conhecido de tanques T-72 e, em troca, receberá cerca de 20 veículos de combate de infantaria Marder e o mesmo número de Fuchs, veículos blindados de transporte de pessoal.

A divulgação deste acordo surge num momento em que o governo alemão é cada vez mais criticado pela reduzida ajuda militar que tem enviado à Ucrânia, apesar das sucessivas declarações de solidariedade com o país que foi invadido pela Rússia. 

Em declarações à comunicação social na capital da Estónia, a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Berbok, disse que Berlim "não tem tabus" sobre o fornecimento de veículos blindados à Ucrânia. Mas acrescentou que Kiev prefere receber armamento soviéticas, para o qual os seus militares estão treinados. 

Respondendo a uma pergunta sobre o possível fornecimento de tanques alemães Leonard à Ucrânia, Burbock disse que a Alemanha financiará o treino dos militares ucranianos para operar esse equipamento.

2022-04-22
02:53

Presidente de Mariupol diz que Putin controla o futuro dos cem mil civis que ainda estão na cidade

O presidente russo, Vladimir Putin, tem nas suas mãos o poder de decidir o destino dos cem mil civis que ainda estão na cidade de Mariupol, disse o presidente da câmara, Vadym Boichenko, em declarações à Reuters.

Boichenko revelou também que as imagens de uma vala comum são a prova de que os russos estão a enterrar corpos para tentar esconder o número de mortos em resultado de quase dois meses de bombardeamento da cidade. 

"É importante perceber que as vidas que ainda estão lá estão nas mãos de apenas uma pessoa - Vladimir Putin. E todas as mortes que acontecerão a partir de agora estarão também nas suas mãos", disse Boichenko em entrevista divulgada nesta quinta-feira à noite.

No dia em que Putin declarou vitória russa em Mariupol, e a “libertação” da cidade, o autarca local garante que nunca houve planos para qualquer libertação. “Era um plano de destruição". Boichenko estima que 90% da cidade foi danificada ou destruída desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro.

"Hoje, a todos os níveis, falamos apenas de uma coisa - que precisamos de um cessar-fogo, precisamos de uma evacuação total dos cem mil residentes de Mariupol que são prisioneiros das forças russas e precisamos de libertar todas as pessoas que estão em Azovstal", a fábrica de siderurgia onde estão os últimos resistentes ucranianos, e dezenas de milhar de refugiados civis.

2022-04-22
02:28

EUA acusam China de "papaguear" argumentos do Kremlin

Os Estados Unidos acusam a China de "papaguear" os argumentos do Kremlin sobre segurança, que estão na base das justificações russas para a invasão da Ucrânia. A crítica feita pelo Departamento de Estado refere-se ao último discurso de fundo do presidente chinês, no qual Xi Jinping defende que o princípio da "segurança indivisível" deve estar na base de um novo quadro de segurança global.

A ideia de "segurança indivisível" pressupõe que nenhum país pode aumentar a sua segurança nacional à custa de uma maior insegurança para outros países. Esse é um dos pressupostos da nova “iniciativa de segurança global" que Xi Jinping propôs na quinta-feira. A China, disse o seu presidente, quer “construir uma arquitetura de segurança equilibrada, eficaz e sustentável”, opondo-se “à construção da segurança nacional com base na insegurança de outros países". 

Palavras que, no fundo, significam mais uma colagem chinesa à Rússia, pois Putin alega que o Ocidente, a NATO e a Ucrânia têm violado esse princípio de "segurança indivisível". Na versão do Kremlin, a invasão da Ucrânia foi apenas a forma de responder à suposta ameaça que o alargamento da NATO a Leste significaria para a Rússia. 

Em reação a esse discurso, Ned Price, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, considerou que a China continua a "papaguear parte do que ouvimos dizer por parte do Kremlin", incluindo o conceito de "segurança indivisível". Price reiterou que a China enfrentará graves consequências se der apoio material ao esforço de guerra da Rússia na Ucrânia, mas que Washington ainda não tinha visto Pequim prestar esse tipo de assistência a Moscovo.