O CEO da Apple, Tim Cook, vai ter um corte na sua remuneração anual superior a 40%. Em causa está uma redução nos honorários auferidos pelo CEO, sendo que a gigante tecnológica esclareceu que o pedido partiu do próprio Tim Cook, após serem lançadas críticas pelos acionistas.

Para 2023, o plano de compensação da Apple irá garantir a Tim Cook 49 milhões de dólares, mas esta figura foi revista em baixa face aos 84 milhões de dólares registados em 2022. A maior diferença reside na remuneração em ações da Apple, já que o salário básico anual do CEO permanecerá inalterado, no valor de 3 milhões de dólares, com um bónus de até 6 milhões.

Em 2022, a Apple concedeu a Tim Cook 75 milhões de dólares em ações, mas a meta para 2023 foi reduzida para 40 milhões, sendo que três quartos deste valor estarão dependentes do desempenho da gigante tecnológica na bolsa.

Em documento enviado ao regulador financeiro dos Estados Unidos (SEC), o comité de remuneração da Apple avança ter ajustado a compensação de Tim Cook à luz do feedback dos acionistas, recomendação do próprio CEO e em função do desempenho “excecional” da Apple, pode ler-se.

As ações da gigante tecnológica caíram mais de 20% nos últimos 12 meses, sendo que a Apple foi penalizada pelos confinamentos na China devido à Covid-19, com as suas fábricas naquele país a saírem afetadas. Por este motivo, a marca chegou mesmo a alertar, em 6 de novembro, que a produção do iPhone iria registar interrupções “significativas”, conforme cita o Financial Times.

Segundo a CNN Internacional, embora o plano de compensação de Tim Cook para 2022 seja de 84 milhões de dólares, esse número atingiu os 99,4 milhões, sendo que parte desta diferença incluiu custos com segurança pessoal e uso de jato particular.

Salário de Tim Cook  era 1.447 vezes superior ao salário médio de um funcionário

No ano passado, os acionistas da Apple foram incentivados a votar contra o pacote salarial de Tim Cook, sob recomendação do Institutional Shareholder Services (ISS), um grupo de consultoria a investidores. Segundo o grupo em questão, o salário do CEO da Apple era 1.447 vezes superior ao salário médio de um funcionário na gigante tecnológica.

A Apple tornou-se a primeira empresa a atingir uma valorização de 3 biliões de dólares sob a liderança de Tim Cook, sendo que a fortuna do CEO está avaliada em 1,7 mil milhões de dólares, em larga medida devido ao pagamento através de ações.

Ainda assim, Tim Cook prometeu doar toda a sua fortuna em vida como parte do Giving Pledge, um compromisso por parte das pessoas mais ricas do mundo em como vão doar parte da sua riqueza.

Em novembro, Jezz Bezos, o fundador da Amazon, também prometeu doar a maior parte da sua riqueza em vida, avaliada em 124 mil milhões de dólares, sendo que esta será destinada a causas relacionadas com o combate às alterações climáticas e o apoio a pessoas que consigam unir a humanidade face às profundas clivagens políticas e sociais que existem atualmente, disse em entrevista à CNN Internacional.

Filipe Maria