Armando Evangelista, treinador do Arouca, em declarações na conferência de imprensa após a derrota com o Sporting na meia-final da Taça da Liga.

«Sentimo-nos injustiçados porque, ou estou mal informado, é tudo muito esquisito. Há falta sobre o Basso, dá-se a lei da vantagem, marcamos golo, e ele é revertido. Ou seja, de uma falta a favor do Arouca, anula-se um golo à nossa equipa e nasce uma falta que dá o golo ao Sporting. Dizem-me que é o protocolo. Não percebo. Se fosse o Sporting, FC Porto ou Benfica, não me parece que se justificasse um lance destes com o protocolo. Mas foi o que o árbitro do encontro me disse ao intervalo.

Não foi fácil fazer os jogadores voltar ao jogo com a cabeça no sítio. Fizeram-no muito bem. Empatámos e também tenho muitas dúvidas no lance do segundo golo do Sporting. Parece-me fora de jogo.

Mas há que dar os parabéns ao Sporting. Porque esta meia-final não se resume a casos de arbitragem. O Sporting teve mais caudal ofensivo, mas oportunidades, mais bola, mas mesmo com poucas possibilidades de vencer, fizemos muito.

Acredito que ficou bem patente o porquê de estarmos aqui. A nossa equipa dignificou e trabalhou muito para estar nesta Taça da Liga. Não seria um Arouca que queriam nesta meia-final. Mas fomos sérios, temos jogadores muito sérios, e pelo que fizemos, merecemos estar aqui. Aquilo que fizemos contra o Sporting dignifica o futebol.»

[sobre o percurso do clube]

«É um misto de orgulho e dor. Por termos chegado aqui, mas o jogo não precisava de casos para se apurar o finalista. Pelo que foi o jogo, podia ser o Sporting, mas também podia ser o Arouca.»

[sobre os 101 jogos ao serviço do Arouca]

«É um orgulho chegar aos 101 jogos, numa época em que há pouca paciência para os treinadores. Sinto-me orgulhoso pela continuidade. Temos tido uma região e uma vila que tem acreditado na nossa equipa técnica. Tal como a direção e os jogadores que seguem o que lhes propomos. É um orgulho e espero que também seja um exemplo. Este ano estamos a procurar consolidar o estatuto de primeira Liga e parece que estamos a ir num bom caminho.»

[o Arouca será mais respeitado pelos adversários depois desta meia-final?]

«Nunca faltou respeito dos adversários ao Arouca, mas poderá haver outro tipo de cautelas. A visibilidade do Arouca com esta final-four tornou-se mais mediática, isso é óbvio.»

Adérito Esteves / Estádio Magalhães Pessoa, Leiria