O que leva alguém a tornar-se um assassino em série? Há uma combinação maligna de fatores. Saiba quais - TVI

O que leva alguém a tornar-se um assassino em série? Há uma combinação maligna de fatores. Saiba quais

  • CNN
  • Alaa Elassar
  • 30 jul 2023, 18:00
Estabelecimento prisional (Lusa/Tiago Petinga)

Nota do Editor: Este artigo contém descrições gráficas de violência

Relacionados

Durante décadas, criminologistas e documentários sobre crimes reais tentaram compreender o que leva os assassinos em série a cometerem as atrocidades que cometem.

Dennis Rader, John Wayne Gacy, Jeffrey Dahmer, Albert DeSalvo e Ted Bundy são apenas alguns dos mais de 3.600 assassinos em série documentados nos Estados Unidos da América (EUA) em 2020, de acordo com a Universidade de Michigan.

Mais recentemente, Rex Heuermann, um arquiteto nova-iorquino de 59 anos, foi detido e acusado de homicídio nos assassinatos de três dos "Quatro de Gilgo", um grupo de quatro mulheres cujos restos mortais foram encontrados na praia de Gilgo, em Long Island, em 2010. Heuermann, que disse ao seu advogado que não é o assassino e declarou-se inocente, é também o principal suspeito da morte da quarta mulher, mas ainda não foi acusado nesse caso.

Os homicídios por resolver confundiram as autoridades da costa sul de Long Island, depois de a busca por uma das mulheres desaparecidas ter levado os investigadores a encontrarem pelo menos 10 conjuntos de restos mortais para além dos dela e a lançarem a caça a um possível assassino em série. Até à data, a polícia não estabeleceu qualquer ligação entre Heuermann e os outros oito restos mortais.

Os assassínios em série de Gilgo Beach levantaram uma vez mais a questão: Como é que alguém pode fazer uma coisa destas?

A CNN falou com três psicólogos forenses e especialistas em assassinos em série para compreender melhor o que leva alguém a tornar-se assassino em série.

As conversas foram editadas por razões de extensão e clareza.

Os assassinos em série nascem assim ou são um produto do seu ambiente?

Scott Bonn, criminologista, autor e orador público: É provável que seja uma combinação dos dois. Os psicopatas nascem assim, enquanto os sociopatas foram socializados para isso. Há um espetro, não é preto e branco e há múltiplos fatores.

Louis Schlesinger, professor de psicologia forense na Faculdade de Justiça Criminal John Jay: Não se sabe. Mas há uma componente neurobiológica muito forte no assassínio sexual em série, porque o instinto sexual é biologicamente determinado.

Katherine Ramsland, professora de psicologia forense e justiça criminal na Universidade DeSales: Se estudarmos um caso, podemos identificar as influências, mas não podemos generalizar esse caso para todos os outros. É possível encontrar algumas coisas em comum em muitos casos, como abusos ou ferimentos na cabeça, mas isso não será verdade para todos os assassinos em série.

O Estrangulador de Boston, Albert DeSalvo, matou pelo menos 13 mulheres. DeSalvo foi esfaqueado até à morte em 1973, quando cumpria uma pena de prisão por violação. (Joe Dennehy/The Boston Globe/Getty Images)

Como se sabe que um assassino é um assassino em série?

Scott Bonn: A forma como se sabe que existe um assassino em série é porque ele deixa marcas consistentes, provas consistentes de que se está a lidar com o mesmo indivíduo.

Louis Schlesinger: Se olharmos para os assassinos sexuais em série, é muito frequente fazerem coisas com o corpo para além do que é necessário para matar a pessoa, como deixar a vítima numa posição degradante, com as pernas abertas e coisas enfiadas lá dentro, ou esse tipo de coisas. Porque é que eles faziam isso? A resposta é porque matar, por si só, não é psicossexualmente suficiente. Têm de ir além de matar para se gratificarem.

Que fatores influenciam uma pessoa a tornar-se um assassino em série?

Katherine Ramsland: Há uma grande variação nesta população, desde uma série de motivos, antecedentes, idades e comportamentos, a diferenças na fisiologia, sexo, estado mental e perceções que influenciam o raciocínio e as decisões. Cada pessoa processa de forma única uma determinada situação da sua vida e algumas gravitam em direção à violência. Esta pode ser uma violência defensiva ou agressiva, psicótica ou psicopática, reativa ou predatória, para citar algumas possibilidades.

Qualquer fator - abuso, negligência, desvio, bullying - pode ter influências diferentes em pessoas diferentes e novas experiências podem modificar as perceções positiva ou negativamente.

Todos os assassinos em série sofrem de algum tipo de trauma?

Scott Bonn: Pode haver uma correlação entre traumas de infância, mas não é suficiente para transformar alguém num assassino em série. São vários fatores que se tornam uma tempestade perfeita que transformam uma pessoa num assassino em série.

Louis Schlesinger: A maioria das pessoas quer procurar um acontecimento marcante na vida de alguém que explique esse comportamento. "É a natureza humana, é uma tendência natural, ele fê-lo porque a mãe abusou dele. Ele fê-lo porque aconteceu este acontecimento traumático". Mas não o vai encontrar. Maus pais e traumas de infância, isso nunca ajuda. Mas estes, por si só, não são determinantes para criar alguém que sai e mata por gratificação sexual em série. Milhares de pessoas tiveram infâncias horríveis e não andam por aí a matar pessoas em série.

Os assassinos em série são todos psicopatas?

Scott Bonn: Nem todos os psicopatas são assassinos em série e nem todos os assassinos em série são psicopatas. Ser psicopata, por si só, não faz de uma pessoa um assassino em série. É preciso que algo mais aconteça.

No caso (de um assassino em série que) é um psicopata, o seu cérebro funciona de forma diferente de um cérebro humano normal. Processa os estímulos de forma diferente. Em particular, o lobo frontal do cérebro, onde os impulsos são controlados. O que nos impede de agir de acordo com a nossa reação inicial e de agir impulsivamente. Os psicopatas não têm praticamente nenhum controlo dos impulsos.

Muitos psicopatas funcionam incrivelmente bem e bem na sociedade porque são indivíduos muito motivados, orientados para objetivos. São descritos como muito organizados, muito persuasivos, muito pacientes. Estas são características que fazem um grande arquiteto ou um grande vendedor, mas são também atributos perfeitos para quem quer ser um assassino psicopata.

Louis Schlesinger: O povo americano quer que os seus assassinos sexuais em série sejam génios do mal com um QI de 180 e que falem cinco línguas. Nada poderia estar mais longe da verdade. A grande maioria é composta por pessoas sem qualificações, desempregadas e com trabalhos braçais. O Ted Bundy é um caso isolado.

O que é um assassino sexual em série?

Scott Bonn: Os impulsos sexuais, a sexualidade e a excitação entrelaçam-se e distorcem-se com o ato de magoar coisas, o sadismo, o sangue e a obsessão pelo sofrimento e pela morte. Quando isso acontece, desencadeia uma trajetória que leva a pessoa a tornar-se um sádico sexual. Isto não acontece de um dia para o outro. Ninguém acorda uma manhã e diz: "Hoje é um ótimo dia para me tornar um assassino em série." O que acontece é que estes impulsos começam a aparecer por volta da adolescência, talvez até mais cedo, aos 11 ou 12 anos.

Torna-se como um ciclo de fantasia que se repete nas suas mentes ao longo da adolescência e no início da idade adulta. Frequentemente, combinam-no com a masturbação, pelo que fantasiam sobre fazer coisas terríveis às pessoas, escravidão, violação e morte, e ficam sexualmente excitados. Isto acaba por atingir o que gosto de chamar um ponto de viragem, muitas vezes no início ou meados dos 20 anos, em que esta fantasia já não pode viver apenas nos seus devaneios. Têm de a realizar, têm de a sentir. Têm absolutamente de viver esta experiência. E é nessa altura que matam pela primeira vez.

John Wayne Gacy matou 33 homens e rapazes entre 1972 e 1978. Muitas das suas vítimas, na sua maioria vagabundos e fugitivos, foram enterradas por baixo da sua casa, nos subúrbios de Chicago. (Des Plaines Police Department/Chicago Tribune/Tribune News Service/Getty Images)

Louis Schlesinger: Muitas pessoas, não assassinos em série, pessoas normais, têm fantasias sexuais que guardam para si. A questão então é: se há um grande número de pessoas com fantasias sexuais muito desviantes que se excitam, por exemplo, infligindo dor aos outros, torturando, porque é que um pequeno número age? Não sabemos. Mas o que parece acontecer é que há um gatilho, uma perda de qualquer tipo, que dá início ao ato. A perda de um emprego, a perda de uma relação são as duas coisas que tendem a espoletar o ato nos homens. Esta é uma situação masculina. Não há mulheres assassinas sexuais em série.

Todos os assassinos em série são assassinos sexuais em série?

Louis Schlesinger: Há um mundo de diferença entre alguém que faz isso por gratificação sexual, como Ted Bundy, BTK, o Estrangulador de Boston, Jack, o Estripador – esses são assassinos sexuais em série.

Um assassino em série significa genericamente alguém que matou em série. Podem ser assassinos contratados, profissionais de saúde que mataram pacientes. Entra-se numa qualquer prisão estadual e encontram-se várias pessoas que nas suas carreiras criminosas podem ter matado duas a três pessoas.

Scott Bonn: Os assassinos em série não são de tamanho único. Enquadram-se em diferentes categorias, com base na necessidade psicológica fantasiosa que é atendida pelo ato de matar.

O público geralmente não entende e chega à conclusão errônea de que tudo é sexo. Às vezes é sobre poder, dominação e controle. Como o crime de violação, pode ser uma atividade sexual, mas na verdade trata-se de dominação, poder e controle.

Katherine Ramsland: O que define um serial killer é um comportamento específico: ter matado duas ou mais vítimas em pelo menos dois incidentes. Há comportamentos comuns em certos subconjuntos, mas agrupar todos os criminosos que cometeram dois ou mais assassinatos simplifica-os demasiado.

Existem sinais que sugerem que alguém pode ser um assassino sexual em série?

Louis Schlesinger: Identifico 10 sinais sinistros, quando vistos em combinação, que indicam um risco para um potencial assassino sexual:

  1. O abuso infantil é o número um, tem capacidade preditiva muito baixa, mas está por trás de quase todos os assassinatos sexuais em série num grau ou noutro.
  2. Conduta sexual materna inadequada. As crianças precisam de ver as mães como assexuadas. Para um adolescente é muito desestabilizador ver a mãe a comportar-se sexualmente.
  3. Mentira patológica e manipulação.
  4. Fantasia sádica com compulsão para agir.
  5. Crueldade contra os animais, principalmente em relação aos gatos, porque o gato é um símbolo feminino.
  6. Necessidade de controlar e dominar os outros.
  7. Acender lume repetidamente.
  8. Voyeurismo, fetiches e roubos sexuais, roubos com motivação sexual.
  9. Ataques a mulheres, associados a emoções misóginas generalizadas.
  10. Evidência de comportamento ritualístico ou característico.

Os serial killers sentem culpa ou consciência de que o que estão a fazer é errado?

Scott Bonn: Os assassinos em série que podem ser psicopatas ou sociopatas têm transtornos de personalidade antissocial para os quais não há cura. Eles sabem distinguir o certo do errado, mas simplesmente não se importam. Para eles, as leis da sociedade e nossa moralidade não significam nada. É por isso que os serial killers quase nunca conseguem usar a defesa de insanidade quando vão a julgamento, porque não são clinicamente ou legalmente insanos.

Jeffrey Dahmer foi condenado a 15 prisões perpétuas consecutivas pelo assassinato de 17 homens e meninos na área de Milwaukee entre 1978 e 1991. (Marny Malin/Sygma/Getty Images)

Louis Schlesinger: Eles sabem que o que estão a fazer é errado. Sentem remorso ou culpa? Geralmente, não. Quando alguém encobre a cena do crime ou usa telefones descartáveis para encobrir pistas, isso mostra que que tem consciência da culpa e da ilicitude de comportamento. Portanto, quando vão a tribunal, não há base para serem considerados insanos do ponto de vista legal.

Mas isto não é física, não há uma fórmula para aplicar a todos estes casos. Por exemplo, William Heirens, na década de 1940, era famoso por escrever nas paredes das casas de banho das suas vítimas: "Apanhem-me antes que eu mate mais. Não me consigo conter". Matava as vítimas e depois punha-lhes ligaduras. Ele tentou desfazer isso na sua mente? Na esmagadora maioria dos casos, não. Eles não sentem culpa, mas o comportamento de Heirens mostra que isto é mais complicado do que sim ou não.

Como é que os assassinos em série podem ter vidas duplas tão facilmente?

Scott Bonn: Na maioria dos assassinos em série, os sinais serão muito subtis, porque o problema é que os Ted Bundys do mundo, os John Wayne Gacys, os Dennis Raders misturam-se facilmente na sociedade porque são camaleões. Têm a capacidade de mudar de homem de família para assassino sádico, literalmente como um simples toque num interrutor. Porque o que eles fazem é chamado de compartimentação psicológica.

Ted Bundy é um caso isolado, diz um perito. (Bettmann Archive/Getty Images)

A compartimentação é a capacidade de separar completamente aspetos da sua vida que parecem contraditórios. Dennis Rader (conhecido como o assassino BTK) era membro da Igreja Luterana, presidente do conselho da igreja, líder dos escuteiros, pai de família bem-sucedido e homem respeitado na cidade, mas também era um dos assassinos em série mais sádicos e horríveis do século XX.

Como é que estas duas coisas podem coexistir? Através deste processo de compartimentação, em que eles são capazes de as separar completamente. Assim, não há contradição, ele não sofre nenhuma ambiguidade, nenhuma dissonância cognitiva como resultado. Para ele, são apenas duas coisas completamente diferentes.

O que pensa de Rex Heuermann, o suspeito dos assassínios de Gilgo Beach?

Katherine Ramsland: Ele não foi condenado, por isso não podemos dizer, nesta altura, que é um assassino em série. O facto de as vítimas serem profissionais do sexo não significa que a motivação tenha sido sexual. Nos documentos legais há uma sugestão de que foi uma vingança por ter sido enganado. Se os assassinatos o excitavam sexualmente e foi por isso que os cometeu, então trata-se de um homicídio sexual em série.

Rex Heuermann, um arquiteto de Long Island, foi acusado, a 14 de julho de 2023, de homicídio pela morte de três das 11 vítimas de uma série de assassinatos há muito não resolvida, conhecida como os homicídios de Gilgo Beach. (Suffolk County Sheriff's Office/AP)

Scott Bonn: Assim que soube que (o assassino) estava a desfazer-se cuidadosamente dos corpos numa zona muito isolada e desolada de Long Island, de difícil acesso, e que estava a desmembrar meticulosamente os corpos e a embrulhá-los em sacos de serapilheira, amarrando-os de forma apertada e limpa e depositando-os ali, sabia, com base em casos anteriores, que se trataria de um indivíduo muito organizado, meticuloso, sem emoções, planeador, sofisticado, provavelmente profissional, provavelmente muito articulado e persuasivo, e que vivia naquela zona, porque tinha de a conhecer intimamente.

Continue a ler esta notícia

Relacionados