O presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL), Romão Lavadinho, considerou esta segunda-feira ser “positivo” que a habitação passe a ter um ministério dedicado, elogiando ainda a escolha de Marina Gonçalves para ministra da pasta.

“Achamos positiva esta divisão [das pastas], já que se trata de um ministério que gere temas muito complexos”, disse à Lusa o presidente da AIL, numa reação à remodelação do Governo que resultou da saída de Pedro Nuno Santos do Ministério das Infraestruturas e da Habitação.

Romão Lavadinho vê também vantagens no facto de o primeiro-ministro, António Costa, ter indicado a até agora secretária de Estado da Habitação, Marina Gonçalves, para ministra da Habitação, referindo que esta opção permite “manter a continuidade” do trabalho que vinha a ser feito nesta área, sem "interrupções".

O primeiro-ministro, António Costa, propôs os atuais secretários de Estados João Galamba e Marina Gonçalves, respetivamente, para as funções de ministro das Infraestruturas e de ministra da Habitação.

Com esta opção, o líder do executivo separa as pastas das Infraestruturas e da Habitação, áreas que até agora foram acumuladas pelo ministro cessante Pedro Nuno Santos.

Neste XXIII Governo Constitucional, João Galamba tem desempenhado as funções de secretário de Estado do Ambiente e da Energia, enquanto Marina Gonçalves tem exercido o cargo de secretária de Estado da Habitação.

Tanto João Galamba, como Marina Gonçalves, são destacados socialistas considerados próximos de Pedro Nuno Santos.

Marina Gonçalves, natural de Caminha e licenciada em Direito, foi assessora de Pedro Nuno Santos quando este desempenhou as funções de secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares e foi vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS na anterior legislatura.

/ PF