Porque as auroras boreais (e austrais) estão tão intensas neste momento - TVI

Porque as auroras boreais (e austrais) estão tão intensas neste momento

  • CNN
  • Katie Hunt e Ashley Strickland
  • 29 abr 2023, 19:00
Aurora austral sobre o Lago Ellesmere, nos arredores de Christchurch, Nova Zelândia, na segunda-feira. Sanka Vidanagama/AFP/Getty Images

Relacionados

O deslumbrante brilho dançante da aurora boreal e da sua contraparte no hemisfério sul, a aurora austral, deslumbra aqueles que têm a sorte de vislumbrar o maior espetáculo de luz da Terra.

A aurora boreal e a aurora austral, normalmente confinadas ao Ártico e à Antártida, geram admiração e espanto há séculos.

Nos últimos meses, fotógrafos e observadores do céu noturno têm captado o espectáculo colorido mais a sul (ou a norte, se estiver no hemisfério sul) do que o habitual - locais como o Estado norte-americano do Colorado, o sudeste de Inglaterra e a australiana Nova Gales do Sul. Os pilotos têm circulado os seus aviões em pleno voo para dar aos seus passageiros uma visão mais próxima do fenómeno.

Aurora boreal visível sobre o farol de St. Mary's, em Whitley Bay, Inglaterra, na segunda-feira. Owen Humphreys/PA Images/Getty Images

Um novo fenómeno solar no fim de semana passado causou auroras coloridas na noite de domingo e na manhã de segunda-feira, e mais podem ser esperadas na próxima noite de segunda-feira, de acordo com o EarthSky.

Nos Estados Unidos, as auroras podem ser visíveis tanto a sul, no Alabama por exemplo, como a norte da Califórnia, de acordo com a previsão de auroras da NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration, uma agência governamental.

O que causa as auroras?

As auroras são causadas pela atividade do Sol - particularmente um tipo de tempestade solar chamada ejeção de massa coronal, que emite gás eletrificado e partículas para o espaço. Quando estas partículas eletrificadas atingem as linhas do campo magnético nos pólos Norte e Sul, o que normalmente demora cerca de três dias, entram na atmosfera da Terra.

Uma vez lá, as partículas e a energia interagem com os gases da atmosfera, produzindo uma luz de cores diferentes no céu. O oxigénio emite luz verde, a cor mais comum, bem como luz vermelha, de acordo com o Aurora Watch da Universidade de Lancaster, no Reino Unido. O nitrogénio brilha a azul e roxo, segundo a NASA. O tempo limpo também pode ajudar a tornar as auroras mais visíveis.

Aurora boreal observada sobre Bloomington, Indiana, EUA. Jeremy Hogan/ZUMAPRESS.com/Newscom

Uma forte tempestade geomagnética foi gerada por uma ejeção de massa coronal em 21 de abril e o Centro de Previsão do Clima Espacial da NOAA está a monitorizar o evento.

O plasma ejetado pelo Sol viajou a quase 3 milhões de quilómetros por hora em direção à Terra às 15:26 horas ET [20:26 em Lisboa] de 23 de abril.

Anteriormente, os investigadores do Solar Dynamics Observatory da NASA afirmaram ter detetado duas erupções solares de classe M em março, que deram origem a ejeções de massa coronal, desencadeando uma elevada atividade geomagnética e produzindo as cativantes auroras. As erupções solares mais pequenas são designadas por classe A, seguidas por B, C, M e X, as maiores, de acordo com a NASA.

Aurora austral sobre o Lago Ellesmere, nos arredores de Christchurch, Nova Zelândia, na segunda-feira. Sanka Vidanagama/AFP/Getty Images

As ejeções de massa coronal podem também, por vezes, perturbar as operações e comunicações dos satélites na Terra.

O recente aumento da atividade geomagnética em março foi impulsionado por uma região de manchas solares "grande e magneticamente complexa" conhecida como AR3234, segundo o Met Office do Reino Unido.

Qual a frequência das auroras?

Nos próximos anos, as auroras boreais poderão aparecer mais a sul com maior regularidade, afirmou Robert Massey, diretor executivo da Royal Astronomical Society.

O Sol passa por um ciclo solar de 11 anos em que o nível de atividade das erupções varia. O ciclo 25, o mais recente, começou em dezembro de 2019 com um mínimo solar - um período em que o sol ainda está ativo, mas é mais silencioso e tem menos manchas solares.

Estamos agora a aproximar-nos de um máximo solar, que deverá ocorrer em julho de 2025, altura em que haverá um grande número de manchas solares e uma maior atividade solar.

Massey disse que os eventos solares que causam auroras tornar-se-ão mais comuns à medida que nos aproximamos do máximo solar.

O evento deste mês é a terceira tempestade geomagnética severa, depois dos eventos de novembro de 2021 e março de 2023, desde que o novo ciclo solar começou em 2019.

Funcionário do Serviço Nacional de Meteorologia dos EUA fotografou a aurora boreal no Maine no domingo. NWS Caribou

"Este aumento da atividade do Sol é consistente com o estado atual e o momento do ciclo solar", observou Rob Steenburgh, cientista espacial da NOAA, em comunicado. "Eventos energéticos como erupções solares e ejeções de massa coronal tornaram-se mais frequentes no último ano, e especialmente no último mês, e esperamos que a atividade continue a aumentar até ao pico no próximo ano."

Outros planetas do sistema solar também registam auroras.

Júpiter é banhado por cores espetaculares nos seus pólos, embora as suas poderosas auroras sejam causadas por um mecanismo diferente das da Terra, de acordo com uma investigação publicada em 2021.

*Megan Marples contribuiu para este artigo

Continue a ler esta notícia

Relacionados