Envenenou todos os convidados para um almoço com cogumelos da morte: três meses depois foi acusada de homicídio - TVI

Envenenou todos os convidados para um almoço com cogumelos da morte: três meses depois foi acusada de homicídio

  • CNN
  • Tara Subramaniam
  • 4 nov 2023, 21:00
Um agente da polícia e um cão investigam a propriedade de Erin Patterson em Leongatha, na Austrália, na sequência de uma detenção no âmbito da investigação de um presumível incidente de envenenamento por cogumelos que deixou três pessoas mortas. James Ross/AP

Um agente da polícia e um cão investigam a propriedade de Erin Patterson em Leongatha, na Austrália, na sequência de uma detenção no âmbito da investigação de um presumível incidente de envenenamento por cogumelos que deixou três pessoas mortas. (Foto James Ross/AP)

A polícia australiana apresentou queixa por homicídio contra uma mulher que serviu um almoço no início do ano e que provocou a morte de três pessoas por suspeita de envenenamento com cogumelos.

A polícia de Victoria confirmou que uma mulher de 49 anos foi acusada de três homicídios e de cinco tentativas de homicídio, depois de ter sido detida na manhã de quinta-feira no âmbito do processo.

Os meios de comunicação social locais, incluindo as filiais regionais da CNN e a emissora nacional ABC, identificaram a mulher como Erin Patterson, de 49 anos, que a polícia já tinha identificado como a pessoa que cozinhou e serviu a refeição que resultou nas mortes. Quando solicitada a confirmar a identidade da mulher, a polícia de Victoria recusou-se a comentar.

A Nine News, afiliada da CNN, disse que Patterson foi presa em sua casa na cidade de Leongatha, no sul de Victoria.

O detetive Dean Thomas descreveu as acusações como o "próximo passo" de uma longa investigação.

"Nos últimos três meses, esta investigação foi sujeita a níveis incrivelmente intensos de escrutínio público e curiosidade. Não me lembro de outra investigação que tenha gerado este nível de interesse mediático e público, não só aqui em Vitória, mas também a nível nacional e internacional", afirmou num comunicado emitido pela polícia de Vitória na quinta-feira.

"Penso que é particularmente importante ter em mente que, no centro deste caso, três pessoas perderam a vida. Trata-se de três pessoas que, segundo todos os relatos, eram muito queridas nas suas comunidades e cujos entes queridos sentem muito a sua falta", acrescentou Thomas.

Patterson serviu uma refeição de bife wellington no final de julho aos seus ex-sogros e à irmã e marido da sua sogra, que eram convidados na sua casa em Leongatha, segundo a polícia.

Poucos dias depois da refeição, a sua ex-sogra Gail Patterson, de 70 anos, a irmã de Gail, Heather Wilkinson, de 66 anos, e o marido de Gail, Don, de 70 anos, morreram no hospital.

Um quarto participante, o reverendo Ian Wilkinson, de 68 anos, ficou gravemente doente e terá necessitado de um transplante de fígado, mas recuperou o suficiente para deixar o hospital de Austin, em Melbourne, em setembro.

Patterson negou anteriormente qualquer irregularidade, dizendo aos meios de comunicação locais que não fazia ideia de que os cogumelos que utilizara na receita eram perigosos.

"Estou agora devastada por pensar que estes cogumelos podem ter contribuído para a doença dos meus entes queridos. Quero realmente repetir que não tinha qualquer razão para magoar estas pessoas de quem gostava", afirmou Patterson no depoimento que prestou à polícia, citado pela estação pública ABC.

No mesmo depoimento, afirmou ter comprado os cogumelos utilizados na refeição em duas lojas diferentes.

Quando a notícia da investigação surgiu no início de agosto, o inspetor Dean Thomas, da brigada de homicídios da polícia de Victoria, afirmou que Patterson era suspeita porque tinha cozinhado a refeição e era o único adulto presente no almoço que não adoeceu.

Os sintomas dos convidados de Patterson eram consistentes com o envenenamento por estes cogumelos venenosos [Amanita phalloides, conhecidos em Portugal por chapéu-da-morte ou rebenta-bois], disse Thomas em agosto, embora ainda não tenham sido divulgados relatórios toxicológicos que mostrem exatamente o que consumiram.

O presidente disse que Patterson se tinha separado do marido, Simon, cujos pais morreram após a refeição, mas descreveu a sua relação como "amigável".

"Temos de manter a mente aberta em relação a isto. Pode ser muito inocente", disse Thomas na altura. "Mas, mais uma vez, não sabemos, nesta altura... aparecem quatro pessoas e três delas falecem, com outra em estado crítico, por isso temos de resolver isto."

Foi executado um mandado de busca no endereço de Gibson Street, onde a mulher foi detida, incluindo a utilização de cães detectores de tecnologia da Polícia Federal Australiana, informou a Polícia de Victoria num comunicado.

Na sequência da detenção, a investigação continua em curso, informou a polícia.

"Sei que as pessoas terão, sem dúvida, muitas perguntas sem resposta sobre este assunto, mas exorto-as a terem especial cuidado com especulações desnecessárias e a não partilharem informações erradas", afirmou Thomas no comunicado emitido pela polícia de Victoria na quinta-feira.

Continue a ler esta notícia