Quase mil ocorrências em 12 horas. Pico da tempestade será “entre o meio da manhã e o meio da tarde” - TVI

Quase mil ocorrências em 12 horas. Pico da tempestade será “entre o meio da manhã e o meio da tarde”

  • CNN Portugal
  • DCT
  • 19 out 2023, 09:55
Mau tempo (LUSA)

Patrícia Gaspar, secretária de Estado da Proteção Civil, destacou que “vamos ter um dia caracterizado por uma situação meteorológica de alguma forma complexa”

Relacionados

O mau tempo já provocou 955 ocorrências, com maior incidências, cerca de 90%, na área metropolitana do Porto e de Lisboa, com inundações em meio urbano, queda de árvores e também estruturas pela ação do vento”.

André Fernandes, comandante da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, fez o ponto de situação e revelou que entre as 20:00 e a meia-noite houve “um pico de ocorrências”, com uma “precipitação localizada na área metropolitana do Porto”, com cerca de 546 ocorrências registadas nessas quatro horas. 

“Neste sentido, relembramos e apelamos a todos que adotem os comportamentos necessários e medidas de proteção”, reforçou, em declarações numa reunião operacional na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, em Lisboa.

As inundações em meio urbano nas principais cidades e a ação do vento são as situações que mais preocupam a Proteção Civil, reconheceu André Fernandes, que salientou que “todo o litoral” está também sob aviso do IPMA e “poderá haver aqui também situações pontuais”.

“O pico desta tempestade, da passagem destas linhas de instabilidade, prevê-se agora entre o meio da manhã e o meio da tarde, estamos a falar aqui de cerca de seis horas. Nas próximas seis horas será mais intensa a atividade desta situação meteorológica adversa”, explicou o comandante

Patrícia Gaspar, secretária de Estado da Proteção Civil, destacou que “vamos ter um dia caracterizado por uma situação meteorológica de alguma forma complexa”. A governante adiantou que “a generalidade do continente será afetada por precipitação intensa, poderá ser pontualmente forte, por vento forte também e um quadro de agitação marítima”, o que levou à decisão de colocar o país sob “aviso laranja”, que fica “em vigor até à meia-noite de hoje”. Trata-se, diz, de um “quadro meteorológico complexo que vai afetar todo o país”, não conseguindo “identificar quais as zonas”.

Patrícia Gaspar quis ainda “passar uma mensagem de tranquilidade, pedindo para que todas as pessoas mantenham uma postura de tranquilidade e calma, mas também de atenção àquelas que são as informações e recomendações das autoridades”.

 

Continue a ler esta notícia

Relacionados