NASA está cada vez mais perto dos voos supersónicos de passageiros - TVI

NASA está cada vez mais perto dos voos supersónicos de passageiros

  • CNN
  • Julia Buckley
  • 2 set 2023, 09:00
X-59 da NASA avião supersónico Imagem Lockheed Martin

O avião X-59 da NASA tem como objetivo reduzir o estrondo sónico a um baque.

Ah, os dias de glória das viagens, quando os lugares eram maiores, a comida era melhor e se podia atravessar o Atlântico em menos de três horas.

Desde o fim do Concorde, em 2003, que atravessar rapidamente o Atlântico é coisa do passado. Os voos entre Londres e Nova Iorque demoram cerca de oito horas, ou perto de sete na direção oposta. Atualmente, o recorde é de pouco menos de cinco horas entre Nova Iorque e Londres, impulsionado por uma corrente de ar favorável.

Mas agora, a ideia de viajar em velocidade supersónica voltou a ser discutida - por ninguém menos do que a NASA, que calcula que o voo Nova Iorque-Londres poderá demorar apenas 90 minutos no futuro.

A agência espacial confirmou, num blogue sobre a sua "estratégia de alta velocidade", que estudou recentemente se os voos comerciais até Mach 4 - cerca de 4.900 quilómetros por hora - poderiam descolar no futuro.

O estudo do Centro de Investigação Glenn da NASA sugere que já existem "potenciais mercados de passageiros... em cerca de 50 rotas estabelecidas". Estas rotas foram limitadas às transoceânicas, incluindo sobre o Atlântico Norte e o Pacífico, porque as nações, incluindo os EUA, proíbem o voo supersónico sobre terra.

No entanto, a NASA está a desenvolver aviões supersónicos "silenciosos", chamados X-59, como parte da sua missão Quest. A agência espera que o novo avião possa eventualmente levar à modificação destas regras, com aviões a voar entre Mach 2 e Mach 4 (2.450 - 4900 quilómetros por hora). A velocidade máxima do Concorde era Mach 2,04. Um jato que viajasse a Mach 4 poderia potencialmente fazer uma travessia transatlântica em apenas 90 minutos.

Na sequência dos estudos, o Programa de Veículos Aéreos Avançados (AAV) da NASA passará agora à fase seguinte de investigação sobre viagens a alta velocidade, contratando empresas para desenvolver projectos e "explorar as possibilidades de viagens aéreas, delinear os riscos e desafios e identificar as tecnologias necessárias para tornar realidade as viagens a Mach 2 ou mais", afirmou a agência. Haverá duas equipas a trabalhar na investigação: uma chefiada pela Boeing e a outra pela Northrop Grumman Aeronautics Systems. Cada uma delas apresentará projectos de aeronaves capazes de manter velocidades supersónicas elevadas.

Um futuro em movimento rápido

O avião X-59 da NASA já está construído e pronto para ser testado. Lockheed Martin

Estudos semelhantes aos actuais, realizados há uma década, moldaram o desenvolvimento do avião X-59, segundo Lori Ozoroski, gestora do Projeto de Tecnologia Supersónica Comercial da NASA. Da mesma forma, acrescentou, os novos estudos irão "refrescar o olhar sobre os roteiros tecnológicos e identificar as necessidades de investigação adicionais para uma gama mais alargada de alta velocidade".

A próxima fase terá também em conta "considerações de segurança, eficiência, economia e sociedade", disse Mary Jo Long-Davis, directora do Projeto de Tecnologia Hipersónica da NASA, acrescentando que "é importante inovar de forma responsável".

Em julho, a Lockheed Martin concluiu a construção do avião de teste X-59 da NASA, concebido para transformar as explosões sónicas em meros estalos, na esperança de tornar possível o voo supersónico por terra. Os testes em terra e um primeiro voo de teste estão planeados para o final do ano. A NASA pretende ter dados suficientes para entregar aos reguladores americanos em 2027.

Continue a ler esta notícia