A Administração Federal de Aviação (FAA, Federal Aviation Administration) abriu uma investigação a um incidente no Aeroporto John F. Kennedy, em Nova Iorque, no qual dois aviões quase colidiram na semana passada numa das pistas.

Segundo a BBC News, um Boeing 737 da Delta Air Lines com destino à República Dominicana preparava-se para levantar voo quando um Boeing 777 da American Airlines atravessava a pista. Um controlador de tráfego aéreo evitou a tragédia.

"Delta 1943, cancele a autorização de descolagem! Delta 1943, cancele a autorização de descolagem!", disse o controlador. Após a mensagem, o avião da Delta Air Lines parou e o Boeing 777 que iria viajar para o Reino Unido atravessou a pista de forma segura.

A FAA afirma que os dois aviões estavam a cerca de 300 metros quando o 737 parou.

À CBS, Brian Heale, que seguia a bordo do avião da Delta, conta que pensou que a paragem se devesse a um problema mecânico, só se apercebendo do sucedido após ver as notícias.

A bordo do avião da Delta seguiam 145 passageiros e seis tripulantes, enquanto no da American Airlines estavam 137 passageiros e 14 tripulantes.

Embora não sejam frequentes, já ocorreram ao longo da história várias colisões entre aviões nos aeroportos. Em 1977, no Aeroporto de Los Rodeos, em Tenerife, um avião da KLM iniciou a descolagem enquanto um outro da Pan Am percorria a pista. O desastre matou toda gente a bordo do avião da companhia neerlandesa, tendo apenas 61 pessoas sobrevivido na outra aeronave. Com 583 vítimas, é o acidente mais mortífero da história da aviação civil.

Mais recentemente, em 2001, um Douglas MD-87 da Scandinavian Airlines colidiu com um Cessna quando se preparava para descolar do Aeroporto de Linate, em Milão, rumo a Copenhaga. Do incidente resultaram 114 mortos - todos os ocupantes dos dois aviões mais quatro pessoas em terra.

CNN Portugal / PF