O último voo do Concorde: será esta a melhor fotografia de aviação de todos os tempos? - TVI

O último voo do Concorde: será esta a melhor fotografia de aviação de todos os tempos?

  • CNN
  • Por Lewis Whyld, conforme relatado à jornalista Francesca Street
  • 2 dez 2023, 12:00

A 26 de novembro de 2003, o então novato Lewis Whyld pendurou-se no patim de um helicóptero, suspenso no ar a quase um quilómetro de altitude. E assim marcou o fim de uma era: a fotografia do Concorde no seu último voo, sobre a Ponte Suspensa de Clifton em Bristol, oeste da Inglaterra. Pouco mais de um mês antes, o mundo tinha testemunhado o último voo comercial do Concorde de Nova Iorque para Londres.

A 26 de novembro de 2003, o avião supersónico Concorde fez o seu último voo, regressando ao aeródromo perto de Bristol, no sudoeste de Inglaterra, onde permanece desde então.

Quando esta maravilha da engenharia moderna sobrevoou a Ponte Suspensa de Clifton, em Bristol - um marco da engenharia vitoriana baseado num projeto de Isambard Kingdom Brunel -, criou um momento pungente testemunhado por multidões que aplaudiam.

No alto do céu, pendurado de um helicóptero e fustigado por ventos gelados, o fotógrafo Lewis Whyld conseguiu captá-lo na câmara - uma imagem que se transformou na fotografia que define a era dourada das viagens mais rápidas do que a velocidade do som.

Whyld, que agora trabalha como operador de câmara aérea para a CNN, revela como tirou uma das fotografias de avião mais impecáveis de sempre.

A história do fotógrafo

Lembro-me de alguém a gritar: "Ali está ele, ali está o avião!" Fiquei tão entusiasmado só de o ver que tirei logo uma fotografia, mas depois pensei: "Espera, tenho de esperar que esteja sobre a ponte".

Estávamos, penso eu, a cerca de 3.000 pés [914 metros de altitude], com o Concorde 1.500 pés [457 metros] abaixo de nós. Eu estava de pé no patim do lado de fora do helicóptero, gelado, com a corrente de ar dos rotores a soprar sobre mim. Não conseguia sentir os dedos das mãos e dos pés, não conseguia sentir a cara.

Não foi uma fotografia fácil. Tive de inclinar-me para fora do helicóptero devido ao ângulo em que estávamos a voar. Eu estava aterrorizado. Aterrorizado com a novidade de estar num helicóptero pela segunda vez na minha vida, aterrorizado com a possibilidade de estragar o trabalho.

Eu tinha 25 anos. Tinha sido contratado recentemente por uma agência chamada South West News Service, que fornece imagens e reportagens do sudoeste de Inglaterra aos meios de comunicação social nacionais e internacionais do Reino Unido. Quando surgiu o trabalho no Concorde, limitei-me a candidatar-me.

A única coisa que o meu chefe me disse foi apenas: "Não lixes tudo".

A quase um quilómetro de altitude

Lewis Whyld em 2003, ano em que fotografou o Concorde. Esta fotografia foi tirada na sua primeira tentativa de fotografia aérea. Ele estava num avião com o seu amigo, que na altura estava a treinar para voar. Cortesia de Lewis Whyld

Como estávamos num helicóptero, havia muita coisa que podia correr mal. Tentar alinhar tudo no espaço tridimensional era um desafio. As hipóteses de o avião sobrevoar a ponte exatamente no ângulo que precisávamos eram pequenas.

E, claro, o avião estava a mover-se muito depressa.

Enquanto hoje em dia podemos disparar a câmara de rajada e obter uma seleção de imagens, naquela altura as câmaras eram muito mais lentas. Eu só teria uma fotografia.

O avião era tão branco à luz do sol, contra um fundo escuro de folhagem e o rio, que o contraste era enorme. Teria sido fácil sobre-expor o Concorde e ficar apenas com um triângulo branco sem qualquer pormenor.

Não foi uma fotografia fácil. Tive de inclinar-me para fora do helicóptero devido ao ângulo em que estávamos a voar. Estava aterrorizado. Lewis Whyld, fotógrafo do Concorde

Como o avião estava a viajar tão depressa, e o meu ponto de focagem era tão pequeno, também teria sido muito fácil focar algo no chão, deixando o Concorde numa confusão desfocada.

Além disso, o helicóptero estava em constante movimento. O piloto não podia ficar a pairar, tínhamos de voar em circuitos - algo relacionado com o facto de manter o helicóptero no ar.

Para tentar equilibrar estas coisas, reduzimos a abertura para termos mais profundidade de campo, mas isso diminui a velocidade do obturador, o que significa que podemos ficar desfocados se movermos a câmara muito rapidamente. Houve muita aritmética mental e provavelmente alterei as definições da minha câmara 10 vezes antes da chegada do Concorde

Capturar o momento

Mais rápido do que uma bala: 20 anos depois de ter voado pela última vez, o Concorde continua a ser insuperável em termos de velocidade no mundo dos voos comerciais. Foto Timothy A. Clary  / AFP / Getty Images

Não haveria tentativa e erro. Quando o avião passasse, eu só tinha uma hipótese de tirar a fotografia.

E depois lá estava ele, a voar no céu por baixo de mim.

Eu estava em cima do patim do helicóptero e inclinava-me para fora, puxando contra o arnês, sobre o ar rarefeito e tirando a fotografia, no momento em que ele passava pela ponte.

Não me apercebi de que a fotografia teria a forma que tem - com a face do penhasco, a ponte e a multidão a enquadrarem o avião, num fundo relativamente limpo e quase espelhando a forma da asa.

Toda a gente adorava o Concorde, por isso, ter esse elemento humano significou que a imagem era um pouco mais elevada do que se fosse apenas uma paisagem vazia por trás.

A ponte suspensa de Brunel também ajudou - os triunfos da engenharia dos séculos XIX e XX juntos.

Depois do sobrevoo, aterrámos no aeródromo de Filton, onde o Concorde também tinha aterrado. Tirei outras fotografias do avião a ser rebocado para o seu hangar, com o piloto a acenar da janela.

Depois comecei a editar as minhas imagens para as enviar para o escritório.

Lembro-me de as pessoas olharem por cima do meu ombro quando mostrei a fotografia da ponte no meu portátil. Na altura, não sabia realmente o que tinha. Não sabia que era uma fotografia especial e que as pessoas a iriam adorar. Estava apenas a pensar, "trabalho cumprido".

Depois, as pessoas começaram a juntar-se atrás de mim. Outros fotógrafos disseram: "Bem, de que serve enviarmos qualquer outra coisa, essa será a que toda a gente vai usar."

Na altura, não fazia ideia de que isso viria a ser verdade. A fotografia foi publicada em todos os jornais - claro que também utilizaram outras fotografias - mas esta foi certamente a principal.

Alguns produziram-no como um poster de coleção. Pedi à minha mãe para recolher as chapas necessárias para as encomendar. Alguns jornais enviaram-me garrafas de champanhe. Nunca tinha visto nada assim.

Imagem duradoura

A imagem causou uma grande impressão junto dos fãs da aviação.

Fui contactado por alguns grupos que me perguntaram se podia ajudar a pôr o Concorde a voar novamente. Ironicamente, pensei que seria melhor para a minha fotografia se ele não voltasse a descolar, pois já não seria o último voo.

Mas é uma máquina incrível. Nunca tive a oportunidade de voar nela e, na verdade, nunca estive entro dela. Só a vi de fora, por baixo de mim. Aquela foi a primeira e a última vez que o vi a voar.

Nos 20 anos que se seguiram a 2003, tirei outras fotografias memoráveis, mas somos sempre recordados pelos nossos maiores êxitos e acho que esta será sempre - entre aspas - um dos meus "maiores êxitos".

Em parte, isso deve-se à fotografia e, em parte, ao facto de não ter havido outra oportunidade para o fazer. Por isso, independentemente da qualidade da fotografia, será sempre a última fotografia do Concorde. Tive a sorte de ter tirado uma boa fotografia.

Atualmente, sou bastante conhecido por fazer filmagens com drones. Por isso, esta foi a minha primeira fotografia aérea e, por coincidência, desde então criei um nicho de carreira para tirar fotografias do ar.

Mesmo com os avanços tecnológicos, se voltássemos a querer fotografar o Concorde, teríamos de usar um helicóptero. Um drone não teria autorização para pairar sobre o avião e tirar fotografias.

Por isso, continuaríamos a fazê-lo da mesma forma, mas teríamos câmaras melhores e eu voltaria com uma série de fotografias que poderíamos escolher, em vez de apenas uma.

Mas, de certa forma, estou muito contente por a tecnologia ser como era - porque só há uma fotografia. Atualmente, somos um pouco mimados e ter mais do que uma versão de uma imagem pode enfraquecer o seu poder.

Tecnologia em mudança

O Concorde Alpha Foxtrot, o avião fotografado por Whyld, está agora em exposição na Aerospace Bristol. Suzanne Plunkett/CNN

É interessante notar que, embora a tecnologia das câmaras tenha evoluído, a tecnologia dos aviões, em muitos aspectos, não evoluiu. Na altura, era possível chegar a Nova Iorque em três horas e meia. Claro que temos aviões maiores - o A380, por exemplo - mas em termos de velocidade bruta, o Concorde continua a ser o pináculo da aviação.

A fotografia representa o fim de uma era da aviação - e nada surgiu para a substituir, certamente nada agarrou a imaginação do público como o Concorde. Penso que parte da razão pela qual a fotografia ainda hoje ressoa se deve ao afeto duradouro que todos temos por essa era passada de viagens.

Há sempre rumores de novos aviões supersónicos em preparação, e eu gosto de acompanhar as atualizações, mas ainda nada parece concreto. Adoraria que as viagens supersónicas regressassem numa forma mais ecológica e moderna - para encurtar distâncias e tornar o mundo mais fácil de percorrer.

Além disso, seria um marco do engenho humano ver algo assim de volta aos céus, o que seria ótimo do ponto de vista dos fãs. Mas, apesar de estar atento, ainda não vi nada que se aproximasse de se realizar.

A única coisa que o meu chefe me disse foi apenas: "não lixes tudo". Lewis Whyld, fotógrafo do Concorde

Se eu tirasse a fotografia hoje, teria uma câmara com uma resolução muito superior, o que me permitiria tirar uma fotografia mais ampla que poderia ser cortada para diferentes composições. Na altura, utilizei uma lente relativamente longa e é realmente o enquadramento total que se vê, que é a melhor forma de obter a maior resolução possível da fotografia.

Agora podíamos dar-nos ao luxo de utilizar uma objetiva mais larga e, mesmo assim, obter uma imagem de alta resolução se precisássemos de fazer zoom depois, mas naquela altura não tínhamos essa possibilidade.

O consenso geral na altura era fotografar com uma lente grande angular e estar o mais próximo possível do avião. Mas isso significaria obviamente que a ponte ficaria minúscula no fundo e não obteríamos o mesmo tipo de efeito. Apostei na objetiva grande angular e só mais tarde, à medida que fui ganhando mais experiência, é que me apercebi que isso era uma coisa bastante arriscada. Significa que se está a fotografar num espaço estreito. Como foi, tudo se alinhou, tudo funcionou - mas, em geral, essas coisas não tendem a alinhar-se tão perfeitamente.

Na altura, eu estava muito entusiasmado e confiante - sabia o que queria e pensei que não havia razão para não resultar. Acho que à medida que a vida avança, ficamos um pouco mais cansados ou realistas. Mas gostava de pensar que hoje em dia ainda correria o risco e tentaria tirar a melhor fotografia, em vez de tentar jogar pelo seguro e conseguir algo que as pessoas não recordariam.

Vinte anos depois, há postais e posters com a minha fotografia - até há um ponto de cruz. Nos primeiros anos, as pessoas estavam sempre a oferecer-me esse tipo de coisas. Acho que tenho pelo menos um quebra-cabeças algures em minha casa. Fui contactado para fazer uma edição limitada.

Com a tecnologia moderna, em termos de edição, poderíamos fazer uma impressão da fotografia melhor do que nunca. Não podemos mudar a câmara em que a fotografia foi tirada, mas podemos mudar a forma como a editamos e os pormenores que retiramos.

Ainda tenho os negativos digitais, por isso podemos sempre voltar ao ficheiro em bruto e levá-lo para a câmara escura digital - e depois passá-lo pela incrível tecnologia moderna que temos hoje para extrair detalhes que não conseguíamos anteriormente.

Existem métodos para aumentar a resolução, tornar as fotografias antigas de alta qualidade e obter mais pormenores, especialmente com a Inteligência Artificial. Mas não quero alterar a natureza ou a realidade da imagem. Não quero manipulá-la de forma alguma.

Uma oportunidade incrível

Lewis Whyld em 2017, a fotografar no Ártico para um projeto da CNN que destacava o impacto do aquecimento global. Cortesia de Lewis Whyld

Olhando para trás, fiquei surpreendido, na verdade, com o facto de o último voo do Concorde ter sido este pequeno salto de Londres para Bristol, mas foi uma oportunidade para a nossa agência de fotografia se destacar, para competir com fotojornalistas internacionais de Nova Iorque e Londres.

Foi uma oportunidade para captar uma imagem fantástica numa história que não era propriamente política, não era terrível, não era um desastre ou algo do género.

De certa forma, estou satisfeito por uma das minhas imagens duradouras ser de algo que é uma celebração, em vez de ser deprimente ou uma catástrofe, como todos os furacões e sismos em que estive, todas as zonas de guerra e motins. Há algo de animador na fotografia do Concorde.

Nos anos que se seguiram ao último voo, mudei-me de Bristol para Londres. Trabalhei para a Press Association do Reino Unido e para o jornal The Telegraph antes de me mudar para a CNN para filmar imagens aéreas, vídeos e imagens de drones. Fiz parte da equipa da CNN que cobriu a guerra na Ucrânia e que ganhou um Emmy no início deste ano.

A filmagem do Concorde foi sempre um trampolim para a minha carreira. Foi onde tudo começou. Depois disso, as pessoas conheciam as minhas fotografias e ofereciam-me trabalho. Foi assim que a minha carreira avançou.

Não esperava que isso acontecesse quando tirei a fotografia, mas estou grato por isso.

O voo histórico, a 26 de novembro de 2003, quando o jovem fotógrafo Lewis Whyld tirou esta fotografia do Concorde no seu último voo de sempre, sobre a ponte suspensa de Clifton em Bristol, no oeste de Inglaterra. Cortesia: SWNS

 

Este artigo foi originalmente publicado em 26 de novembro de 2018. Foi atualizado e republicado no final de novembro de 2023.

Continue a ler esta notícia