Balão de espionagem chinês apanhado a sobrevoar o território dos EUA - TVI

Balão de espionagem chinês apanhado a sobrevoar o território dos EUA

Pentágono aumenta financiamento a projeto de balões de grande altitude que pode ser resposta eficaz contra mísseis hipersónicos (Imahem AP)

As fontes da Defesa americana garantem ainda que assim que o balão foi detectado, o governo dos EUA agiu imediatamente para se proteger contra a o roubo de informações confidenciais

O Departamento da Defesa dos Estados Unidos detetou a presença de um balão de alta altitude que está a sobrevoar o território continental norte-americano e que o exército acredita pertencer à China. Segundo o Pentágono, o dispositivo foi detetado há vários dias.

Numa conferência de imprensa no Pentágono, o brigadeiro-general Patrick Ryder revelou que as forças armadas americanas equacionaram a possibilidade de abater o objeto voador, mas acabaram por colocar de parte essa hipótese por motivos de segurança.

“Detetamos e estamos a seguir um balão de vigilância de alta altitude que está a sobrevoar o território continental dos Estados Unidos da América”, afirmou o oficial.

As fontes da Defesa americana garantem ainda que assim que o balão foi detectado, o governo dos EUA agiu imediatamente para se proteger contra o roubo de informações confidenciais.

O brigadeiro-general Patrick Ryder disse que o exército está "confiante" de que o balão pertence ao governo da República Popular da China e sublinhou que este tipo de atitudes não são novas e que já foram levadas a cabo durante outros governos.

Este incidente acontece numa altura em que o Secretário de Estado americano Antony Blinken se prepara para viajar para Pequim, numa viagem muito antecipada pela diplomacia das duas potências.

Recorde-se que a tensão entre os dois países escalou durante o verão, no mês de agosto do ano passado, quando a então líder do Congresso americano, Nancy Pelosi, visitou a ilha de Taiwan, resultando no anúncio chinês dos maiores exercícios militares na região dos últimos anos.

Continue a ler esta notícia