"Barbie" bate recordes de bilheteira e esmaga a indignação da direita - TVI

"Barbie" bate recordes de bilheteira e esmaga a indignação da direita

  • CNN
  • Dean Obeidallah
  • 29 jul 2023, 17:30
Margot Robbie no filme "Barbie" (DR)

Opinião. A Barbie - metaforicamente falando – passou com a sua supercaravana cor-de-rosa Dreamcamper por cima destes críticos, batendo recordes de bilheteira

Nota do editor: Dean Obeidallah, antigo advogado, é o apresentador do programa diário da rádio da SiriusXM "The Dean Obeidallah Show". Siga-o no Threads em www.threads.net/@deanobeidallah. As opiniões expressas neste comentário são da sua inteira responsabilidade.

Vozes da direita norte-americana têm apelado ao boicote do novo filme da “Barbie” porque, para eles, o filme é tudo, desde ser "woke" até fazer "lavagem cerebral” a raparigas com “propaganda chinesa”, como afirmou o senador republicano Ted Cruz. Mas eles acabam de aprender que não fazem sequer par para a boneca da Mattel. A Barbie - metaforicamente falando – passou com a sua supercaravana cor-de-rosa Dreamcamper por cima destes críticos, batendo recordes de bilheteira.

O filme da realizadora Greta Gerwig - protagonizado por Margot Robbie e Ryan Gosling - teve um fim de semana de estreia impressionante de 155 milhões de dólares (140 milhões de euros). “Barbie” conseguiu ter o maior fim de semana de estreia até agora em 2023, superando as receitas de filmes como “Guardiões da Galáxia Volume 3” e “Homem-Aranha: Através do Aranhaverso”, de acordo com o The Hollywood Reporter. “Barbie” também marcou a maior estreia de um filme baseado num brinquedo, eclipsando “Transformers: Dark of the Moon” (115,9 milhões de dólares), refere a publicação.

Perante estes resultados, os estúdios de cinema poderão querer implorar aos membros do Congresso do Partido Republicano, à Fox News e a outros membros da direita que apelem a um boicote aos seus novos filmes.

Então, o que é que espoletou a direita em relação ao filme “Barbie”? Assistimos a um ataque multifacetado semanas antes da estreia do filme.

No início de julho, alguns deputados republicanos declararam uma “guerra à ... Barbie” - como disse o Politico - por causa de um desenho infantil de um mapa-mundo que, segundo eles, foi concebido para apaziguar a China. O deputado Mike Gallagher, do Wisconsin, que lidera um painel selecionado da Câmara dos Representantes para combater a influência da China, afirmou que o mapa - que descreveu como “cartoonish, escrito a lápis de cera” - parecia apoiar as reivindicações territoriais de Pequim relativamente a uma parte contestada do Mar do Sul da China. Cruz também fez comentários sobre a propaganda chinesa.

Em resposta, a Warner Bros, o estúdio por detrás do filme, negou qualquer mensagem política. A Warner Bros., que, tal como a CNN, é propriedade da Warner Bros. Discovery, explicou: “Os desenhos retratam a viagem de faz-de-conta da Barbie, da Terra da Barbie para o 'mundo real'. O objetivo não era tomar qualquer tipo de posição”.

A Fox News atacou repetidamente o filme, desde a “wokeness” à inclusão. Uma das rubricas do canal de televisão amplificou o apelo contra “Barbie”, vindo do Movieguide, um site cristão de crítica cinematográfica, que dizia: "Aviso: não levem a vossa filha a ver a Barbie". A rubrica criticava o filme pela inclusão de um artista transgénero (o ator Hari Nef) e por apresentar “histórias LGBTQ”.

A apresentadora da Fox News Rachel Campos-Duffy - com um símbolo que dizia "Barbie gets woke makeover" - queixou-se de que “a esquerda deu à Barbie uma completa transformação feminista”, apelidando o filme de “apenas mais um veículo de doutrinação”. Noutro ataque ao filme, os convidados afirmaram que a representação do Ken de alguma forma emasculava os homens.

Mas a indignação da direita norte-americana contra a “Barbie” ainda não tinha terminado. Charlie Kirk, fundador do grupo conservador Turning Point USA, chamou ao filme “propaganda trans” e “a coisa mais nojenta que alguma vez vi”, no seu programa de rádio de 30 de junho, antes de lançar a ideia de um boicote.

Para não ser ultrapassado, o especialista conservador Ben Shapiro não só criticou repetidamente o filme como sendo “woke” - juntamente com muitos palavrões - como também queimou uma boneca Barbie em efígie. Não estou a brincar - ele pegou literalmente fogo a uma boneca.

Poderá haver algo mais a irritar estas vozes da direita além do que nos estão a dizer?

Bem, a deputada democrata Alexandria Ocasio-Cortez, de Nova Iorque, acredita que sim, explicando num post de sexta-feira no Threads: "Adoro como os congressistas republicanos agora estão a odiar a Barbie porque ela é 'muito woke ... como, olá!, esta era uma boneca para meninas que era uma MÉDICA e uma ASTRONAUTA antes de as mulheres nos EUA puderem ter cartões de crédito sem a permissão do marido”. E acrescentou: "Claro que estão zangados! Eles querem os velhos tempos de volta".

O apelo da direita a um boicote e as suas críticas não conseguiram, obviamente, dissuadir os espectadores, dado o sucesso de bilheteira de "Barbie". Parece que estas pessoas têm um sentido inflacionado da sua importância, depois do aparente sucesso que tiveram ao atacar a cerveja Bud Light há alguns meses.

Essa polémica foi desencadeada depois de a Anheuser-Busch, fabricante da cerveja, ter patrocinado duas publicações no Instagram de Dylan Mulvaney, um influenciador transgénero. Comentardores de direita e celebridades logo começaram a protestar contra a cerveja. Desde então, as vendas da Bud Light caíram vertiginosamente. (É claro que parte da perda de vendas pode ser atribuída aos esquerdistas chateados com a tentativa da Bud Light de se afastar tão rapidamente da controvérsia).

Ainda há duas semanas, a Fox estava a promover "Como 'Barbie', o filme, recebeu o 'tratamento Bud Light'". No entanto, "Barbie" não recebeu esse tratamento e o êxito de bilheteira do filme fez com que os seus críticos de direita parecessem tolos.

É verdade que o apelo dos conservadores a um boicote pode ter algum sucesso com certos produtos, mas geralmente só se a base de consumidores desses produtos for de direita. A "Barbie" não é, obviamente, um deles. Mas a direita não deve ficar surpreendida. Afinal de contas, estamos a viver num mundo Barbie.

Continue a ler esta notícia