Batatas fritas podem estar ligadas à ansiedade e depressão - TVI

Batatas fritas podem estar ligadas à ansiedade e depressão

  • CNN
  • Taylor Nicioli
  • 1 mai 2023, 09:00
Os alimentos fritos podem ter um impacto negativo na saúde mental, segundo um novo estudo. Jack Andersen/Stone RF/Getty Images

Relacionados

Batatas fritas - são gordurosas, ricas em amido e comida de conforto para muitos.

Mas a ingestão de alimentos fritos pode ter um impacto negativo na saúde mental.

Uma equipa de investigadores de Hangzhou, na China, descobriu que o consumo frequente de alimentos fritos, especialmente batatas fritas, está associado a um risco 12% mais elevado de ansiedade e 7% mais elevado de depressão do que nas pessoas que não comiam fritos.

A ligação foi mais acentuada nos homens jovens e nos consumidores mais jovens.

Os alimentos fritos são conhecidos fatores de risco de obesidade, hipertensão arterial e outros efeitos para a saúde. Estes resultados "abrem uma via para a importância da redução do consumo de alimentos fritos para a saúde mental", segundo o artigo publicado na revista PNAS.

No entanto, especialistas em nutrição disseram que os resultados são preliminares e que não é necessariamente claro se os alimentos fritos estavam a conduzir a problemas de saúde mental, ou se as pessoas com sintomas de depressão ou ansiedade se voltaram para os alimentos fritos.

O estudo avaliou 140.728 pessoas ao longo de 11,3 anos. Depois de excluir os participantes diagnosticados com depressão nos primeiros dois anos, foi detetado um total de 8.294 casos de ansiedade e 12.735 casos de depressão nos indivíduos que consumiam alimentos fritos, enquanto as batatas fritas, especificamente, apresentaram um aumento de 2% no risco de depressão em relação à carne branca frita [nuggets, por exemplo].

O estudo concluiu também que os participantes que consumiam mais do que uma dose de alimentos fritos regularmente eram homens mais jovens.

"A componente humana deste estudo pode indicar exatamente aquilo a que se propõe: que uma maior ingestão de alimentos fritos aumenta o risco de ansiedade/depressão", observou David Katz, especialista em medicina do estilo de vida, que não esteve envolvido no estudo.

O consumo regular de alimentos fritos foi associado a um maior risco de ansiedade e depressão. eLuVe/Moment RF/Getty Images

No entanto, a via causal poderia facilmente seguir o caminho inverso: as pessoas com ansiedade/depressão recorrem cada vez mais à "comida de conforto" para obter "algum alívio", acrescentou Katz, fundador da True Health Initiative, uma coligação global de especialistas dedicados à medicina do estilo de vida baseada em provas.

As pessoas com sintomas subjacentes de ansiedade e depressão podem recorrer a alimentos de conforto como forma de automedicação, indicou.

Os alimentos não saudáveis e a má nutrição podem diminuir o estado de espírito de uma pessoa e fazer progredir um problema de saúde mental, tal como se verificou num estudo anterior citado nesta nova pesquisa.

O mesmo se aplica ao peixe-zebra

No novo estudo, os investigadores sugerem que a acrilamida, um químico formado durante o processo de fritura, especialmente nas batatas fritas, é responsável pelo risco mais elevado de ansiedade e depressão.

Na investigação anterior, referenciada no novo estudo, os investigadores expuseram o peixe-zebra ao químico, descobrindo que a exposição a longo prazo tinha levado o peixe a habitar em zonas escuras do aquário, um sinal comum de um nível de ansiedade mais elevado no peixe.

Os peixes-zebra também demonstraram uma capacidade reduzida de explorar os seus tanques e de socializar, uma vez que não nadaram perto de outros peixes-zebra, apesar de se saber que os peixes-zebra formam cardumes.

"O peixe-zebra foi presumivelmente escolhido porque já se sabia que era vulnerável à toxicidade da acrilamida e porque as suas respostas comportamentais à ansiedade estão estabelecidas e são consistentes - oferecendo uma fonte de dados biológicos e comportamentais", explicou Katz.

Walter Willett disse que os resultados "devem ser considerados muito preliminares, especialmente a conexão com alimentos fritos e acrilamida".

"Os efeitos dos alimentos fritos na saúde dependem muito do tipo de alimentos fritos e do tipo de gordura utilizada para os fritar", defendeu Willett, professor de epidemiologia e nutrição na Harvard T.H. Chan School of Public Health. "As batatas são uma preocupação no que diz respeito a possíveis efeitos no humor, porque podem causar grandes picos de açúcar no sangue e, em seguida, respostas hormonais a esses picos. No entanto, estes picos são parcialmente atenuados pela gordura, que seria fornecida pela gordura da fritura."

Willett também observou que a acrilamida não é produzida apenas pela fritura. Encontra-se no café, devido à torrefacção dos grãos, e na torrada, porque "o aquecimento dos hidratos de carbono juntamente com as proteínas pode fazer isso".

Os dados do peixe-zebra "são difíceis de interpretar em relação à saúde humana, porque somos obviamente muito diferentes e os autores reconheceram esse facto".

Ansiedade e depressão a subir

O investigador da Universidade de Zhejiang, Yu Zhang, autor do estudo, disse à CNN, que "não há necessidade de entrar em pânico com os efeitos adversos dos alimentos fritos". Mas manter um estilo de vida saudável e reduzir o consumo de alimentos fritos pode ser útil para a saúde mental, para além da saúde geral.

Os investigadores apontaram para um aumento recente da depressão e da ansiedade em todo o mundo, com 2020 a registar um aumento de 27,6% e 25,6%, respetivamente. A Organização Mundial de Saúde também estima que mais de 5% dos adultos sofrem de depressão, a nível mundial, tal como referido no documento.

Ao analisar os efeitos do consumo de alimentos fritos nos seres humanos e da exposição à acrilamida no peixe-zebra, os investigadores compararam os dois para sugerir que o consumo frequente da substância química comummente encontrada nos alimentos fritos poderia ter um efeito negativo na saúde mental.

De acordo com Katz, a falta de variedade na alimentação também tem demonstrado diminuir o bem-estar.

"Se é necessária uma conclusão, é simplesmente que a qualidade geral da dieta e a seleção de alimentos saudáveis são profundamente importantes para todos os aspetos da saúde - tanto mental como física", argumentou Katz.

Segundo Willett, existe também a possibilidade de uma causalidade inversa, ou seja, as pessoas podem mudar a sua alimentação porque têm depressão ou ansiedade. "Estas alterações de humor são, em geral, mais difíceis de estudar porque podem ir e vir, ao contrário do diagnóstico de um cancro grave ou de um ataque cardíaco."

Continue a ler esta notícia

Relacionados

EM DESTAQUE