Lagarde revela que "sólida maioria de governadores" apoiou subida dos juros mas "alguns" preferiam pausa - TVI

Lagarde revela que "sólida maioria de governadores" apoiou subida dos juros mas "alguns" preferiam pausa

  • Agência Lusa
  • BC
  • 14 set 2023, 15:28
Christine Lagarde (Foto: Ronald Wittek/EPA)

Christine Lagarde admitiu posições contrárias em relação à subida das taxas de juro entre os governadores, mas garantiu que o debate no BCE não foi "antagónico"

Relacionados

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, admitiu esta quinta-feira que “alguns” governadores manifestaram, na reunião desta manhã, preferência por uma pausa na subida dos juros, mas uma “sólida maioria” apoiou o novo aumento de 25 pontos base.

Na conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Governadores do BCE, Christine Lagarde disse que “alguns governadores” preferiam manter inalteradas as taxas de juro na reunião de hoje e reservar a decisão para quando existissem mais dados.

No entanto, uma “sólida maioria” apoiou o novo aumento anunciado esta quinta-feira e que colocou a taxa dos depósitos no nível mais elevado de sempre da zona euro.

Ainda assim, assegurou que o debate no Conselho de Governadores não foi “antagónico” e foi baseado nos últimos dados macroeconómicos.

"Nós realmente aprofundamos os números e a análise", disse.

O BCE anunciou que a taxa de juro aplicável à facilidade permanente de depósito subiu para 4,00%, ou seja, o valor que os bancos recebem por depositarem dinheiro no banco central.

Já a taxa de juro das principais operações de refinanciamento e a taxa de juro aplicável à facilidade permanente de cedência de liquidez (que definem o custo dos empréstimos dos bancos centrais aos bancos) subiram para respetivamente, 4,5% e 4,75%.

A subida tem efeitos a partir de 20 de setembro de 2023.

"A inflação continua a descer, mas ainda se espera que permaneça demasiado elevada durante demasiado tempo”, salientou a presidente do BCE.

Esta foi a décima subida consecutiva das taxas de juro pelo banco central, desde julho do ano passado, o ciclo de subida mais rápido da história da zona euro.

Continue a ler esta notícia

Relacionados