Novo estudo: exposição de bebés a ecrãs pode atrasar o seu desenvolvimento - TVI

Novo estudo: exposição de bebés a ecrãs pode atrasar o seu desenvolvimento

  • CNN
  • Kristen Rogers
  • 22 ago 2023, 09:00
Bebés com ecrã de telemóvel telemóveis

O tempo de utilização dos ecrãs a partir do primeiro ano de vida está associado a atrasos de desenvolvimento na infância. (Foto Thanasis Zovoilis/Digital Vision/Getty Images)

Dar ao seu bebé um telemóvel ou um tablet para brincar pode parecer uma solução inofensiva quando se está ocupado, mas pode rapidamente afetar o seu desenvolvimento, segundo um novo estudo.

Ter entre uma a quatro horas de tempo de ecrã por dia ao 1 anos de idade, está associado a maiores riscos de atrasos no desenvolvimento da comunicação, motricidade, resolução de problemas e competências pessoais e sociais aos dois anos de idade, de acordo com um estudo de 7.097 crianças publicado na segunda-feira na revista JAMA Pediatrics.

"É um estudo realmente importante porque tem uma dimensão de amostra muito grande de crianças que foram seguidas durante vários anos", disse Jason Nagata, professor associado de pediatria da Universidade da Califórnia, em São Francisco, nos EUA, que não esteve envolvido no estudo.

"O estudo preenche uma lacuna importante porque identifica atrasos específicos no desenvolvimento (em competências) como a comunicação e a resolução de problemas associados ao tempo de ecrã", afirmou Nagata, referindo que não existem muitos estudos anteriores que tenham estudado esta questão com vários anos de dados de acompanhamento.

As crianças e as suas mães fizeram parte do estudo japonês Tohoku Medical Megabank Project Birth and Three-Generation Cohort Study e foram recrutadas em 50 clínicas obstétricas e hospitais nas prefeituras de Miyagi e Iwate entre julho de 2013 e março de 2017.

O estudo mediu o número de horas que as crianças utilizavam os ecrãs por dia quando tinham 1 ano de idade e o seu desempenho em vários domínios de desenvolvimento - competências de comunicação, competências motoras finas, competências pessoais e sociais e competências de resolução de problemas - aos 2 e 4 anos de idade. Ambas as medidas foram efectuadas de acordo com os relatos das próprias mães.

Aos 2 anos, as crianças que tinham passado até quatro horas de tempo de ecrã por dia tinham três vezes mais probabilidades de sofrer atrasos no desenvolvimento das capacidades de comunicação e de resolução de problemas.

Os que tinham passado quatro ou mais horas com ecrãs tinham 4,78 vezes mais probabilidades de ter capacidades de comunicação subdesenvolvidas, 1,74 vezes mais probabilidades de ter capacidades motoras finas inferiores e duas vezes mais probabilidades de ter capacidades pessoais e sociais subdesenvolvidas aos 2 anos de idade. Aos 4 anos, o risco mantém-se apenas nas categorias de comunicação e resolução de problemas.

"Uma das áreas relativamente pouco estudadas em toda a literatura sobre o tempo de utilização dos ecrãs é a análise dos impactos da exposição aos ecrãs em crianças muito pequenas, especialmente quando os ecrãs são introduzidos nos bebés", afirmou John Hutton, professor associado de pediatria geral e comunitária no Cincinnati Children's Hospital Medical Center, que não participou no estudo. "É definitivamente uma preocupação global, e acho que as descobertas (aqui) devem se aplicar, na verdade, a outros países também.

Como o tempo de ecrã pode afetar o desenvolvimento

Os potenciais danos do tempo de ecrã nas competências de comunicação podem ter a ver com o facto de as crianças serem privadas de motores para o desenvolvimento da linguagem, disse Hutton.

"As crianças aprendem a falar se forem encorajadas a falar e, muitas vezes, se estiverem apenas a ver um ecrã, não têm oportunidade de praticar a fala", afirmou. "Podem ouvir muitas palavras, mas não estão a praticar dizer muitas palavras ou a ter muita interação entre si."

A utilização da tecnologia pode tirar tempo às relações interpessoais que fomentam as competências sociais, uma vez que as pessoas reais são mais multidimensionais do que as personagens num ecrã, acrescentou Hutton. Olhando para o rosto das pessoas, o nosso cérebro liga-se para descobrir como interagir com elas.

"Além disso, (com) a visualização passiva de um ecrã que não tem uma componente interactiva ou física, é mais provável que as crianças sejam sedentárias e não consigam praticar as suas capacidades motoras", afirmou Nagata.

Se as crianças não tiverem tempo suficiente para brincar ou se lhes for dado um tablet para apaziguar emoções negativas, isso pode impedir o importante marco de desenvolvimento que é a capacidade de lidar com o desconforto.

"A longo prazo, um dos verdadeiros objectivos é que as crianças sejam capazes de estabilizar calmamente nos seus próprios pensamentos", disse Hutton. "Quando lhes é permitido estar um pouco aborrecidas por um segundo, ficam um pouco desconfortáveis, mas depois pensam: 'OK, quero sentir-me mais confortável'. E é assim que a criatividade acontece".

Há outros factores que podem afetar o desenvolvimento de uma criança, como a genética, experiências adversas como a negligência ou o abuso, e factores socioeconómicos, disse Nagata.

Na investigação mais recente, as mães de crianças com elevados níveis de tempo de ecrã tinham maior probabilidade de serem mais jovens, de nunca terem dado à luz antes, de terem um rendimento familiar mais baixo, de terem um nível de educação mais baixo e de terem depressão pós-parto.

O estudo tem limitações. Devido ao viés de desejabilidade social - querer dizer a coisa "certa" ou socialmente aceitável -, os pais podem subestimar o tempo de ecrã dos seus filhos e sobrestimar o desenvolvimento dos seus filhos, afirmam os especialistas.

Além disso, os autores não dispunham de pormenores sobre o que envolvia o tempo de ecrã das crianças e nem todas as formas são iguais na sua capacidade de prejudicar ou beneficiar, afirmam os especialistas.

"A outra questão que é sempre muito importante é: o pai está a ver com a criança?" disse Hutton. "Quando um pai está a assistir com uma criança, isso tende a mitigar muitos dos efeitos negativos.

Formas mais saudáveis de ocupar o seu filho

Se você precisa manter o seu filho ocupado para que possa fazer as coisas ou ter algum tempo sozinho, tente dar-lhe um livro, materiais para colorir ou brinquedos, recomendam os especialistas. Por vezes, podem até usufruir destas actividades enquanto estão presos numa cadeira alta.

Se, por vezes, for necessário recorrer aos ecrãs, opte por conteúdos educativos ou conversas de vídeo com um ente querido, para que a criança possa continuar a ter alguma interação social, afirma Nagata.

Um problema com alguns conteúdos infantis online é que os pais pensam que eles são educativos porque são comercializados como tal e têm muita informação sobre o alfabeto, as cores, os números ou os animais que os seus filhos podem ver e ouvir, afirmou Hutton. Mas o que impulsiona a aprendizagem é o conteúdo que ajuda as crianças a aplicar os seus conhecimentos para lá da mera memorização - para que possam "navegar no mundo real, onde as coisas são mais imprevisíveis e requerem mais criatividade e resiliência", afirmou.

Hutton e Nagata recomendaram a escolha de vídeos mais longos, uma vez que ver muitos vídeos curtos pode afetar a capacidade de atenção das crianças e a sua capacidade de compreender o que estão a ver.

Seja cauteloso quando depende do tempo de ecrã e desligue os dispositivos quando não estiverem a ser utilizados, disse Nagata. "O visionamento sem objetivo pode também distrair as crianças, impedindo-as de se concentrarem numa atividade que estejam a realizar ou na comunicação pessoal."

Além disso, dê você próprio o exemplo, não tendo uma quantidade excessiva de tempo de ecrã, uma vez que as crianças tendem a imitar o que vêem, disseram os especialistas.

A Academia Americana de Pediatria recomenda que se considere a qualidade do tempo de ecrã em vez de apenas a quantidade, mas a organização tem recursos para determinar as directrizes e os limites para a sua família - como o seu plano de meios de comunicação familiar que pode adaptar às necessidades da sua própria família e conselhos para ajudar os seus filhos a criar hábitos saudáveis.

"Precisamos de abrandar e ... ser tão cuidadosos e atentos quanto possível para manter as crianças ancoradas no mundo real, que é realmente a forma como evoluímos como seres humanos", disse Hutton. "Haverá muito tempo para o tempo de ecrã mais tarde, quando tivermos uma melhor noção de quem são as crianças e do que precisam."

Continue a ler esta notícia