Schmidt: «Tenho o objetivo de dizer adeus ao Benfica em 2026 no Marquês» - TVI

Schmidt: «Tenho o objetivo de dizer adeus ao Benfica em 2026 no Marquês»

Treinador dos encarnados considera que não tem o lugar em risco e vincou que falhar faz parte do futebol. «Não espero que sejamos capazes de ganhar tudo, que sejamos sempre bem sucedidos e que joguemos sempre ao mais alto nível até 2026»

O Benfica recebe neste domingo o Sporting num jogo em não pode vacilar, sob pena de poder deixar o rival lisboeta fugir ainda mais na liderança da Liga.

Sobretudo - mas não só - devido ao fracasso da campanha dos encarnados na fase de grupos da Liga dos Campeões, Roger Schmidt tem sido fortemente contestado pelos adeptos do Benfica, mas o técnico alemão não sente que o lugar à frente da equipa esteja dependente do resultado do dérbi.

«Não. Assinei um novo contrato até 2026 porque adoro estar no Benfica. Não espero que sejamos capazes de ganhar tudo, que sejamos sempre bem sucedido e que joguemos sempre ao mais alto nível até 2026. O que sei, também pela experiência que tenho, é que há sempre algumas dificuldades ao longo de uma época. Depende do que eu disse antes: por vezes conseguimos jogar sempre com os mesmos jogadores, ninguém está lesionado e todos estão em grande forma. E por vezes é muito fácil ter sucesso com uma boa abordagem e uma boa equipa, mas noutras vezes é mais difícil e há que lutar mais. Avançar para a fase a eliminar da Liga dos Campeões era muito importante para nós: para o clube, para os jogadores, para todos. Mas por vezes acontecem situações como as que tivemos esta época na fase de grupos e há que aceitar que as outras equipas estão nesta altura numa fase melhor», acrescentou.

Apesar do momento difícil, Schmidt garantiu que os alicerces do Benfica estão firmes, que sente a confiança da direção e expressou um desejo. «Isso [fase difícil] não pode ser razão para se perder a confiança no Benfica e em mim. Sinto essa confiança também do clube e o meu objetivo é em 2026 dizer adeus ao Benfica no Marquês do Pombal», apontou.

Tal como em San Sebastián na passada quarta-feira, o treinador alemão voltou a puxar para ele próprio a responsabilidade pelos maus resultados e pelo futebol com pouco brilho da equipa. «Sou o treinador e o responsável por tudo. Como treinamos, como jogamos e pela a cultura no grupo. E claro que sou eu o responsável se não jogamos bom futebol e perdemos jogos. Mas perder jogos faz parte do futebol. Não pensei, quando renovei o meu contrato, que íamos ganhar todos os títulos até 2026.

 

Continue a ler esta notícia