"Um homem idoso com uma memória fraca": Biden ilibado por pensarem isto dele, Biden reage: "I know what the hell I’m doing" - TVI

"Um homem idoso com uma memória fraca": Biden ilibado por pensarem isto dele, Biden reage: "I know what the hell I’m doing"

  • CNN
  • Jeremy Herb, Hannah Rabinowitz, Devan Cole, Zachary Cohen e Holmes Lybrand
  • 9 fev, 11:15
Joe Biden e Robert Hur (Getty Images)

Presidente norte-americano não vai ser acusado de crime. Mas a maneira como foi ilibado também não lhe agradou. Tudo isto vai seguramente tornar-se num assunto na campanha presidencial - Trump e os republicanos já fizeram da idade de Biden uma parte fundamental do debate

Relacionados

Estas são as conclusões do relatório do advogado especial sobre o tratamento de documentos confidenciais por Biden

 

O relatório do procurador especial Robert Hur (à direita na fotografia), divulgado quinta-feira, não acusou o presidente Joe Biden de um crime, mas pintou um quadro de um líder esquecido que não conseguiu proteger adequadamente informações confidenciais altamente sensíveis - uma descrição que pode prejudicar Biden politicamente.

O relatório do conselho especial concluiu que Biden reteve intencionalmente informações classificadas, incluindo documentos ultra-secretos, e sabia que estava na posse de alguns documentos já em 2017. Também partilhou algumas dessas informações com o escritor fantasma do seu livro de memórias de 2017.

O procurador especial decidiu não acusar o presidente no caso - principalmente porque considerou que nada provava a intenção deliberada de Biden de reter ilegalmente informações classificadas e a sua cooperação com a investigação.

No entanto, numa linha de raciocínio politicamente prejudicial, Hur escreveu que uma das razões pelas quais Biden não ia ser processado era porque se apresentaria perante um júri como um homem idoso "com uma memória fraca". Os advogados de Biden contestaram a descrição - chamando-lhe "excesso de investigação" e acusando Hur de desrespeitar as regras e normas do Departamento de Justiça.

O relatório vai seguramente tornar-se num assunto na campanha de 2024 - onde o provável adversário de Biden, Donald Trump, está a enfrentar acusações criminais pelo tratamento de material confidencial, apesar de Hur ter deixado claro como os dois casos eram diferentes.

Eis as conclusões do relatório de quinta-feira.

Uma denúncia dolorosa para Biden

Hur descreveu detalhadamente como Biden tratou incorretamente materiais confidenciais, escrevendo que os agentes do FBI descobriram materiais da "garagem, escritórios e cave da casa de Biden em Wilmington, Delaware".

Os materiais incluíam documentos confidenciais, incluindo alguns marcados com o mais alto nível de informação ultra-secreta/sensível e compartimentada, relacionados com a política militar e externa no Afeganistão, bem como cadernos de apontamentos "contendo as entradas manuscritas do senhor Biden sobre questões de segurança nacional e política externa que implicam fontes e métodos de informação sensíveis".

O procurador especial invocou a idade e a memória de Biden para explicar por que razão não apresentou queixa.

"Também considerámos que, no julgamento, o senhor Biden provavelmente se apresentaria perante o júri, como fez durante a nossa entrevista, como um homem idoso, simpático e bem-intencionado, com uma memória fraca", escreveu Hur.

"A memória do senhor Biden também parecia ter limitações significativas", escreveu Hur noutra passagem, acrescentando que as conversas com o escritor fantasma "de 2017 são muitas vezes dolorosamente lentas, com o senhor Biden a lutar para se lembrar de eventos e a esforçar-se por vezes para ler e transmitir as suas próprias entradas no caderno".

Embora Hur também tenha enumerado outras razões para não acusar Biden, as passagens relacionadas com a memória e a idade vão certamente tornar-se um tema de campanha para Trump e os republicanos, que já fizeram da idade do presidente uma parte fundamental da campanha.

O líder do Partido Republicano na Câmara, Tom Emmer, o republicano nº 3, chamou às descobertas de Hur "alarmantes".

"É evidente que @joebiden não tem capacidade cognitiva para ser presidente", disse Emmer no X.

Hur diz que as provas não apoiam a acusação do presidente

Embora a investigação tenha revelado que Biden "reteve e divulgou intencionalmente materiais confidenciais" depois de deixar o cargo, o relatório de Hur diz que a sua equipa concluiu que as provas não sustentavam a acusação do presidente.

De acordo com o relatório, em 2017 - depois de deixar o cargo - Biden trabalhou com um escritor fantasma para o seu livro de memórias e disse ao escritor, numa conversa gravada, que tinha "acabado de encontrar todo o material confidencial no andar de baixo", o que os investigadores acreditam que se referia à casa que estava a alugar na Virgínia.

Os investigadores acreditam que as provas sugerem que Biden estava a referir-se a documentos confidenciais sobre o aumento das tropas no Afeganistão em 2009 - que os agentes do FBI encontraram mais tarde na garagem da casa em Delaware.

O relatório de Hur diz que o "melhor caso para acusações" seria Biden estar na posse de documentos confidenciais em 2017, uma vez que foi depois de ter deixado a vice-presidência e antes de se tornar presidente em 2021.

Mas, diz o relatório, "várias defesas são susceptíveis de criar dúvidas razoáveis quanto a tais acusações".

"Por exemplo, Biden poderia ter encontrado os documentos confidenciais do Afeganistão em casa, na Virgínia, em 2017, e ter-se esquecido deles pouco depois. Isso poderia convencer alguns jurados de que ele não os reteve intencionalmente", diz o relatório.

O relatório também diz que o facto de Biden nunca mais ter falado sobre os documentos nas "dezenas de horas" de conversas gravadas com o seu ghostwriter, juntamente com a forma como os documentos foram encontrados na garagem de Biden - numa caixa danificada rodeada de "detritos domésticos" - poderia sugerir que Biden se tinha esquecido deles.

"Além disso, a memória do senhor Biden era significativamente limitada, tanto durante as entrevistas gravadas com o ghostwriter em 2017, quanto na entrevista com o nosso escritório em 2023", refere o relatório, "E a sua cooperação com a nossa investigação, incluindo ao relatar ao governo que os documentos do Afeganistão estavam na sua garagem em Delaware, provavelmente convencerá alguns jurados de que cometeu um erro inocente, em vez de agir intencionalmente - ou seja, com a intenção de infringir a lei - como exige o estatuto."

Biden critica a imagem que Hur faz dele

O presidente atacou o procurador especial durante os comentários programados às pressas na Casa Branca na noite de quinta-feira, mas também criou uma nova dor de cabeça para si mesmo durante o processo.

Biden, visivelmente zangado, pegou no microfone da Sala de Receção Diplomática da Casa Branca e criticou o facto de Hur o descrever como um homem idoso e distraído nas entrevistas.

Biden tentou mudar a narrativa, dizendo: "Eu sou bem-intencionado. E sou um homem idoso. E sei o que raio estou a fazer. Fui presidente - pus este país de novo de pé. Não preciso da recomendação dele" (em inglês tem mais força: "I know what the hell I’m doing").

E num momento de evidente emoção, o presidente visou Hur pela passagem do relatório que afirmava que Biden não se lembrava, durante uma entrevista com investigadores no ano passado, exatamente quando o seu filho mais velho morreu.

"Há até uma referência de que não me lembro de quando meu filho morreu", disse Biden. "Como é que ele se atreve a falar nisso?"

"Francamente", continuou Biden, "quando me fizeram a pergunta, pensei para mim mesmo que não era da conta deles".

Biden começou a dizer que usava o rosário do seu filho Beau todos os dias desde o dia em que ele morreu, mas parou, parecendo engasgar-se.

"Todos os Dias da Memória realizamos uma cerimónia para o recordar, com a presença de amigos, familiares e pessoas que o amavam", afirmou Biden, após uma pausa. "Não preciso de ninguém - não preciso de ninguém para me lembrar quando é que ele faleceu".

Mas, poucos minutos depois de defender a sua memória e cognição, o presidente expressou-se mal e chamou ao presidente do Egipto, Abdel Fattah al-Sisi, o "presidente do México", um momento que minou a sua vigorosa reação contra o relatório.

"Como sabem, sou da opinião de que a resposta em Gaza, na Faixa de Gaza, foi exagerada. Penso que, como sabem, inicialmente, o presidente do México, Al-Sisi, não queria abrir o portão para permitir a entrada de material humanitário. Falei com ele", referiu.

Republicanos recebem presentes políticos do relatório de Hur

Os republicanos do Congresso não perderam tempo para aproveitar o relatório de Hur, alegando que a decisão de não apresentar acusações criminais é prova de preconceito político contra o provável candidato presidencial do partido em 2024, bem como que os detalhes sobre os problemas de memória de Biden provam que ele não está apto para o cargo.

Os legisladores republicanos não esperavam que Hur processasse Biden, mas a constatação de que a sua "memória era significativamente limitada" durante as entrevistas com os investigadores alimentou uma cascata de ataques políticos dos aliados de Trump no Capitólio.

Pouco depois da divulgação do relatório, os membros do Partido Republicano do Comité Judicial da Assembleia chamaram à decisão de Hur de não processar Biden um "duplo padrão", uma aparente referência ao facto de Trump ter sido acusado de crimes relacionados com a sua própria manipulação de informações confidenciais pelo procurador especial Jack Smith.

"Apesar do facto de Hur reconhecer que Biden reteve e divulgou intencionalmente materiais confidenciais após a sua vice-presidência, quando era um cidadão privado. PADRÃO DUPLO", disse o Partido Republicano do Judiciário da Câmara no X.

Os republicanos do Comité de Supervisão da Assembleia, que investigaram separadamente o tratamento de documentos confidenciais por Biden, criticaram o relatório de Hur antes mesmo deste ser divulgado ou entregue ao Congresso.

"Esta não é uma administração transparente, e a nossa investigação não vai parar", publicaram os republicanos do Comité de Supervisão no X.

O painel liderado pelo Partido Republicano também criticou o Departamento de Justiça por não apresentar acusações criminais.

Diferenças com o caso de Trump

Os republicanos há muito que estabelecem paralelos entre a investigação de Hur e a de Smith, que no ano passado apresentou acusações contra Trump relacionadas com o seu tratamento de documentos confidenciais em Mar-a-Lago depois de ter deixado a Casa Branca, apesar das diferenças críticas nos dois casos.

Hur teve o cuidado de salientar a distinção entre os dois casos no relatório - nomeadamente que Biden cooperou com a investigação e devolveu os documentos, enquanto Trump não devolveu os documentos quando lhe foi pedido e depois tentou encobrir o facto.

"Mais concretamente, depois de lhe terem sido dadas várias oportunidades para devolver documentos confidenciais e evitar uma ação judicial, Trump terá feito o contrário", escreveu Hur. "De acordo com a acusação, ele não só se recusou a devolver os documentos durante muitos meses, como também obstruiu a justiça ao recrutar outros para destruir provas e depois mentir sobre isso.

"Em contraste, Biden entregou documentos confidenciais aos Arquivos Nacionais e ao Departamento de Justiça, consentiu que fossem feitas buscas em vários locais, incluindo as suas residências, participou numa entrevista voluntária e, de outras formas, cooperou com a investigação", salientou Hur.

Fotografias mostram documentos guardados no meio da desarrumação da casa

O relatório de Hur incluiu uma série de fotografias que retratam várias partes das casas de Biden, materiais em causa na investigação e outras situações relevantes ao longo dos anos.

Uma dessas fotografias mostra cadernos de apontamentos "apreendidos num armário de arquivo debaixo de uma televisão no escritório de Biden em Delaware". O relatório dizia que Biden "tomava regularmente notas nos seus cadernos sobre assuntos confidenciais e durante reuniões em que eram discutidas informações confidenciais".

"Por exemplo, Biden tomava regularmente notas relacionadas com o Resumo Diário do Presidente, que normalmente contém informações confidenciais. Também tomava regularmente notas durante as reuniões na Sala de Crise da Casa Branca, e numerosas fotografias documentam esta prática", segundo o relatório.

Os investigadores observaram que, embora "nenhum dos cadernos tenha marcas de classificação, alguns dos cadernos contêm informações que permanecem classificadas até ao nível informação ultra-secreta/sensível e compartimentada".

Outro conjunto de fotos mostrava a garagem de Biden no Delaware, que "continha um volume significativo de caixas, armazenamento e lixo", incluindo uma que continha documentos confidenciais relacionados com a política do Afeganistão.

"Entre os locais onde os advogados de Biden encontraram documentos confidenciais na garagem estava uma caixa danificada e aberta que continha várias pastas suspensas, pastas de arquivo e capas", diz o relatório. "A caixa, que tinha as etiquetas 'Gabinete' e 'Ficheiro de secretária', estava num estado deplorável, com os cantos rasgados e duas abas superiores arrancadas."

E continuava: "Dentro da caixa, o FBI encontrou duas pastas com documentos confidenciais relacionados com a revisão da política do outono de 2009 sobre o Afeganistão."

As fotos remetem para as que o procurador especial Smith incluiu na sua acusação, no ano passado, contra Trump, por causa do manuseamento incorreto de documentos confidenciais pelo próprio ex-presidente.

As fotografias incluídas nos documentos de acusação de Trump mostravam como ele alegadamente guardava documentos confidenciais em vários locais da sua propriedade de Mar-a-Lago, incluindo um salão de baile, o duche da casa de banho e o quarto.

Casa Branca critica Hur por causa de passagens relativas à memória de Biden

O advogado da Casa Branca e o advogado pessoal de Biden criticaram várias das afirmações feitas no relatório de Hur, incluindo comentários sobre a memória do presidente.

Os advogados da Casa Branca, Richard Sauber e Bob Bauer, escreveram uma carta de cinco páginas a Hur na segunda-feira, dizendo que a menção à memória de Biden era "inteiramente supérflua".

"Não acreditamos que o tratamento dado pelo relatório à memória do presidente Biden seja exato ou apropriado", escreveram Sauber e Bauer. "O relatório usa uma linguagem altamente prejudicial para descrever uma ocorrência comum entre as testemunhas: a falta de lembrança de eventos com vários anos."

Numa declaração posterior, Bauer acusou Hur de "excesso de investigação" e disse que ele desrespeitou os regulamentos e normas do Departamento de Justiça.

O advogado disse que o procurador especial "não podia abster-se de excessos de investigação, o que talvez não seja surpreendente, dadas as intensas pressões do atual ambiente político".

"Qualquer que seja o impacto dessas pressões no relatório final, este desrespeita os regulamentos e as normas do Departamento", disse Bauer. "Muito pouco nesta obra contribui para uma compreensão clara e sucinta de uma conclusão direta: não houve má conduta, não há acusações justificadas. O relatório aprofunda uma discussão sobre as 'provas' de retenção 'intencional' de documentos confidenciais, apenas para reconhecer que não existe, de facto, qualquer caso de retenção 'intencional'."

Um porta-voz do gabinete do procurador especial recusou-se a comentar os alegados comentários " incorrectos e inapropriados" do relatório do procurador especial.

Hannah Rabinowitz, Evan Perez, Melanie Zanona e Annie Grayer, da CNN, contribuíram para este artigo.

Continue a ler esta notícia

Relacionados