Bispo do Porto afasta "temporariamente" três padres suspeitos de abusos - TVI

Bispo do Porto afasta "temporariamente" três padres suspeitos de abusos

A Diocese do Porto recebeu uma lista de 12 padres suspeitos de abusos sexuais de menores, sete dos quais são padres no ativo

A Diocese do Porto decidiu esta quinta-feira afastar "temporariamente" de "toda a atividade pastoral" três sacerdotes diocesanos de sete padres suspeitos de abusos sexuais.

"No âmbito da investigação interna sobre os nomes constantes da lista de suspeitos fornecida pela Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais de Crianças na Igreja Católica, o Bispo do Porto decidiu afastar temporariamente três sacerdotes diocesanos de toda a atividade pastoral", pode ler-se no comunicado enviado às redações.

A lista de suspeitos entregue à Diocese do Porto pela Comissão Independente para o Estado dos Abusos Sexuais continha 12 nomes de alegados padres abusadores. Desses, quatro já faleceram, um não pertence à diocese os restantes foram alvo de investigação. Na altura, o Bispo do Porto recusou afastar os sete padres suspeitos, mas garantiu que não hesitaria em "suspender preventivamente" os respetivos nomes caso surgissem "indícios fiáveis" dos crimes de que são suspeitos.

A decisão de então quanto à não suspensão com a de outras dioceses - como Angra, Évora ou Braga -, que decidiram suspender os padres no ativo suspeitos de abusos até que a investigação chegue ao fim.

A Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais na Igreja Católica validou 512 testemunhos, apontando, por extrapolação, para pelo menos 4.815 vítimas. Vinte e cinco casos foram enviados ao Ministério Público, que abriu 15 inquéritos, dos quais nove foram arquivados.

Os testemunhos referem-se a casos ocorridos entre 1950 e 2022, o espaço temporal abrangido pelo trabalho da comissão.

No relatório, divulgado em fevereiro, a comissão alertou que os dados recolhidos nos arquivos eclesiásticos sobre a incidência dos abusos sexuais “devem ser entendidos como a ‘ponta do iceberg’” deste fenómeno.

A comissão entregou aos bispos diocesanos listas de alegados abusadores, alguns ainda no ativo.

Continue a ler esta notícia

EM DESTAQUE