China acusa Bruxelas de exigir informação sem precedentes aos fabricantes de automóveis - TVI

China acusa Bruxelas de exigir informação sem precedentes aos fabricantes de automóveis

  • Agência Lusa
  • AM
  • 20 jun, 11:12
Renault (AP)

Apesar de as empresas chinesas terem cooperado “tanto quanto possível", a Comissão "continua a acusá-las injustamente de não cooperarem plenamente e aplicou taxas [alfandegárias] elevadas como punição", acusa o porta-voz do Ministério do Comércio da China

A China disse esta quinta-feira que não há precedentes para a quantidade e o tipo de informações solicitadas pela Comissão Europeia (CE) no âmbito da investigação aos subsídios atribuídos pelo Estado chinês aos fabricantes de veículos elétricos.

"O tipo, o âmbito e a quantidade de informações recolhidas pela parte europeia não têm precedentes e excedem em muito os requisitos da investigação", disse o porta-voz do Ministério do Comércio da China, He Yadong, em conferência de imprensa.

He afirmou que a CE exigiu pormenores sobre os componentes e as fórmulas das baterias, os custos de produção dos veículos, o fornecimento de peças e de matérias-primas, os canais de venda e os métodos de fixação de preços, os dados relativos aos clientes na Europa e a estrutura das cadeias de fornecimento.

"A CE indicou repetidamente, durante o inquérito, que a não-cooperação resultaria numa decisão desfavorável, obrigando as empresas a entregar essas informações", acusou o porta-voz.

Apesar de as empresas chinesas terem cooperado “tanto quanto possível", a Comissão "continua a acusá-las injustamente de não cooperarem plenamente e aplicou taxas [alfandegárias] elevadas como punição".

“As empresas chinesas estão chocadas e desiludidas", acrescentou o porta-voz, acusando a CE de "não ter uma base objetiva e jurídica, desrespeitar as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e prejudicar a concorrência leal, a transformação ‘verde’ global e a cooperação aberta".

"A China opõe-se totalmente a esta situação e tomará todas as medidas necessárias para defender firmemente os direitos legítimos das empresas chinesas", afirmou.

No dia 12, a CE anunciou tarifas adicionais de 21%, em média, sobre as importações de carros elétricos chineses, oferecendo uma taxa mais baixa às empresas que cooperaram (BYD, 17,4%, e Geely, 20%) e uma taxa mais elevada de 38,1% às que não cooperaram, visando especificamente a SAIC.

A queixa do Ministério do Comércio da China surge dias depois de uma conta de uma rede social operada pela televisão estatal CCTV ter acusado a Comissão Europeia de estabelecer requisitos "extremamente severos" e de reclamar segredos comerciais para a investigação.

Na segunda-feira, Pequim anunciou uma investigação sobre concorrência desleal contra certas importações de carne de porco da União Europeia (UE), uma aparente e antecipada retaliação pelas tarifas sobre carros elétricos.

Dado que as tarifas sobre os veículos elétricos vão entrar em vigor provisoriamente antes de 04 de julho, mas só se tornarão definitivas em novembro, Pequim exige que Bruxelas recue e aumenta a pressão comercial.

A imprensa oficial chinesa já avançou possíveis aumentos dos direitos de importação sobre os automóveis de grande porte ou uma nova investigação ‘antidumping’ sobre os produtos lácteos europeus.

Continue a ler esta notícia