Algumas pessoas são mais vulneráveis ao calor do que outras. Veja se está em risco - TVI

Algumas pessoas são mais vulneráveis ao calor do que outras. Veja se está em risco

  • CNN
  • Sandee LaMotte
  • 16 ago 2023, 09:00
Calor extremo e ondas de calor nas cidades

Antigamente, a morte por calor extremo atingia normalmente locais escaldantes como o "Vale da Morte", nos EUA. Atualmente, nenhum lugar parece estar imune a temperaturas mortíferas.

Embora o calor possa matar, também põe em perigo a saúde, ao piorar as condições existentes, disse Prabu Selvam, médico de emergência da Americares, uma organização sem fins lucrativos de ajuda e desenvolvimento centrada na saúde que desenvolveu fichas de dicas relacionadas com o calor para o público.

"Nas emergências provocadas pelo calor, as pessoas desidratam-se facilmente e, quando isso acontece, o coração das pessoas tem de trabalhar mais e os pulmões têm de trabalhar mais para que o oxigénio e o fluxo sanguíneo cheguem aos órgãos", disse Selvam.

"Quando têm estes problemas de saúde subjacentes e se junta o stress do calor, os seus corpos não têm a capacidade de lidar com isso como uma pessoa saudável seria capaz de fazer."

De acordo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, ter uma doença cardíaca ou pressão arterial elevada já é um stress para o coração. O excesso de peso ou a obesidade são também factores de risco, uma vez que o excesso de peso faz com que o corpo retenha mais calor.

"As pessoas com doenças do fígado ou dos pulmões também correm um risco mais elevado", afirmou Selvam. "É importante notar que as pessoas socioeconomicamente desfavorecidas, sem habitação, que vivem em habitações públicas sem ar condicionado e afins correm o maior risco de sofrer de calor - e, entre essas pessoas, as que têm problemas de saúde correm um risco ainda maior."

Tem uma doença renal?

De acordo com o CDC, mais de 1 em cada 7 adultos norte-americanos tem uma doença renal crónica e 9 em cada 10 não a conhecem - e 1 em cada 3 pessoas com doença renal grave não a conhecem.

A ignorância sobre o estado dos seus rins e o calor podem ser uma combinação perigosa. O calor pode desidratar o corpo rapidamente, especialmente se estiver fisicamente ativo. Pode não saber que está desidratado - quando sente sede, já perdeu fluidos preciosos, de acordo com a Cleveland Clinic.

Qualquer pessoa com tensão arterial elevada ou diabetes está em risco, uma vez que estas são as duas principais causas de insuficiência renal, de acordo com o CDC. Outras causas de doença renal incluem a obesidade, doenças cardíacas, antecedentes familiares, idade (mais de 60 anos), tamanho ou estrutura anormal dos rins e um longo historial de toma de analgésicos - com ou sem receita médica.

Beber muita água é fundamental. Se fizer exercício, trabalhar no exterior ou passar algum tempo no calor, tente beber 1 copo (25 cl) de água a cada 15 a 20 minutos, segundo o CDC.

"Isso traduz-se em ¾ a 1 litro por hora", disse a agência. "Não beba mais de um litro e meio por hora! Beber demasiada água ou outros líquidos (bebidas desportivas, bebidas energéticas, etc.) pode causar uma emergência médica porque a concentração de sal no sangue se torna demasiado baixa. Beber em intervalos mais curtos é mais eficaz do que beber grandes quantidades com pouca frequência."

A água é a melhor opção, segundo o CDC, uma vez que os refrigerantes, o café e as bebidas energéticas podem estar cheios de açúcar e cafeína. Beber várias bebidas energéticas por dia pode aumentar o ritmo cardíaco, o que causa ainda mais stress no corpo.

Não se esqueça de comer alimentos que possam substituir os electrólitos quando beber grandes quantidades de água enquanto estiver desidratado, disse Selvam. Os alimentos que contêm quantidades elevadas de electrólitos, como fosfato, magnésio, potássio, cloreto, cálcio e sódio, incluem abacates, bananas e citrinos, brócolos, alperces secos, folhas verdes, lentilhas, cogumelos, nozes e sementes de girassol ou abóbora, espinafres, cereais integrais e curgetes.

A gravidez e o feto

A gravidez é uma altura perigosa para o sobreaquecimento, dizem os especialistas, já que as temperaturas elevadas podem prejudicar tanto a mãe como o feto em desenvolvimento.

"A exposição ao calor tem sido associada ao trabalho de parto prematuro e à restrição do crescimento fetal, que é um crescimento deficiente do bebé devido a um fluxo sanguíneo inadequado", afirmou Selvam. "Há também um aumento de complicações cardíacas em mulheres grávidas, especialmente durante o terceiro trimestre, quando cercadas por uma emergência de calor significativa."

As pessoas grávidas são mais propensas a ficar desidratadas e podem ser incapazes de se refrescar suando porque estão tentando resfriar o feto, bem como seus próprios corpos, disse o CDC. Por conseguinte, podem desenvolver exaustão pelo calor, insolação ou outras doenças relacionadas com o calor mais rapidamente do que as pessoas que não estão grávidas, afirmou o CDC.

Uma das causas das contracções precoces - chamadas Braxton Hicks - é a desidratação, de acordo com a American Heart Association. A desidratação também pode aumentar a probabilidade de tonturas e desmaios.

O superaquecimento de banheiras de hidromassagem ou febres altas tem sido associado a "mudanças na estrutura do coração fetal e defeitos do tubo neural, que podem resultar em condições como a espinha bífida", disse a AHA em seu site. Um estudo de 2019 previu aumentos nos defeitos cardíacos fetais entre 2025 e 2035 à medida que o planeta aquece, com a maioria provavelmente no Centro-Oeste, disse o estudo.

As pessoas grávidas devem tomar as mesmas medidas que todas as outras pessoas quando superaquecidas, disse a AHA: "Mudar para um lugar mais fresco, beber água, afrouxar a roupa, aplicar panos molhados na pele e sentar-se na água fria da banheira".

Quando está grávida, pode desidratar-se facilmente e desenvolver mais rapidamente a exaustão pelo calor e a insolação, dizem os especialistas.

Medicamentos e saúde mental

Segundo os especialistas, o calor também provoca stress no cérebro, afectando a capacidade de pensar, planear, prestar atenção e controlar os impulsos. O calor provoca uma aceleração do coração, a pressão arterial pode baixar e o processamento mental fica enfraquecido. Estas alterações podem manter-se mesmo depois de o corpo arrefecer. Os estudos revelaram que a capacidade de resolver conflitos cognitivos continua a ser afetada, o que pode explicar por que razão os ânimos se exaltam frequentemente quando está calor.

O calor pode ser difícil para as pessoas com perturbações de défice de atenção, ansiedade, depressão e outros problemas de saúde mental. Certos medicamentos podem contribuir para o problema.

"Os medicamentos para as enxaquecas e alergias e outros vasoconstritores, bem como os antidepressivos tricíclicos, as fenotiazinas e os anticolinérgicos, reduzem a transpiração, uma ferramenta fundamental para a regulação da temperatura", segundo a US Pharmacist, uma revista mensal para farmacêuticos.

Os laxantes e diuréticos também promovem a desidratação. Os beta-bloqueadores utilizados para os ritmos cardíacos anormais podem diminuir o fluxo sanguíneo para a pele, refere a revista, "enquanto os estimulantes utilizados para tratar a perturbação de défice de atenção/hiperatividade e a narcolepsia aumentam a temperatura corporal de base".

Outros medicamentos que aumentam o risco de doenças relacionadas com o calor incluem medicamentos antipsicóticos; benzodiazepinas, que reduzem as convulsões e ajudam na ansiedade e nos espasmos musculares; bloqueadores dos canais de cálcio utilizados para baixar a pressão arterial; e medicamentos para a tiroide.

O impacto da idade

Considerando a idade, o maior risco de calor é para adultos mais velhos, especialmente aqueles com mais de 70 anos, e crianças pequenas, disse Selvam.

"Para os doentes idosos que têm problemas de saúde subjacentes significativos, bastam algumas horas a temperaturas interiores de 27 graus ou superiores para os colocar em situação de doença térmica significativa, como a exaustão pelo calor ou a insolação", afirmou.

As crianças podem estar em maior risco devido ao seu ambiente, disse Selvam.

"Enquanto os adultos podem passar o dia dentro de um escritório, espera-se que as crianças sejam mais activas fisicamente, mesmo indo para a rua, apesar do calor", disse ele. "Durante as aulas, as crianças podem não ter acesso a algo para beber regularmente, a não ser que os professores o permitam."

Independentemente da idade, as pessoas que se esforçam demasiado no calor correm um risco maior, acrescentou.

"Se estivermos num ambiente com 27 graus apenas durante uma hora, mas estivermos a esforçar-nos significativamente ou se for um ambiente de trabalho difícil, isso pode ser suficiente para nos colocar em perigo", afirmou. "Depende realmente de vários factores, não apenas da temperatura a que se está."

Continue a ler esta notícia